“SOU PRETO PORQUE MINHA MÃE É PRETA”: OLHARES SOBRE A INFÂNCIA E SUAS CORES

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v8i2.11583

Resumo

O presente trabalho objetivo analisar os discursos construídos por crianças do pré-escolar em relação à questão racial, com ênfase sobre a negritude enquanto marca identitária. Embora ainda pequenas, as crianças vão elucidando por meio de suas narrativas o reconhecimento de seu pertencimento à população negra, se identificando positivamente em relação a sua cor e raça. Metodologicamente, a pesquisa fundamentou-se na observação participante, com perfil qualitativo. Em seus discursos as crianças revelam orgulho de sua cor e já compreendam a necessidade de defenderem sua identidade racial. Observamos, assim, a importância de uma maior representatividade negra nas mídias e demais ferramentas de grande alcance popular. Os resultados apontaram que os movimentos sociais negros, as legislações vigentes a favor da diversidade, bem como as produções literárias com protagonismo de pessoas negras, vêm contribuindo para o processo de autorreconhecimento e autoafirmação da criança negra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Caroline Delfino dos Santos, Universidade do Grande Rio

Doutoranda e Mestre em Humanidades, Culturas e Artes pela UNIGRANRIO-Universidade do Grande Rio (2017). Possui especialização em Organização Curricular e Prática Docente na Educação Básica pela UERJ-Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2008), graduação em Pedagogia com habilitação em Orientação Educacional pela UNIGRANRIO-Universidade do Grande Rio (2005). Atua como Orientadora Educacional na Rede Pública de Ensino do Município de Duque de Caxias desde 2007 e como docente na mesma rede desde o ano de 2004. E.mail: carol.delfino.santos@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-5856-1973

Referências

ALMEIDA, Gercilga de. Bruna e a galinha d’Angola. Ilustrações de Valéria Saraiva. Rio de Janeiro: EDC e Pallas Editora, 2009.

BELÉM, Valéria. O Cabelo de Lelê. Ilustrações de Adriana Mendonça. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2007.

BRASIL. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil, 1934. Disponível em https://www.jusbrasil.com.br/topicos/10617640/artigo-138-da-constituicao-federal-de-16-de-julho-de-1934 Acesso em 08 jun. 2020.

________. Ministério da Educação. Lei nº 10.369, de 09 de janeiro de 2003. Altera a lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática "história e cultura afro-brasileira" e dá outras providências. Brasília: MEC, 2003. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/L10.639.htm Acesso em: 10/jun./2020.

_______. Ministério da Educação. Revisão das Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil. Brasília: MEC, 2009.

________. Conselho Nacional de Educação. Base Nacional Comum Curricular da Educação Infantil. Brasília: CNE, 2017.

CONKA, Karol. Marias, 2011. Disponível em https://www.vagalume.com.br/karol-conka/marias.html Acesso em 01 jun. 2020.

DIUOF, Sylviane. As tranças de Bintou. Ilustrações de Shane Evans. São Paulo: Cosac Naify, 2004.

DOURADO, Marília. Prólogo. In RINALDI, Carla. Diálogos com Reggio Emilia: Escutar, investigar e aprender. 5ª Ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2017. p. 15-18.

FANON, Frantz. Pele Negra Máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008. 194 p.

Kehl, Renato. Scenas deprimentes. Boletim de Eugenia. vol. I, n. 2, p.3, fev./1929. Disponível em http://memoria.bn.br/pdf/159808/per159808_1929_00002.pdf Acesso em 01 jun. 2020.

MACHADO, Ana Maria. Menina Bonita do laço de fita. Ilustrações de Claudius. 9ª Ed. São Paulo: Ática, 2005. 24p .

MOORE, Carlos. Um negro em eterno exílio. El País. 31 ago. 2015. Opinião. Disponível em https://brasil.elpais.com/brasil/2015/08/31/opinion/1441035388_761260.html. Acesso em 19 mai. 2020.

PINTO, Ziraldo Alves. O menino Marrom. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2013.

RINALDI, Carla. O ambiente da infância In CEPPI, Giulio; ZINI, Michele. Crianças, espaços e relações: como projetar ambientes para educação infantil. Tradução: Patrícia Helena Freitag. Porto Alegre: Penso, 2013. 160 p.

_______. Diálogos com Reggio Emilia: Escutar, investigar e aprender. 5ª Ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2017. 398 p.

MC SOFFIA. Minha Rapunzel tem Dread. In Minha Rapunzel tem Dread. 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=b1Uf6_SV5_8. Acesso em: 01 jun. 2020.

_______. Menina Pretinha. In Minha Rapunzel tem Dread, 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=cbOG2HS1WKo. Acesso em 01 jun. 2020.

VALENÇA, João e Raul; BABO, Lamartine. Mulata. Rio de Janeiro: Gravadora Victor, 1929. Disponível em: https://www.letras.mus.br/marchinhas-de-carnaval/473883/ Acesso em 01 jun 2020.

Downloads

Publicado

2021-01-15

Como Citar

Santos, C. D. dos. (2021). “SOU PRETO PORQUE MINHA MÃE É PRETA”: OLHARES SOBRE A INFÂNCIA E SUAS CORES. Diversidade E Educação, 8(2), 496–512. https://doi.org/10.14295/de.v8i2.11583