MACHISMO E ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO: ANÁLISES DE UMA INTERVENÇÃO NA DISCIPLINA DE BIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO

Autores

  • Ana Carolina Favero Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa https://orcid.org/0000-0002-1097-1025
  • Larissa Izabelli Link da Silva Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa
  • Joana Tatiele de Carvalho Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa
  • Rúbia Emmel Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa https://orcid.org/0000-0002-4701-8959
  • Alexandre José Krul Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa https://orcid.org/0000-0003-3341-6566

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v8i1.11345

Resumo

Esta investigação teve o objetivo de compreender concepções de machismo e estereótipos de  gênero dos estudantes e identificar como relacionam essas temáticas. Realizado por meio de uma pesquisa bibliográfica e de campo, houve um questionário fechado reflexivo e um jogo didático intitulado “Tribunal de Opinião”, baseado em Rojão et al (2011). A intervenção revela o valor destas temáticas no ensino das Ciências/Biologia, pois foi possível analisar duas categorias definidas a priori, que propiciaram diálogos e identificações, biologicamente e socialmente. Portanto, evidencia-se a importância destas temáticas no contexto educacional assim como social, na identificação dos estudantes com os temas e na ampliação de conhecimentos relacionados ao ensino de Biologia havendo maior presença de diálogo e reflexões.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Carolina Favero, Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa

Acadêmica do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas do Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa

Larissa Izabelli Link da Silva, Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa

Acadêmica do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas do Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa

Joana Tatiele de Carvalho, Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa

Acadêmica do curso de Licenciatura em Ciências Biológicas do Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa

Rúbia Emmel, Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa

Licenciada em Pedagogia, Mestra e Doutora em Educação nas Ciência; Professora do IFFar, Professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências: Mestrado, na Universidade Federal da Fronteira Sul, Campus Cerro Largo.

Alexandre José Krul, Instituto Federal Farroupilha - Campus Santa Rosa

Licenciado em Filosofia, Mestre e Doutor em Educação nas Ciências. Professor do IFFar, Campus Santa Rosa.

Referências

ALTMANN, Helena. Orientação sexual nos parâmetros curriculares nacionais. Estudos Feministas, v. 9, n. 2, p. 575-585, jul./dez., 2001.

AUAD, Daniela. Educar meninas e meninos: relações de gênero na escola. São Paulo: Contexto, 2006. 96 p.

BANDEIRA, Lourdes Maria. Violência de gênero: a construção de um campo teórico e de investigação. Revista Sociedade e Estado, v. 29, n. 2, p. 449-469, mai/ago., 2014.

BARBOSA, M. A. C. et al. Mulheres e Patriarcado: Dependência e Submissão nas Casas de Farinha do Agreste Alagoano. Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Rio de Janeiro, 2011.

BERALDO, Flávia Nunes de Moraes. Sexualidade e escola: um espaço de intervenção. Psicologia Escolar e Educacional (Impr.), v. 7, n. 1, p 1-2, 2003.

BOAS, B. V. IBGE: Salário médio das mulheres corresponde a 79,5% ao dos homens. Valor. Rio de Janeiro, 2019. Disponível em: <https://www.valor.com.br/brasil/6150763/ibge-salario-medio-das-mulheres-corresponde-795-ao-dos-homens>. Acesso em: 07 set 2019.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Diário Oficial da União, seção 1, p. 27833, 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Ministério Público. Código Civil. Câmara dos deputados. Brasília: Casa civil, 2006.

CHAUÍ, Marilena. Participando do Debate sobre Mulher e Violência. In: FRANCHETTO, Bruna, CAVALCANTI, Maria Laura V. C. e HEILBORN, Maria Luiza (org.). Perspectivas Antropológicas da Mulher. São Paulo: Zahar, 1985, p. 23-62.

COLLING, Ana Maria; TEDESCHI, Losandro Antônio. (Org.). Dicionário Crítico de Gênero. Mato Grosso do Sul: Editora UFGD, 2015. 682 p.

COSTA, Raul Medeiros Bezerra; CABRAL, Yasmin Tomaz. Submissão Feminina em Foco: história e relações de consumo, In: SEMINÁRIO DE PESQUISA DO CCSA, 20, 2015, Natal. Anais do XX Seminário de Pesquisa do CCSA. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2015. p. 1-12.

D'AMORIM, Maria Alice. Estereótipos de gênero e atitudes acerca da sexualidade em estudos sobre jovens brasileiros. Temas em psicologia, v. 5, n. 3, p. 121-134, dez., 1997. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X1997000300010&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 10 nov 2019.

DRUMONT, Mary Pimentel. Elementos para uma análise do machismo. Perspectivas, v. 20, n. 3, p. 81-85, 1980.

ESCORSIM, Silvana Maria. Violência de gênero e saúde coletiva: um debate necessário. Revista Katálysis, v. 17, n. 2, p. 235-241, jul/dez., 2014.

FONSECA, João José Saraiva da. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. 127 p.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2008. 176 p.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida. Brincar e suas teorias. In: BROUGÈRE, Gilles. et al. (Org). A criança e a cultura lúdica. São Paulo: Cengage Learning. 1998. p. 19-32.

KRONBAUER, José Fernando Dresch; MENEGHEL, Stela Nazareth. Perfil da violência de gênero perpetrada por companheiro. Revista Saúde Pública, v. 39, n. 5, p. 695-701, out., 2005. Dísponivel em: <https://www.scielosp.org/pdf/rsp/2005.v39n5/695-701>. Acesso em 28 ago 2019.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. 99 p.

MACEDO, Elizabeth. Esse corpo das Ciências é meu? in: MARANDINO, M.; SELLES, Sandra Elizabeth; FERREIRA, Márcia S. F.; AMORIN, Antonio C. (org.). Ensino de Biologia: conhecimentos e valores em disputa. Niterói: Eduff, 2005. 205 p.

MIRANDA, Cynthia Mara. Os movimentos feministas e a construção de espaços institucionais para a garantia dos direitos das mulheres no Brasil. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE CIÊNCIAS POLÍTICAS. 2., 2009, Porto Alegre. Anais... Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2009.

RAU, Maria Cristina Trois Dorneles. A ludicidade na educação: uma atitude pedagógica. 2. ed. Curitiba: Ibpex, 2011. 246 p.

RICOTTA, Luiza. Quem grita perde a razão: a educação começa em casa e a violência também. São Paulo: Annablume, 1999. 125 p.

ROJÃO, Graça. et al. Coolkit: jogos para a não-violência e igualdade de género. Covilhã: Coolabora, 2011. 100 p.

SILVA, Elizabete Rodrigues. Feminismo Radical: pensamento e movimento. Revista Travessias, v. 2, n. 3, p. 1-14, set./dez., 2008.

TORRES, Anália. et al. Estudos de Género: diversidade de olhares num mundo global. Lisboa: ISCSP, 2018, 533 p.

VENTURINI, Gustavo; BOKANY, Vilma. Diversidade sexual e homofobia no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2011. 252 p.

Downloads

Publicado

2020-08-16

Como Citar

Favero, A. C., Link da Silva, L. I., de Carvalho, J. T., Emmel, R., & Krul, A. J. (2020). MACHISMO E ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO: ANÁLISES DE UMA INTERVENÇÃO NA DISCIPLINA DE BIOLOGIA NO ENSINO MÉDIO. Diversidade E Educação, 8(1), 507–528. https://doi.org/10.14295/de.v8i1.11345