A BNCC E O COMPONENTE CURRICULAR DE HISTÓRIA – ENTRE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES, COMO FICAM AS QUESTÕES DE GÊNERO?

Autores

  • Bruna Cruz Baptista Universidade Estácio de Sá

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v8i2.12099

Resumo

A partir da pesquisa “Investigando a importância do não dito – gênero e mulheres no livro didático de História”, buscamos analisar uma coleção de livros didáticos de história, aprovada pelo PNLD 2020, a partir do gênero como categoria de análise, com o propósito de visualizar como se apresentam as relações de gênero e o seu conceito. Por meio da seleção e exploração de uma das coleções aprovadas compreendemos que os livros didáticos que chegam às escolas estão diretamente relacionados às propostas das políticas públicas educacionais vigentes, como o PNLD e a BNCC. Sendo este um documento a nível nacional, uma coleção baseada nele, muito também pode nos dizer sobre as diretrizes nacionais sobre determinados assuntos. Buscamos com este trabalho apresentar uma síntese dos dados extraídos pela análise da BNCC, em que damos destaque como o tema das relações de gênero é abordado ou não neste documento norteador da educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna Cruz Baptista, Universidade Estácio de Sá

Historiadora e professora de História com Mestrado em História Comparada. Cursando especialização em Direitos Humanos, gênero e sexualidade pela ENSP - FIOCRUZ. Atualmente, desenvolve o projeto de pesquisa junto à Universidade Estácio de Sá sob o título "Investigando a importância do não dito: gênero e mulheres no livro didático de História".

Referências

AGUIAR, M. A. da S. e DOURADO, L. F. A BNCC na contramão do PNE 2014-2024: avaliação e perspectivas. Recife: ANPAE, 2018. p. 28-33.

BAKER, David P. The schooled society: the educational transformation of global culture. Stanford, California: Stanford University Press, 2014, 342 p.

BARBOSA, Josemar J. Aspectos da interação e processamento no discurso terapêutico. Recife: O Autor, 2004. Disponível em: <http://repositorio.ufpe.br/bitstream/handle/123456789/8003/jjb.pdf?sequence=

&isAllowed=y>. Acesso em: 17 jun. 2020.

BENTO, B. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Estudos feministas,

Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 548-559, 2011.

BITTENCOURT, Circe Maria Fernandes. Livro didático e conhecimento histórico: uma história do saber escolar. 1993. Tese (Doutorado). Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. São Paulo: 1993.

______. Livros didáticos entre textos e imagens. In: O saber histórico na sala de aula. 2. ed. São Paulo: Contexto, 1998, p. 69-90.

______. Ensino de História: fundamentos e métodos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC, 2010. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15548-d-c-n-educacao-basica-nova-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 18 mai. 2020.

BRASIL. Lei 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Brasília, DF, Diário Oficial da União.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: basenacionalcomum.mec.gov.br/ Acesso em: 18 mai. 2020.

CARNIEL, Francislaine Soledade. O lugar da história nos anos iniciais da base nacional comum curricular. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA. 30, 2019, Recife. Disponível em: <https://www.snh2019.anpuh.org/resources/anais/8/1564629757_ARQUIVO_FRANCISLAINESOLEDADECARNIELOLUGARDAHISTORIAESCOLARNABNCCANOSINICIAISANPUH.pdf>. Acesso em: 13 set. 2020.

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Documento final. Brasília: MEC. Disponível em: <http://conae.mec.gov.br/images/stories/pdf/pdf/documetos/documento_final_sl.pdf>. Acesso em: 10 dez. 2017.

COSTA, Warley da. As imagens da escravidão nos livros didáticos de História do ensino fundamental: representações e identidades. 2006. Dissertação (Mestrado em Educação). Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

DEL PRIORE, M. (org). História das mulheres no Brasil. São Paulo: contexto, 2011.

FERNANDES, C. Diversidade sexual e políticas educacionais: possíveis aproximações. In: FREITAS, L. G.; BRZEZINSKI, I. Políticas educacionais: neoliberalismo, formação de professores, tecnologia, diversidade e inclusão. Anápolis: Editora UEG, p. 377-395, 2016.

FERRAZ, A. P. C. M. BELHOT, R. V. Taxonomia de Bloom: revisão teórica e

apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais.

Gest. Prod. 2010, vol.17, n.2, pp.421-431.

FERREIRA, C. S. e col. Políticas Públicas Educacionais: apontamentos sobre o direito social da qualidade na educação. In Revista Labor. Nº 11. Vol. 01. 2014.

FONSECA, S. G. Didática e prática de ensino de História. Campinas: Papirus, 2008.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade. Vol. 1: A vontade de saber. Editora Graal, Rio de Janeiro, 11ª ed., 1988.

______________. “História das mulheres”. In: BURKE, Peter (Org.). A escrita da História. São Paulo: EDUNESP, 1992.

FOX-GENOVESE, Elizabeth. Cultura e consciência na história intelectual das mulheres européias. In: The journal of Women in culture and society, Printed by the University of Chicago, v.12, n.31, p.529-547, 1987.

FUNARI, P. P. A. Romanas por elas mesmas. Cadernos Pagu, Campinas, n. 5, p. 179-200, 1995. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/cadpagu/article/view/1855>. Acesso em: 14 jun. 2020.

GATTI JÚNIOR., Décio. A escrita escolar da história: livro didático e ensino no Brasil (1970-1990). Edusc: Bauru/SP, 2004.

LINS, Beatriz Accioly; MACHADO, Bernardo Fonseca; ESCOURA, Michele. Diferentes, não desiguais - a questão de gênero na escola. São Paulo: Editora Reviravolta, 2016.

LOURO, Guacira Lopes; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre (Org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. Editora Vozes: Petrópolis/RJ, 2008.

MATOS, Marlise. Teorias de gênero ou teorias e gênero? Se e como os estudos de gênero e feministas se transformaram em um campo novo para as ciências. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, 16(2): 440, pp 333-357, 2008.

NASH, Mary. “Invisibilidad y Presencia de la Mujer en História”. Em: Historia 10. México, jul./set., 1985.

NICHOLSON, L. Interpretando o gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.8, n.2, p.9-42, 2000.

OBSERVATÓRIO DO PNE. O Plano Nacional de Educação. Disponível em: <http://www.observatoriodopne.org.br/>. Acesso em: 18 mai. 2020.

OLIVEIRA, Wilson Sousa. A imagem da mulher nos livros didáticos e relações de gênero. Rev. Fórum Identidades GEPIADDE. Itabaiana. Ano 5, V. 9.jan-jun de 2011.

PASQUALINI, J. C.; MARTINS, F. R. Crítica à pedagogia das competências de Phillipe Perrenoud: sua visão liberal de educação e sociedade e sua afinidade com as demandas do processo produtivo contemporâneo. In: SEMINÁRIO REDESTRADO: nuevas regulaciones en América Latina, 7, 2008, Buenos Aires. Anais. Buenos Aires: Redestrado, 2008. p. 1-20.

PATEMAN, Carole. O contrato sexual. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1993.

PEREIRA, A. M. A representação da mulher no livro didático de História. 2013, 49 f.

Monografia (Especialização em Educação: Métodos e Técnicas de ensino), Diretoria de

pesquisa e pós-graduação, Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Medianeira, 2013.

PERRENOUD, P. Construindo competências desde a escola. Porto Alegre: Artmed, 1999.

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da História. Bauru: EDUSC, 2005. 520 p.

POCAHY, F.; DORNELLES, P. G. Um corpo entre o gênero e a sexualidade: notas sobre educação e abjeção. Instrumento, Juiz de Fora, v. 1, n. 1, p. 125-135, 2010.

RAGO, Margareth. Descobrindo historicamente o gênero. Cadernos Pagu (11) 1998: pp.89-98.

SOIHET, Rachel. História das Mulheres. In: CARDOSO, Ciro F. e VAINFAS, Ronaldo (orgs.). In.: Domínios da História. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

SOHIET, R. PEDRO, J. M. A emergência da pesquisa da História das Mulheres e das Relações de Gênero. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 27, n. 54, p. 281-300,2007. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rbh/v27n54/a15v2754.pdf>. Acesso em: 03 abr. 2018.

SCOTT, Joan W. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez. 1995.

SEGATO, Rita Laura. La guerra contra las mujeres. Madrid: Traficantes de Sueños, 2016.

SILVA, G. V. Prisioneiras do esquecimento: a representação das mulheres nos livros

didáticos de história. Dimensões, Vitória, v. 23, p. 45-66, 2009. Disponível em: <http://www.periodicos.ufes.br/dimensoes/article/viewFile/2509/2005>. Acesso em: 28 jun. 2020.

SILVA, Marcos. “Tudo que você consegue ser - TRISTE BNCC/HISTÓRIA (A versão final)”. Ensino em Re-Vista, v. 25, n. 4, p. 1004-1015, 20 dez. 2018.

STEARNS, Peter N. História das relações de gênero. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2012.

VIANNA, Cláudia P.; UNBEHAUM, Sandra. O gênero nas políticas públicas de educação no brasil: 1988-2002. Cadernos de Pesquisa, v. 34, n. 121, pp. 77-104, 2004.

Downloads

Publicado

2021-01-15

Como Citar

Baptista, B. C. (2021). A BNCC E O COMPONENTE CURRICULAR DE HISTÓRIA – ENTRE COMPETÊNCIAS E HABILIDADES, COMO FICAM AS QUESTÕES DE GÊNERO?. Diversidade E Educação, 8(2), 467–495. https://doi.org/10.14295/de.v8i2.12099