MASCULINIDADES PERFORMATIVAS NA LITERATURA INFANTOJUVENIL

Autores

  • Edimauro Matheus Carriel Ramos Faculdades Integradas de Itararé

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v7i2.9511

Resumo

Sustentada pela revisão bibliográfica, a pesquisa se encarrega de destacar pontos principais de duas obras da literatura infantojuvenil que implodem esses modelos de masculinidade, bem como as desigualdades proferidas por esses protótipos. A reflexão que cabe é que a literatura infantojuvenil, em prol da propagação do respeito às diversidades de gênero, permite novas percepções acerca das masculinidades, concebendo uma perspectiva performativa do gênero.

PALAVRAS-CHAVE: Masculinidades. Literatura infantojuvenil. Performatividade.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Referências

ARCARI, Caroline. Empoderamento de meninas e masculinidades positivas. In: RIBEIRO, Marcos. (Org.) A conversa sobre gênero na escola: aspectos conceituais e político-pedagógicos. Rio de Janeiro, Wak Editora, 2019.

BANDEIRA, G. A; SEFFNER, F. Futebol, gênero, masculinidade e homofobia: um jogo dentro do jogo. Revista Espaço Plural, ano XIV, nº 29, 2º Semestre 2013, p. 246 – 270. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4459/445944242012.pdf. Acesso em: 10 set. 2019.

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo 1: Fatos e Mitos. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira. 1989.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução de Renato Aguiar. Rio de janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

______________. Performatividad, precariedad y políticas sexuales. Revista de Antropología Iberoamericana, Madrid, v. 4, n. 3, sep./dec. 2009, p. 321-336. Disponível em: < http:// www.redalyc.org/articulo.oa?id=62312914003>. Acesso em: 03 set. 2019.

CONNELL, R. W., MESSERSCHMIDT, J. W. Hegemonic masculinity: rethinking the concept. Revista Estudos Feministas, v. 21, n. 1, 2013. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104026X2013000100014&script=sci_arttext&tlng=es. Acesso em: 28 ago. 2019.

DA SILVA JÚNIOR, Paulo Melgaço; DE BRITO, Leandro Teofilo. Masculinidades performativas no contexto escolar: entre regulações, tensões e subversões. Askesis, v. 7, n. 1, 2018. Disponível em: http://www.revistaaskesis.ufscar.br/index.php/askesis/article/view/308. Acesso em: 01 set. 2019.

DE MATOS, Maria Izilda Santos. Por uma história das sensibilidades: em foco a masculinidade. História: questões & debates, v. 34, n. 1, 2001. Disponível em: https://revistas.ufpr.br/historia/article/download/2658/2195. Acesso em: 02 set. 2019.

DESLAURIERS J. P. Recherche qualitative: guide pratique. Québec (Ca): McGrawHill, Éditeurs, 1991.

GANEM, Bruno. Gênero e sexualidade em cena: percepções e possibilidades do teatro na escola. In: RIBEIRO, Marcos. (Org.) A conversa sobre gênero na escola: aspectos conceituais e político-pedagógicos. Rio de Janeiro, Wak Editora, 2019.

GROSSI, M. P. Masculinidades: uma revisão teórica. Florianópolis: UFSC, 2004.

JANUÁRIO, Soraya Barreto. Masculinidades em (re)construção: Gênero, Corpo e Publicidade. Covilhã: Labcom.ifp, 2016.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. Homofobia nas Escolas: um problema de todos. In: JUNQUEIRA, Rogério Diniz (Org.) Diversidade Sexual na Educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: UNESCO – Representação no Brasil, Ministério da Educação: SECADI, 2009.

LAURETIS, T. A tecnologia do gênero. In Hollanda, H. (org.) Tendências e impasses. O feminismo como crítica da modernidade. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

LOURO, G.L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós- estruturalista. RJ, 16ª ed. Editora Vozes, 1997.

_____________. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria Queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2008.

MARTINS, Georgina da Costa. O menino que brincava de ser. 4ª edição São Paulo; Editora DCL, 2000.

MARTINS, M. Z.; BRANT, T, F. Livros infantis, gênero e práticas corporais: uma proposta pedagógica em educação física a partir do livro Leila Menina. Revista Kinesis. Vol. 34 nº 1, Jan-Jun 2016. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/kinesis/article/view/22232. Acesso em: 04 set. 2019.

MISKOLCI, Richard. Teoria Queer: um aprendizado pelas diferenças. Autêntica, 2013.

PINTO, A. D. C., MENEGHEL, S. N., & MARQUES, A. P. M. K. Acorda Raimundo! Homens discutindo violências e masculinidade. Rev. Psico. 38(3), 238-245; 2007.

PORTO, P. C. P; GRAZIOLI, F. T. Não na frente das crianças: a diversidade de gênero na literatura infantil. Revista Professare, v. 6, n. 3, p. 29-48, 2017. Disponível em:https://periodicos.uniarp.edu.br/professare/article/view/1346/732.Acesso em: 04 set. 2019.

RAJAGOPALAN, K. Dos dizeres diversos em torno do fazer. D.E.L.T.A., São Paulo, v. 6, n.2, 1990.

SIMON, Luiz Carlos Santos. Fundamentos para pesquisas sobre masculinidades e literatura no Brasil. Revista Estação Literária. Londrina, Volume 16, p. 8-28, jun 2016. Disponível em: http://www.uel.br/pos/letras/EL/vagao/EL16-Art1.pdf. Acesso em: 03 set. 2019.

SILVEIRA, Rosa Hessel. Leitura, Literatura e Currículo. In: COSTA, Marisa Vorraber.

O currículo nos limiares do contemporâneo. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

SOIHET, Rachel; PEDRO, Joana Maria. The emergence of the research on Women's History and Gender Relations. Revista Brasileira de História, v. 27, n. 54, p. 281-300, 2007.

STREY, Marlene Neves; AZAMBUJA, Mariana Porto Ruwer de; JAEGER, Fernanda Pires. (Org.). Violência, Gênero e Políticas Públicas. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

VIANA, Marcos Alan; DA LUZ FERRARINI, Norma. A lacuna moral na educação de meninos: o impacto das novas configurações de masculinidade na subjetividade infantil. Revista Psico FAE: Pluralidades em Saúde Mental, v. 5, n. 1, p. 13-30, 2016. Disponível em: https://revistapsicofae.fae.edu/psico/article/download/85/52. Acesso em: 20 ago. 2019.

WALLIAMS, David. O menino de vestido. 1ª ed. Rio de Janeiro. Intrínseca. 2014

WELZER-LANG, Daniel. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Estudos Feministas, Florianópolis, n. 9, p. 460-482, 2001.

Downloads

Publicado

2020-02-20

Como Citar

Ramos, E. M. C. (2020). MASCULINIDADES PERFORMATIVAS NA LITERATURA INFANTOJUVENIL. Diversidade E Educação, 7(2), 327–340. https://doi.org/10.14295/de.v7i2.9511

Edição

Seção

Espaços Educativos