MULHERES E SOCIOBIODIVERSIDADE DO CERRADO MATO-GROSSENSE

RAÍZES QUE SUSTENTAM A VIDA E O MODO DE SER E VIVER DE UM POVO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v11i2.15945

Resumo

O tema que se apresenta é a visibilidade dos saberes da sociobiodiversidade do cerrado. Objetiva-se apresentar e divulgar a história das mulheres que desenvolvem seus saberes relacionados à agroecologia e outros saberes voltados para as práticas tradicionais alimentares e de saúde do povo do campo. Trata-se de uma pesquisa participante, seguindo um método fenomenológico. Quanto à obtenção das informações (dados), foram realizadas entrevistas abertas com cinco mulheres que fazem parte do Grupo de Mulheres Camponesas Raízes do Cerrado, no município de Nossa Senhora do Livramento, MT. Os resultados da pesquisa apontam que há poucos trabalhos que envolvem a temática, principalmente relativos ao feminismo comunitário e ao extrativismo do cumbaru. Sobre os aprendizados mais relevantes da pesquisa, até o momento, evidencia-se que o grupo vem gerando riquezas em se tratando da relação das mulheres com o bioma, com a terra, a religiosidade e com a vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana de Campos, Universidade Federal de Mato Grosso

Professora de Educação Básica, coordenadora pedagógica na Escola Estadual José de Lima Barros, mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Mato Grosso.

Maria Aparecida Rezende, Universidade Federal de Mato Grosso

Profa. Dra. Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Educação, Departamento de Teoria e Fundamentos de Educação. Profa. Programa de Pós-Graduação em Educação – PPGE. Membro do Grupo de Pesquisa de Movimentos Sociais em Educação – GPMSE e do Grupo de Estudos Educação & Merleau-Ponty – GEMPO. Possui graduação em Pedagogia pela Universidade do Estado de Mato Grosso (1997), Especialista em Teorias e Métodos da Antropologia e Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (2004). Doutora pela Universidade Federal de Mato Grosso. Atualmente é professora da Universidade Federal de Mato Grosso. Tem experiência na área de Educação, com ênfase em educação indígena, educação escolar indígena e educação de jovens e adultos. Pesquisa de doutorado sobre a organização social e educativa das mulheres Xavante. Trabalha com a disciplina optativa no Curso de Pedagogia UFMT Tópicos Especiais em Educação Escolar Indígena. Projetos de Extensão e Pesquisa ligado a temática Educação Escolar Indígena e Educação Indígena, bem como algumas publicações como artigos completos em vários eventos científicos nacionais e internacionais, capítulos de livros e palestras referente a essa temática. Há cinco anos trabalhando também com Educação a Distância - Universidade Aberta do Brasil. Nessa experiência o trabalho diversifica-se com as temáticas - Antropologia, Currículo e Educação e Diversidade voltada para as questões indígenas.

Downloads

Publicado

2024-01-26

Como Citar

de Campos, A., & Rezende, M. A. (2024). MULHERES E SOCIOBIODIVERSIDADE DO CERRADO MATO-GROSSENSE: RAÍZES QUE SUSTENTAM A VIDA E O MODO DE SER E VIVER DE UM POVO. Diversidade E Educação, 11(2), 669–688. https://doi.org/10.14295/de.v11i2.15945