Educomunicação Científica

uma análise da natureza dos fitocosméticos como tecnologia para Educação Ambiental.

Autores

  • Erich Universidade Federal de Campina Grande
  • Juliana Alves de Lima Universidade Federal de Campina Grande.Universidade Estadual da Paraíba. https://orcid.org/0000-0002-8528-2611
  • Diogo Universidade Federal de Campina Grande

DOI:

https://doi.org/10.14295/remea.v38i1.12228

Palavras-chave:

Educomunicação, Educação Ambiental, Fitocosméticos

Resumo

O objetivo deste estudo foi analisar oque está por trás da cadeia produtiva dos fitocosméticos, sendo utilizados como instrumentos educomunicativos para promover educação ambiental. Para sua fundamentação utilizou-se dos pensamentos de Jonh Dewey sobre a aprendizagem-significativa, de Milton Santos e seu conceito de espaço, Paulo Freire sobre como dialogar com o mundo e de Morin pensando-se a educação ambiental como uma disciplina da vida de forma inter e multidisciplinar. Considerando a experiência do sujeito, dentro da complexidade da sua vida. Desta forma, dentro da minha experiência foi possível aguçar a curiosidade a partir dos fitocosméticos para o estudo de ciências, repensar os meios de produção e consumo, e estratégias que soam como alternativas para efetivação da educação ambiental tal como protagonismo, autonomia, criatividade, divulgação científica e alternativas de desenvolvimento sustentável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Erich, Universidade Federal de Campina Grande

Possui graduação em Ciências Biológicas Bacharelado pela Universidade Federal da Paraíba (2005), mestrado em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Federal da Paraíba (2007) e doutorado em Ciências Biológicas (Zoologia) pela Universidade Federal da Paraíba (2014).

Juliana Alves de Lima, Universidade Federal de Campina Grande.Universidade Estadual da Paraíba.

Formada em Comunicação Social com ênfase em Educomunicação pela UFCG, tendo pesquisado Educomunicação Socioambiental. Pós-graduanda lato senso em Ecologia e Educação Ambiental pela UFCG. Graduanda em Química - Licenciatura pela UEPB.

Diogo, Universidade Federal de Campina Grande

Professor de Comunicação Social da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), mestre em Comunicação Científica, Médica e Meio Ambiental, pela Universitat Pompeu Fabra, mesma instituição onde obteve o título de doutor em Comunicação Pública.

Referências

ABIHPEC, SEBRAE. Caderno de Tendências 2019-2020. Higiene Pessoal, Perfumaria e Cosméticos. São Paulo, 2019.

ALMEIDA, Maria da Conceição. A ciência como bifurcação: uma homenagem a Ilya Prigogine. Revista Famecos, v. 11, n. 23, p. 77-84, 2004.

BARBOZA SILVA, Floriano. Economia Criativa: Raízes históricas no pensamento e ação de Celso Furtado. 2018. 110 f. Tese (Doutorado Multi-institucional e Multidisciplinar em Difusão do Conhecimento). Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Educação. Salvador. 2018.

BAUDOUX, Dominique. O Grande Manual de Aromaterapia de Dominique Baudoux. 1. ed. Belo Horizonte: Editora Lazslo, 2018.

BONDÍA, Jorge Larrosa. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Revista brasileira de educação, n. 19, p. 20-28, 2002.

BORGES, Rany Caroline Gontijo; GARVIL, Mariana Pacifico; ROSA, Gisele Araújo Alvarenga. Produção de fitocosméticos e cultivo sustentável da biodiversidade no Brasil. e-RAC, v. 3, n. 1, 2013.

BRASIL. Lei n° 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a Educação. Ambiental, institui a Política da Educação Ambiental e dá outras providências.

BRASIL, República Federativa do. Lei nº 9.795, de 27 de abril de 1999. Disponível em: < http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/lei9795.pdf>.

DALLA COSTA, Armando; SOUZA-SANTOS, Elson Rodrigo. Economia criativa: novas oportunidades baseadas no capital intelectual. Revista Economia & Tecnologia, v. 7, n. 2, 2011.

CARVALHO, Isabel Cristina Moura de. Educação para sociedades sustentáveis e ambientalmente justas. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 2008.

CITELI, Adilson Odair; SOARES, Ismar Lopes, LOPES, Maria Immacolata Vassallo de. Educomunicação referências para uma comunicação metodológica. Comunicação e Educação. Revista do Departamento de Comunicação e Artes da ECA/USP. 2019.

CORDEIRO, J.M.P.; FELIX, L.P.. Conhecimento botânico medicinal sobre espécies vegetais nativas da caatinga e plantas espontâneas no agreste da Paraíba, Brasil. Rev. bras. plantas med., Botucatu , v. 16, n. 3, supl. 1, p. 685-692, 2014.

COTTEREAU, Dominique. Chemins de l'imaginaire: pédagogie de l'imaginaire et éducation à l'environnement. Éd. de Babio, 1999.

DANTAS, Jonielton Oliveira; SOARES, Maria José Nascimento; SANTOS, Marília Barbosa dos Santos. A Educomunicação na perspectiva da pedagogia ambiental: construindo um ecossistema comunicativo entre escola e comunidade. REMEA- Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 37, n.1, p. 89-108, 2020.

DILLON, J. et al. The value of outdoor learning: evidence from research in the UK and elsewhere. School Science Review, v. 87, n. 320, p. 107, 2006.

DEWEY, John. Democracia e Educação. Tradução Godofredo Rangel e Anísio Teixeira. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1936.

FAÇANHA, Alessandro Augusto Barros; NÁPOLIS, Patrícia Maria Martins; LUZ, Jociara Pinheiro. Educomunicação científica: rádio, jornalismo e popularização das ciências na construção da cidadania. Comunicação & Educação, v. 21, n. 2, p. 27-38, 2016.

FILHAS, Maria Auxiliadora. Culturas Juvenis na ótica da Educomunicação, Brasília, DF: EDB, 2014.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz Terra, 2016.

GARIGLIO, Maria Auxiliadora et al. Uso sustentável e conservação dos recursos florestais da caatinga - Brasília: Serviço Florestal Brasileiro, 2010.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós modernidade. Trad. de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

HAMMES, Gabriela. Ferramenta para a avaliação de desempenho da logística reversa de pós-consumo. Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de Santa Catarina, Centro Tecnológico, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Florianópolis, 2020.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD). Rio de Janeiro: IBGE, 2017.

ISAAC, Gustavo Elias Arten. O desenvolvimento sustentável do setor cosmético e o comportamento do consumidor frente aos cosméticos sustentáveis. Centro Universitário das faculdades associadas de ensino-FAE. São João da Boa Vista, p. 1-140, 2016.

KINSLOW, Andrew T.; SADLER, Troy D.; NGUYEN, Hai T. Socio-scientific reasoning and environmental literacy in a field-based ecology class. Environmental Education Research, v. 25, n. 3, p. 388-410, 2019.

LEFF, Enrique. Complexidade, interdisciplinaridade e saber ambiental. Olhar de Professor, v.14, n12, 2011.

LEFF, Enrique. Ecologia, capital e cultura: a territorialização da racionalidade ambiental. Petropolis: Vozes, 2009.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Trajetória e fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez, 2012.

MARIANO, Erich de Freitas. A teoria da complexidade e a educação experiencial ao ar livre: um olhar à luz da educação ambiental. E-mosaicos, v. 9, n. 20, p. 19-29, 2020.

MAIA, Josemir Moura et al. Motivações socioeconômicas para a conservação e exploração sustentável do bioma Caatinga. Desenvolvimento e meio ambiente, v. 41, 2017.

MATTA, Roberta Rodrigues da; ROCHA, Marcelo Borges. Divulgação cientifica e educação ambiental: trabalhando as unidades de conservação na educação básica através de um documentário. Revista práxis, v. 9, n. 17, p. 113-129, 2017.

MÉSZÁROS, István. A Educação para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2005, 78p.

MORAES, Isaías Albertin de. Economia criativa e desenvolvimento sustentável na América Latina: potencialidades e desafios. Diálogo com a Economia Criativa, v.3, n.9, 2018.

MORALES, Angélica Góis. Formação do profissional educador ambiental: reflexões, possibilidades e constatações. Ponta Grossa: Editora UEPG, 2012.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez; Brasília, DF : UNESCO, 2000.

MORIN, Edgar. O Método 2: a vida da vida. 2º ed. Trad. de Marina Lobo. Porto Alegre: Sulina, 2002.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. 3 o ed. Porto Alegre: Editora Sulina, 2007.

MORIN, Edgar; CIURANA, Emílio - Roger; MOTTA, Raul Domingo. Educar na era planetária: o pensamento complexo como método de aprendizagem pelo erro e incerteza humana. 2.ed. São Paulo, Brasília, DF: Cortez, UNESCO, 2007.

MUNHOZ, Rachel Aline Hidalgo. Mar à vista da Educomunicação Socioambiental: Apropriações socioambientais da zona costeira no Circuito Tela Verde (Edição de estreia). REMEA – Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambienta, n. 2, p. 144-157, 2019.

PARPET, Seymour. A Máquina das Crianças – repensando a escola na era da informática. Porto Alegre: Artmed, 2008.

PENA-VEGA, Alfredo. O despertar ecológico: Edgar Morin e a ecologia complexa. Rio de Janeiro: Garamond, 2010.

REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental. Brasiliense, 2017.

RODRIGUES, Ivete; BARBIERI, José Carlos. A emergência da tecnologia social: revisitando o movimento da tecnologia apropriada como estratégia de desenvolvimento sustentável. Revista de Administração Pública, v. 42, n. 6, p. 1069-1094, 2008.

SAHEB, Daniele; RODRIGUES, Daniela Gureski. A contribuição da complexidade de Morin para as pesquisas em Educação Ambiental. REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 0, n. 0, p. 191–207, 26 set. 2017.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro: Record, 2004.

SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006.

SOUSA, Kleber Abreu; et al. Bioeconomia na Amazônia: uma análise dos segmentos de fitoterápicos & fitocosméticos, sob a perspectiva da inovação. Fronteiras: Journal of Social, Technological and Environmental Science, v. 5, n. 3, p. 151-171, 2016.

SCHAUN, A. Educomunicação: reflexões e princípios. Rio de Janeiro: Mauad, 2002.

SOARES, Ismar de Oliveira. Educomunicação: o conceito, o profissional, a aplicação: contribuições para a reforma do ensino médio. São Paulo: Paulinas, 2011.

SAUVÉ, Lucie. Education as life. In: Post-Sustainability and Environmental Education. Palgrave Macmillan, Cham, 2017. p. 111-124.

TENÓRIO, Rodrigo Ferreira Lima. Atividade biológica "in vitro" de extratos de Commiphra leptophloeos (Mart.) JB Gillett, Ziziphus joazeiro Mart., Croton heliotropiifolius Kunth, Abarema cochliacapos (Gomes) Barneby & Grimes e Eugenia uniflora L. contra ixodídeos, culicídeos e nematoides gastrintestinais de pequenos ruminantes. Revista Caatinga, v. 27, n.4, 2017.

VERASZTO, Estéfano Vizconde et al. Tecnologia: buscando uma definição para o conceito. Prisma.com (Portugual), n. 8, p. 19-46, 2009

Downloads

Publicado

2021-04-23

Como Citar

de Freitas Mariano, E., de Lima, J. A., & Lopes de Oliveira, D. (2021). Educomunicação Científica: uma análise da natureza dos fitocosméticos como tecnologia para Educação Ambiental. REMEA - Revista Eletrônica Do Mestrado Em Educação Ambiental, 38(1), 27–49. https://doi.org/10.14295/remea.v38i1.12228