GÊNERO E SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA EM TEMPOS DE MOVIMENTO ESCOLA SEM PARTIDO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v8i1.11160

Resumo

O foco desta pesquisa é discutir como movimentos ultraconservadores, especialmente o Movimento Escola Sem Partido tem se organizado para a retirada de estudos e reflexões sobre gênero e sexualidade das escolas brasileiras. Com base na abordagem qualitativa da pesquisa, realizamos estudos teóricos e documentais, referenciados em autoras como: Scott (1995), Louro (2007) (2019), Paraiso (2016), Mattos (2018), e nos autores: Penna (2016a) (2016b), Seffner (2016) e Miguel (2017). Concluiu-se que movimentos ultraconservadores tem se utilizado de um certo pânico moral para subverter conceitos científicos atribuídos a gênero e sexualidade, propagando discursos conservadores nos meios sociais, criando uma cortina de fumaça, resultando na falácia chamada “ideologia de gênero”. Tal discurso tem sido utilizado como estratégia do MESP para impedir que o tema seja trabalhado e re-inserido em documentos educacionais como o Plano Nacional de Educação –PNE (2014-2024) e nas proposições de currículos escolares oficiais - Base Nacional Comum Curricular (BNCC).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ramon Roberto de Jesus Barroso, Universidade do Estado do Pará

Mestrando em Educação pelo Programa de Pós-gradução em Educação da Universidade do Estado do Pará (PPGED/UEPA)

Lana Claudia Macedo da Silva, Universidade do Estado do Pará

Doutora em Sociologia pela Universidade Federal do Pará, Professora Adjunta da Universidade do Estado do Pará

Referências

BALIEIRO, Fernando de Figueiredo. “Não se meta com meus filhos”: a construção do pânico moral da criança sob ameaça. Cadernos pagu, Campinas, n. 53, 2018. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/18094449201800530006>. Acesso em: 01 mai. 2019.

BARREIRO, Alex et al. Ideologia de gênero? Notas para um debate de políticas e violências institucionais. Temáticas, Campinas, v. 24, n.47, p.223-246, fev/dez., 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Proposta preliminar. Segunda versão revista. Brasília: MEC, 2016. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec. gov.br/documentos/bncc-2versao.revista.pdf.>

_______. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular: Versão Final. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/wpcontent/uploads/2018/06/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>.

CARA, Daniel. O programa “escola sem partido” quer uma escola sem educação. In: Ação Educativa Assessoria, Pesquisa e Informação (Org). A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam. — São Paulo: Ação Educativa, 2016. 168 p.

CHIARADIA, Cristiana de França; NASCIMENTO, Maria Lívia. A retirada da orientação sexual do currículo escolar: regulações da vida. sisyphus journal of education, Lisboa, v. 5, n. 01, p.101-116, 2017.

CHIZZOTTI, Antonio. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 5º ed. São Paulo: Cortez, 2001. 208 p.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós-estruturalista. Petropolis, RJ: Vozes, 2007. 184 p.

_____________________. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Guacira Lopes Louro (org.). 4º ed; 1ª reim. Belo Horizonte: Autentica Editora, 2019. 224 p.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. “Ideologia de gênero”: a gênese de uma categoria política reacionária – ou: a promoção dos direitos humanos se tornou uma “ameaça à família natural”? In: RIBEIRO, Paula Regina Costa, MAGALHÃES, Joana lira Corpes[org.] Debates contemporâneos sobre Educação para a sexualidade. Rio Grande: Ed. da FURG, 2017. 284 p.

MATTOS, Amanda Rocha. Discursos ultraconservadores e o truque da “ideologia de gênero”: gênero e sexualidades em disputa na educação. Psicologia Política, São Paulo, v.18, n.43, set/dez. 2018. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpp/v18n43/v18n43a09.pdf>. Acesso em: 15 jun. 2019.

MACEDO, Elizabeth. As demandas conservadoras do movimento escola sem partido e a Base Nacional Curricular Comum. Educação & Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, abril-junio. 2017. Disponível em: <https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=87351644014>. Acesso em: 01 jul. 2018

MIGUEL, Luis Felipe. “Doutrinação marxista” à "ideologia de gênero" - Escola Sem Partido e as leis da mordaça no parlamento brasileiro. Revista Direito e Práxis, Rio de Janeiro, v. 7, n. 15. 2016. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/revistaceaju/article/view/25163/18213>. Acesso em: 01. jul. 2018.

MINAYO, Marília Cecília de Souza (Org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002. 112 p.

MISKOLCI, Richard. Exorcizando um fantasma: os interesses por trás do combate à “ideologia de gênero”. Cadernos pagu, Campinas, n.53, 2018. Disponível em: <http://dx.doi.org/10.1590/18094449201800530002>. Acesso em: 01 mai. 2019.

PARAÍSO, Marlucy Alves. A ciranda do currículo com gênero, poder e resistência. Currículo sem Fronteiras, v. 16, n. 3, set./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 01 de fevereiro de 2019.

PATERNOTTE, David; KUHAR, Roman. “Ideologia de gênero” em movimento. Psicologia Política, São Paulo, v.18, n.43, set/dez. 2018. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpp/v18n43/v18n43a05.pdf>. Acesso em: 15 jun. 2019.

PENNA, Fernando Araujo. O ódio aos professores. In: Ação Educativa Assessoria, Pesquisa e Informação (Org.). A ideologia do movimento Escola Sem Partido: 20 autores desmontam o discurso. São Paulo: Ação Educativa, 2016a. 168 p.

______________________. Programa “Escola sem Partido”: uma ameaça à educação emancipadora. In: GABRIEL, Carmem Teresa; MONTEIRO, Ana Maria; MARTINS, Marcus Leandro Bomfim (Org.). Narrativas do Rio de Janeiro nas aulas de história. 1. Ed. Rio de Janeiro: Mauad X, 2016b. 280 p.

SILVA, Maria José; ARANTES, Adlene Silva. Questões de gênero e orientação sexual no currículo, a partir da BNCC. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO, 4, 2017. Anais... Paraíba: Editora Realize, 2017. S.p.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 20, n. 2, p. 71-99, jul./dez., 1995.

SEFFNER, Fernando. Atravessamentos de gênero, sexualidade e educação: tempos difíceis e novas arenas políticas. In: REUNIÃO CIENTIFICA REGIONAL DA ANPED- UFPR, 11, 2016. Anais ...Curitiba: ANPED, 2016. p.1-17.

SEVILLA, Gabriela; SEFFNER, Fernando. "Escola sem partido” e sem “ideologia de gênero”: apontamentos sobre as mudanças na legislação educacional e suas implicações para o ensino de sociologia. In: SEMINÁRIO BRASILEIRO DE ESTUDOS CULTURAIS E EDUCAÇÃO/ SEMINÁRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO, 7, 2017. Anais... Canoas: PPGEDU, 2017. S.p.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do Trabalho Científico. 23ª ed. São Paulo: Cortez, 2007. 304 p.

VENCATO, Ana Paula et al. A educação e o presente instável: repercussões da categoria "ideologia de gênero" na construção do respeito às diferenças Psicologia Política, São Paulo, v.18, n.43, set/dez. 2018. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/rpp/v18n43/v18n43a10.pdf. Acesso em: 15 jun. 2019.

Downloads

Publicado

2020-08-16

Como Citar

Barroso, R. R. de J., & Macedo da Silva, L. C. (2020). GÊNERO E SEXUALIDADE NA EDUCAÇÃO BRASILEIRA EM TEMPOS DE MOVIMENTO ESCOLA SEM PARTIDO. Diversidade E Educação, 8(1), 427–451. https://doi.org/10.14295/de.v8i1.11160