CURRÍCULOS, CINEMA, GÊNEROS E SEXUALIDADES: FABULANDO POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v9i1.12934

Resumo

Trata-se de uma pesquisa que buscou compor encontros com professoras com o objetivo de pensar a força das imagens cinematográficas em redes de conversações na fabulação de possíveis para a educação. Utiliza como metodologia uma cartografia dos fluxos e das forças que se engendram, tendo as imagens do filme Carol como elemento disparador das redes de conversações com professoras. Argumenta-se que os encontros com as imagens cinematográficas em redes de conversações possibilitam a expansão de forças intensivas, a potencialização da coletividade na invenção de novos modos de subjetivação e na luta contra os poderes que tentam normatizar, codificar as escolas e silenciar as conquistas dos discursos feministas e queer presentes na produção acadêmica sobre currículos, gêneros e sexualidades. Conclui-se que o signo artístico do cinema faz fluir a força da diferença e da coletividade, potencializando as professoras a criar resistências e fabular currículos nômades com novos trajetos para a educação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Kretli da Silva, Ufes

Professora do Dtepe e do PPGMPE, Ufes.

Marlucy Alves Paraíso, UFMG

Professora da FAE, UFMG, pesquisadora do CNpQ, coordenadora do  GECC  (UFMG).

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

da Silva, S. K., & Alves Paraíso, M. (2021). CURRÍCULOS, CINEMA, GÊNEROS E SEXUALIDADES: FABULANDO POSSÍVEIS NA EDUCAÇÃO. Diversidade E Educação, 9(1), 25–44. https://doi.org/10.14295/de.v9i1.12934

Edição

Seção

Dossiê “Sexualidades, Currículos e Cinema”