DIFICULDADES DO PATRIMÔNIO LGBT: A TAÇA WARREN NO MUSEU BRITÂNICO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v8i2.11143

Resumo

A exploração documental trata sobre como o fenômeno da censura é manifestado através dos apagamentos e ocultamentos de objetos que se constituem como documentos em acervos de museus. Tais ações estão vinculadas a memórias e materialidades invisibilizadas de comunidades discriminadas no passado e talvez ainda no presente, causando a impossibilidade de construir novos patrimônios. A taça Warren, documento arqueológico que pertenceu ao colecionador Edward Perry Warren, é um caso emblemático sobre as ações de censura que aconteceram ao objeto, desde sua descoberta no século XX até seu reconhecimento como documento histórico no presente. Além disso, os relevos daquele artefato romano se constituem como evidência da diversidade sexual na Antiguidade e sua exibição permitiria questionar as narrativas nos museus que dão predileção à heterossexualidade como orientação sexual normalizada e normalizadora.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jair Jose Gauna, Universidade Federal de Pelotas

Coro, Venezuela (1992). Graduado em Conservação e Restauração de Bens Culturais Móveis na UNEFM, Venezuela. Com experiencia de mais de 4 anos em museus e galerias de arte contemporânea. Atualmente mestrando do curso Memória Social e Patrimonio Cultural na UFPEL, Brasil.

Referências

BAETS, Antoon de. Power, freedom and the censorship of history. Revista de Estudos Literarios Frame, Países Baixos, v. 2, n. 21, p. 9-25, 2008.

BAPTISTA, Jean; BOITA, Tony. Memória e esquecimento LGBT nos museus, patrimônios e espaços de memória no Brasil. Revista do centro de pesquisa e formação, v. 1, n. 5, nov., 2017.

BARENDREGT, Louise. Queering the museum: how do queering strategies in museums change the representation of queer people? 2017. 39 p. Dissertação (Mestrado em estudos de género). Universidade de Utreque, Países Baixos. 2017.

CECCARELLI, Paulo. A pornografia e o ocidente. 2011. Disponível em: <http://www.ceccarelli.psc.br> Acesso em: 25 de maio 2020.

FELLMANN, Ferdinand. Eroticism: why it still matters. Psychology, Alemanha, v. 7, n. 7. 2016. Disponível em: < https://www.scirp.org/html/3-6901834_67908.htm#txtF8> Acesso em: 25 de maio 2020.

FONSECA, Maria Cecília Londres. O patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. Patrimônio e Memória. Assis, v. 2, n. 1, p. 224-227, 2017.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do Poder. 28. ed. São Paulo: Paz & Terra, 2014, 432 p.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. 9. ed. São Paulo: Paz & Terra, 2014, 176 p.

FREEDBERG, David. Censorship revisited. RES: Anthropology and Aesthetics, Universidade de Harvard, v. 1, n. 21, p. 5-11, 1992.

FREUD, Sigmund. Three essays on the theory of sexuality. The standard edition of the complete psychological works of Sigmund Freud. Disponível em: <http://www.english.upenn.edu/~cavitch/pdf-library/Freud_SE_Three_Essays_complete.pdf> Acesso em: 25 maio 2020.

FULWOOD, Kasey. The national register of historic places: And lesbian, gay, bisexual, and transgender LGBT heritage. 2010. 103 p. Dissertação (Mestre em Preservação Histórica). Georgia College and State University, Estados Unidos. Maio, 2014.

GONÇALVES, José. O mal-estar no patrimonio: Identidad, tempo e destruição. Estudos históricos, Rio de Janeiro, v. 28, n. 55, p. 211-228, jan./jun., 2015.

GROVE, Jennifer. The collection and reception of sexual antiquities in the late nineteenth and early twentieth century. 2013. 365 p. Dissertação (Doutor em Filosofia de Clássicos). Universidade de Exeter, Reino Unido. Maio, 2013.

HUERTA, Ricard. Art education for social change: human rights and sexual diversity. In: RISKS AND OPPORTUNITIES FOR VISUAL ARTS EDUCATION IN EUROPE. Lisboa: APECV, 2015. p. 248-270.

JULIÃO, Letícia. Apontamentos sobre a história do museu. In: CADERNO DE DIRETRIZES MUSEOLÓGICAS. Brasília: MinC/Iphan/Departamento de Museus e Centros Culturais; Belo Horizonte: Secretaria de Estado da Cultura/Superintendência de Museus, 2006. p. 19-31.

LEITE, Pedro Pereira. A Museologia Social e os movimentos sociais no Brasil. Universidade de Coimbra. Disponível em: < http://recil.ulusofona.pt/bitstream/handle/10437/5924/artigoETNICEX_v2.pdf?sequence=1> Acesso em: 25 maio 2020.

LEVIN, Amy K. Gender, sexuality and museums. 1. ed. A routledge reader. 2010, 322 p.

LUNDGREN, Astri. The pastime of Venus: an archaeological investigation of male sexuality and prostitution in Pompeii. Jun. 2014. 107 p. Dissertação (Mestrado em Arqueologia Conservação e História). University of Oslo. 2014.

MUSEU BRITÂNICO. Collection online: The Warren Cup. Disponível em: <https://www.britishmuseum.org/research/collection_online/collection_object_details.aspx?objectId=410332&partId=1>. Acesso em: 20 dez. 2019.

NEWCITY, Michael. The invention of obscenity. Glossos Journal, Durham, n. 13, outono 2017. Disponível em: <https://slaviccenters.duke.edu/projects/glossos-journal/issues/issue-13>. Acesso em: 20 dez. 2019.

PEARCE, Susan. Pensando sobre os objetos. In: GRANATO, Marcus; SANTOS, Cláudia dos (Coords.). Museu: Instituição de Pesquisa. Rio de Janeiro: Museu de Astronomia e Ciências Afins. 2005, p. 11-22.

PINTO, Renato. Representações homoeróticas masculinas na cultura material romana e as exposições dos museus: O caso da Warren Cup. MÉTIS: história & cultura, v. 10, n. 20, p. 111-132, jul./dez., 2011.

POLLINI, John. The Warren Cup: Homoerotic love and symposial rethoric in silver. The art bulettin, v. 81, n. 1, p. 21-52, 1999.

PRATS, Llorenç. El concepto de patrimonio cultural. Revista Política y Sociedad, Madrid, n. 27, p. 63-76, 1998.

ROBINSON, Emily. Bodies and money: mapping homosexual interactions in Late-Victorian London. 2017. Disponível em: <https://creativematter.skidmore.edu/eng_stu_schol/24>. Acesso em: 20 dez. 2019.

SCHEINER, Teresa. As Bases Ontológicas do museu e da museologia. Museology and philosophy. ICOFOM STUDY SERIES, Venezuela, n.31, p.103-172, 1999.

SCHEINER, Teresa. Museu, museologia e a relação especifica: considerações sobre os fundamentos teóricos do campo museal. Ci. Inf., Brasília, v. 42, n. 3, p. 358-378. set./dez., 2015.

SCHUH, Alanna. Queer representation and inclusion within US museums. Junho 2017. 74 p. Dissertação (Mestrado em Administração de Artes), University of Oregon, Estados Unidos, 2017.

TAYLOR, Tatum. Undeniable conjecture Placing LGBT Heritage. Columbia University, Disponível em: < https://www.preservationalumni.org/wp-content/uploads/2019/05/Fitch-Prize-2011-Taylor.pdf>. Acesso em: 25 maio 2020.

UNIVERSAL. (Organização das Nações Unidas), Declaração Universal dos Direitos Humanos. UNIC. Rio: Agosto, 2009. 17 p.

VILLALPANDO, Mark. Battling the big one: LGBTQ+ inclusive art education during the Trump era. The Journal of Social Theory in Art Education, Estados Unidos, v. 38, p. 26-36, 2018.

Downloads

Publicado

2021-01-15

Como Citar

Gauna, J. J. (2021). DIFICULDADES DO PATRIMÔNIO LGBT: A TAÇA WARREN NO MUSEU BRITÂNICO . Diversidade E Educação, 8(2), 335–363. https://doi.org/10.14295/de.v8i2.11143