“VOCÊ É UM HOMEM OU UM RATO?”: PERCEPÇÕES SOBRE SAÚDE MENTAL EM UM GRUPO DE PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA

Autores

  • Franciele Beatriz Watte Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)
  • Moises Romanini Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) http://orcid.org/0000-0003-3288-4763

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v7i2.9618

Resumo

A população em situação de rua pode ser caracterizada pelo viver nas/das ruas, com pouco recurso financeiro, vínculos rompidos ou fragilizados e sem moradia convencional. Nesse manuscrito apresentamos os principais resultados de uma pesquisa que buscou compreender e problematizar a auto percepção de saúde mental do sujeito morador de rua e suas estratégias de conservação da saúde mental. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, que se utilizou da técnica de grupo focal. Foram realizados dois encontros com um grupo de pessoas em situação de rua já existente em uma cidade no interior do Rio Grande do Sul. Para analisar o conteúdo das intervenções, realizamos uma análise temática de conteúdo, utilizando o diário de campo. A análise qualitativa nos permitiu compreender a auto percepção de saúde mental desse grupo e, além disso, uma íntima relação entre as questões de produção de masculinidade com a depressão e ideação/tentativa de suicídio.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Franciele Beatriz Watte, Universidade de Santa Cruz do Sul (UNISC)

Graduação em Psicologia da UNISC.

Moises Romanini, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Psicólogo (UFSM), Doutor em Psicologia Social e Institucional (UFRGS), Professor Adjunto do Departamento de Psicologia Social e Institucional da UFRGS

Referências

ALENCAR, M.; OTA, N. O afastamento do trabalho por LER/DORT: repercussões na saúde mental. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo, São Paulo, v. 22, n. 1, p. 60-67, 1 abr. 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BISCOTTO, P. R. et al. Compreensão da vivência de mulheres em situação de rua. Revista da Escola de Enfermagem. USP, São Paulo, v. 50, n. 5, p. 749-755, outubro 2016. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342016000500749&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 08 ago. 2019.

BOTTI, N. C. L. et al. Avaliação da ocorrência de transtornos mentais comuns entre a população de rua de belo horizonte. Barbarói, Santa Cruz do Sul, n. 33, 2010. Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/pdf/barbaroi/n33/n33a11.pdf>. Acesso em: 17 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 1.876, de 14 de Agosto de 2006. Institui Diretrizes Nacionais para Prevenção do Suicídio, a ser implantadas em todas as unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 15 ago. 2006. p. 65.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria Nº 3.099, de 23 de Dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental, incluindo aquelas com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 30 dez. 2011. p. 59.

BRASIL. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Resolução Nº 2, de 27 de Fevereiro de 2013. Define diretrizes e estratégias de orientação para o processo de enfrentamento das iniquidades e desigualdades em saúde com foco na População em Situação de Rua (PSR) no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União, Brasília, DF, 28 fev. 2013. p. 70.

BRASIL. Ministério da Saúde. Prevenção do suicídio: sinais para saber e agir. c2017. Disponível em: <http://www.saude.gov.br/saude-de-a-z/suicidio>. Acesso em: 07 set. 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de atenção à saúde. Departamento de ações programáticas estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde do homem. Brasília, DF, 2008.

BRASIL. Política Nacional para a Inclusão Social da População em Situação de Rua. Brasília, 2008.

CARDOSO, L. GALERA, S. A. F. O cuidado em saúde mental na atualidade. São Paulo, Rev. Esc. Enferm USP, v. 45, n. 3, p. 687-691, 2011. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v45n3/v45n3a20.pdf>. Acesso em: 17 jun. 2019.

CRESWELL, J. W. Projeto de pesquisa: métodos qualitativo, quantitativo e misto (2a ed., L. de O. Rocha, Trad.). Porto Alegre: Artmed, 2007. (Obra original publicada em 2003).

DEMO, Pedro. Pesquisa e informação qualitativa: aportes metodológicos. 5. ed. Campinas, SP: Papirus, 2012.

ESCOREL, S. “Vivendo de teimosos: moradores de rua da cidade do Rio de Janeiro”. In: BURSZTYN, Marcel (org.). No meio da rua: nômades, excluídos, viradores. Rio de Janeiro: Garamond, 2000, p. 337-350.

GIORGETTI, C. Moradores de rua: uma questão social? São Paulo: PUC-SP, 2006.

GOMES, R. A construção social da masculinidade. Caderno de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 22, n. 5, p. 1118, 2006. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-311X2006000500027&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 20 out. 2019.

GONDIM, S. M. G. Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia, Ribeirão Preto, v. 12, n. 24, p. 149-161, 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-863X2002000300004&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 10 jun. 2019.

KIND, L. Notas para o trabalho com a técnica de grupos focais. Pucminas, Minas Gerais, v. 10, n. 15, 2004. Disponível em: <http://periodicos.pucminas.br/index.php/psicologiaemrevista/article/view/202/213>. Acesso em: 17 jun. 2019.

MATTOS, R. M.; FERREIRA, R. F. Quem vocês pensam que (elas) são? - Representações sobre as pessoas em situação de rua. Psicologia e Sociedade, Porto Alegre, v. 16, n. 2, p. 47-58, 2004. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-71822004000200007&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 24 out. 2019.

MOURA, E. C. et al. Atenção à saúde dos homens no âmbito da Estratégia Saúde da Família. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 02, p. 429-438, 2014. Disponível em: <https://doi.org/10.1590/1413-81232014192.05802013>. Acesso em: 15 out. 2019.

O SILÊNCIO dos Homens. Direção: Ian Leite e Luiza de Castro. Produção: PapodeHomem e Instituto PdH. Gravação de Monstro Filmes. São Paulo: PapodeHomem e Instituto PdH, 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=NRom49UVXCE. Acesso em: 10 out. 2019.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DA SAÚDE (OMS). Relatório Sobre A Saúde No Mundo 2001 – Saúde Mental: nova concepção, nova esperança. Genebra, p. 3-4, 2001. Disponível em: <https://www.who.int/whr/2001/en/whr01_po.pdf>. Acesso em: 4 jun. 2019.

ROMANINI, M.; DETONI, P. P. A culpabilização como efeito do modo indivíduo de subjetivação nas políticas sociais. Revista Polis e Psique, Porto alegre, v. 04, n. 02, p. 206-228, 2014. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/PolisePsique/article/view/51093>. Acesso em: 26 ago. 2019.

SÃO PAULO (Cidade). Prefeitura de São Paulo; Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social. Censo da população em situação de rua na municipalidade de São Paulo [Internet]. São Paulo; 2015 [citado 2016 fev. 19]. Disponível em: <http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/upload/assistencia_social/observatorio_social/2015/censo/FIPE_smads_CENSO_2015_coletivafinal.pdf>. Acesso em: 09 ago. 2019.

SEPARAVICH, M. A.; CANESQUI, A. M. Saúde do homem e masculinidades na Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: uma revisão bibliográfica. Saúde e Sociedade, São Paulo, v. 22, n. 2, p. 415-428, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-12902013000200013&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 18 out. 2019.

SILVA, B. F. A. et at. O suicídio no Brasil contemporâneo. Sociedade e estado, Brasília, v. 33, n. 2, p. 565-579, 2018. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-69922018000200565&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 01 out. 2019.

SILVA, M. L. L. T. Risco e vulnerabilidade social feminina. Jaguarão: RELAcult, v. 4, n. 972, p. 2525-7870, nov. 2018. Disponível em: <http://periodicos.claec.org/index.php/relacult/article/view/972/541>. Acesso em: 19 abr. 2019.

SILVA, S. G. Masculinidade na história: a construção cultural da diferença entre os sexos. Psicologia: ciencia e profissão, Brasília, v. 20, n. 3, p. 8-15, 2000. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-98932000000300003&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 15 out. 2019.

SIMOES, T. R. B. A., et al. Missão e efetividade dos Consultórios na Rua: uma experiência de produção de consenso. Saúde em debate, Rio de Janeiro, v. 41, n. 114, p. 963-975, 2017. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-11042017000300963&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 18 out. 2019.

SOUZA, T. P. P.; CARVALHO, S. R. Reduzindo danos e ampliando a clínica: desafios para a garantia do acesso universal e confrontos com a internação compulsória. Revista Polis e Psique, Porto Alegre. v. 02, n. 03, p. 37-58, 2012. Disponível em: <https://seer.ufrgs.br/PolisePsique/article/view/40319/25628> Acesso em: 24 out. 2019.

SOUZA, E. R. Masculinidade e violência no Brasil: contribuições para a reflexão no campo da saúde. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 10, n. 1, p. 59-70, 2005. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232005000100012&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 16 out. 2019.

WINDMÖLLER, N.; ZANELLO, V. Depressão e Masculinidades: uma revisão sistemática da literature em periódicos brasieliros. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 21, n. 3, p. 437-440, 2016. Disponível em: <http://www.periodicos.uem.br/ojs/index.php/PsicolEstud/article/view/31896/pdf>. Acesso em: 17 out. 2019.

Downloads

Publicado

2020-02-20

Como Citar

Watte, F. B., & Romanini, M. (2020). “VOCÊ É UM HOMEM OU UM RATO?”: PERCEPÇÕES SOBRE SAÚDE MENTAL EM UM GRUPO DE PESSOAS EM SITUAÇÃO DE RUA. Diversidade E Educação, 7(2), 153–177. https://doi.org/10.14295/de.v7i2.9618

Edição

Seção

Diversidade em Debate