RELAÇÕES DE GÊNERO E SEXUALIDADE NA ESCOLA: UMA ANÁLISE DISCURSIVA EM NARRATIVAS DE PROFESSORAS

Autores

  • Aleksandra Nogueira de Oliveira Fernandes Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte – IFRN http://orcid.org/0000-0002-6625-7963
  • Eliemary Aparecida Cordeiro de Freitas Secretaria de Estado da Educação e da Cultura do estado do Rio Grande do Norte– SEEC/RN http://orcid.org/0000-0001-5133-1588
  • Ady Canário de Souza Estevão Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA http://orcid.org/0000-0002-6941-3773
  • Stenio de Brito Fernandes Secretaria de Estado da Educação e da Cultura do estado do Rio Grande do Norte– SEEC/RN http://orcid.org/0000-0001-6300-9561

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v8i2.12052

Resumo

Este artigo objetiva analisar no discurso de professoras sobre as relações de gênero e sexualidade a partir de gestos de leitura discursiva, no âmbito da formação docente nos anos iniciais do Ensino Fundamental de escolas da rede pública municipal e estadual de uma cidade do Brasil. Considerando que gênero e sexualidade operam relações de poder e modos de produção de identidades sociais, este artigo fundamenta-se na Análise do Discurso (AD) francesa, a partir da orientação teórica e metodológica de estudos sobre discurso, gênero, sexualidade e educação. Os resultados apontam que as disciplinas contribuem para as discussões de gênero e sexualidade, porém há lacunas no processo formativo. Conclui-se que as questões de gênero e sexualidade tornam-se desafiantes, no sentido de um currículo que perpassa relações de poder em práticas discursivas educacionais para o exercício da diferença na formação continuada do sujeito professora na sala de aula.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aleksandra Nogueira de Oliveira Fernandes, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte – IFRN

Doutoranda em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Profissional - PPGEP do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - IFRN, Campus Natal central, na linha de História, Memória e Historiografia da Educação Profissional. Mestre em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação - POSEDUC da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN na linha de Formação Humana e Desenvolvimento Profissional Docente (2015). Especialista em Educação, na área de Ensino e Currículo (2010) pela UERN e graduada em Pedagogia pela UERN (2007). Professora de Didática, em regime de dedicação exclusiva, no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte (IFRN), Campus Mossoró. Professora do curso de Especialização em Educação e Contemporaneidade do IFRN, Campus Mossoró. Atuou como professora efetiva da Educação Infantil na rede pública municipal (2010 a 2012). Atuou como professora colaboradora do Departamento de Educação da Faculdade de Educação da UERN de 2010 a 2015 ministrando disciplinas pedagógicas. Tem experiência na área de Educação, com ênfase na educação profissional, prática de ensino e saberes docentes, educação e trabalho, didática, alfabetização e letramento, educação infantil, desenvolvimento profissional, educação inclusiva e narrativas (auto) biográficas.

Eliemary Aparecida Cordeiro de Freitas, Secretaria de Estado da Educação e da Cultura do estado do Rio Grande do Norte– SEEC/RN

Especialista em Educação e contemporaneidade do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. IFRN, campus Mossoró/RN. Graduada em Pedagogia pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte - UERN, campus Mossoró/RN. Professora Permanente Nível III da Escola Estadual Manoel Justiniano de Melo, vinculada a 12° Diretoria Regional de Educação e Cultura - DIREC/Mossoró/RN. Tem experiência na área da educação com ênfase na educação inclusiva.

Ady Canário de Souza Estevão, Universidade Federal Rural do Semi-Árido - UFERSA

Doutorado (2015) e Mestrado (2007) em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2007). Graduação em Letras pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (1997). Atualmente é professora do quadro efetivo da Universidade Federal Rural do Semi-Árido, desde 2009, tendo sido Coordenadora do Programa Conexões de Saberes: diálogos entre a universidade e as comunidades populares (2009-2010), Tutora fundadora do PET Conexões Comunidades do Campo (2010-2015), Pró-Reitora Substituta de Extensão e Cultura (2012), Coordenadora Geral da Coordenação de Ação Afirmativa Diversidade e Inclusão Social Caadis (2012-2016), Diretora Pro-Tempore do Centro de Ciências Sociais Aplicadas e Humanas (2016-2017), Vice-Coordenadora do Curso de Licenciatura Interdisciplinar em Educação do Campo (2017-2018). Atuou na implementação de políticas afirmativas e de atendimento às Pessoas com Necessidade Educacionais Especiais, nas atividades de criação dos cursos de Aperfeiçoamento em Educação Quilombola, do Curso de Especialização Uniafro: Política de Promoção da Igualdade Racial na Escola e do Aperfeiçoamento em Atendimento Educacional Especializado na Ufersa. É líder do Grupo de Pesquisa, registrado no CNPq, Educação, Discursos e Sociedade (GEPEDS). Participa do Grupo de Estudos do Discurso da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (GEDUERN), do Grupo de Estudos e Pesquisas Observatório das Desigualdades Socioespaciais, Dinâmicas Territoriais e Usos do Território no Semiárido Brasileiro da UFERSA e do Grupo de Estudos Avançados sobre Letramentos da Universidade Federal de Campina Grande (GELETRAMENTOS). Pesquisadora do Núcleo de Estudos de Gênero, Relações Étnicorraciais, Aprendizagens e Saberes(NEGRAS). É co-autora dos Livros pela Edufersa, Programa Conexões de Saberes na Ufersa: saberes e cidadania (2012) e Economia Feminista, Mulheres Rurais e Políticas Públicas (2014). Compõe o Conselho Editorial e Equipe Técnica da Revista Acadêmica Includere. Tem experiência na área de Letras, Linguística,com ênfase em Análise do Discurso, Leitura e Produção de Textos e Educação, atuando principalmente em temas que envolvam a constituição de identidades, discurso, mídia, práticas discursivas inclusivas, estudantes populares, relações étnico-raciais, formação de professores e educação anti-racista.

Stenio de Brito Fernandes, Secretaria de Estado da Educação e da Cultura do estado do Rio Grande do Norte– SEEC/RN

Mestre em Educação pelo Programa de Pós-graduação em Educação (POSEDUC) da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte (UERN), e relaciona-se à linha de pesquisa Práticas Educativas, Cultura, Diversidade e Inclusão. Especialista em Mídia na Educação pelo Núcleo de Educação a Distância (NEAD/UERN) (2015). Especialista em História do Brasil República pela UERN (2005), possui graduação em Geografia pela UERN (1999). Atualmente é professor estatutário no município de Porto do Mangue/RN (2003), no Ensino Fundamental II na Escola Municipal Francisca Serafim de Souza e concursado do Estado do Rio Grande do Norte (RN) (2006), com disciplinas de geografia no Ensino Fundamental II e Educação de Jovens e Adultos (EJA) na Escola Estadual Jerônimo Vingt Rosado Maia. Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação, Memória (Auto) Biográfica e Inclusão (GEPEMABI/UERN). Participo do Projeto de Pesquisa em andamento da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação (PRPPEG/UERN), intitulado: Ascensão Social por meio dos estudos de estudantes de origem popular: da Educação Básica até a Universidade. Faço parte do Projeto de Extensão, intitulado: Histórias de Vida em Música, Teatro e Desenho: Vozes Silenciadas. Ação desenvolvida pela Diretoria de Políticas e Ações Inclusivas (DAIN/UERN) e Pró-Reitoria de Extensão (PROEX/UERN). Tem experiência na área de Educação no Ensino Fundamental II e EJA no Ensino de Geografia, Educação Inclusiva e Narrativas (auto) Biográficas.

Referências

ASSEMBLEIA GERAL DAS NAÇÕES UNIDAS EM PARIS. 10 dez. 1948. Declaração Universal dos Direitos Humanos. Disponível em: https://nacoesunidas.org/. Acesso em: 17 mai. 2019.

AZEVEDO, Marcos Paulo. Corpos em resistência: um olhar sobre a noção de heterotopia de Michel Foucault. Revista Colineares, Mossoró, v. 05, n. 02, p. 03-17, Jul/Dez, 2018.

AZEVEDO, Marcos Paulo. O avesso que sou eu: a constituição ética da subjetividade crossdresser. 2016. 135f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, Programa de Pós-graduação em Letras, Pau dos Ferros/RN, 2016.

BOGDAN, Roberto C.; BIKLEN Sari Knopp. Investigação qualitativa em educação: Uma introdução à teoria e aos métodos. Tradução de Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos e Telmo Mourinho Baptista. Portugal, Porto Editora, 1994.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. 292 p. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/. Acesso em: 10 dez. 2018

BRASIL. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Estatuto da Criança e do Adolescente. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 jul. 1990. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/. Acesso em: 15 mai. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. LDB 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/. Acesso em: 15 dez. 2018

BRASIL. Ministério da Educação. Plano Nacional da Educação. Lei n° 13.005, de 26 de junho de 2014. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/. Acesso em: 10 mai. de 2019.

BRITZMAN, Deborah P. O que é esta coisa chamada amor: identidade homossexual, educação e currículo. Educação e Realidade, Porto Alegre, v.21, n.1, p. 71-96, jan./jun. 1996. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/. Acesso em: 27 dez. 2018.

BUTLER, Judith. “Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do ‘sexo’”. In: LOURO, Guacira, L. (Org). O corpo educado. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. p. 151-172.

CARVALHO, Marília Pinto. Gênero na sala de aula: a questão do desempenho escolar. In: MOREIRA, Flávio Antonio; CANDAU, Vera Maria (Orgs.). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008, p. 90-124.

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA. 3. ed. Petrópolis: Vozes: São Paulo: Paulinas 1993.

FONSECA, Robson Rodrigo Pereira da. O viadinho da escola. 1.ed. Curitiba: Appris, 2018.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2005.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Tradução Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 2004.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 2: o uso dos prazeres. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque; revisão técnica de José Augusto Guilhon Albuquerque. 11. ed. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1984.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro, Edições Graal, 1988.

FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não: cartas a quem ousa ensinar. 26. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2016.

GIL, Antonio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GUILLAUMOU, J.; MALDIDIER, Denise. Efeitos do arquivo. A análise do discurso no lado da história. .In: ORLANDI, Eni Puccinelli (Org.). Gestos de leitura: da história no discurso. 2. ed. Campinas: Editora da Unicamp, 1997

HOFFNAGEL, Judith Chambliss. Linguagem e a construção da identidade de gênero. In: BARROS, K. S. M. de. Produção textual: interação, processamento e variação. Natal-RN: EDUFRN, 1999.

JAEGER, Angelita Alice; JACQUES, Karine. Masculinidades e docência na educação infantil. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 25, n. 2, p. 545-570, maio 2017. ISSN 1806-9584. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/>. Acesso em: 10 set. 2020.

LARROSA, Jorge. Tecnologias do Eu e educação. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). O sujeito da educação: estudos foucaultianos. Petrópolis/RJ: Vozes, 2011. p. 35-86.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: das afinidades políticas às tensões teórico-metodológicas. Educação em Revista. Belo Horizonte. n. 46. p. 201-218. dez. 2007. Disponível em: www.scielo.br/. Acesso em: 23 out. 2018.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós estruturalista. 15. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

LOURO, Guacira Lopes. Um corpo estranho: Ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Narrativa como processo de construção da identidade social de raça. In: MOITA LOPES, Luiz Paulo da. Identidades Fragmentadas: A construção discursiva de raça, gênero e sexualidade em sala de aula. Campinas: Mercado de Letras, 2002, p. 57-81.

MUNANGA, Kabengele; GOMES, Nilma Lino. O negro no Brasil de hoje. São Paulo: Global, 2006.

NÓVOA, António. et al. Vidas de professores. Tradução de Maria dos Anjos Caseiro, Manuel Figueiredo Ferreira – Portugal: Porto Editora, 2013.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Interpretação: autoria, leitura e efeitos do trabalho simbólico. Campinas, SP: Pontes, 2004.

PÁDUA, Elisabete Matallo Marchesini de. Metodologia da pesquisa: Abordagem teórico-prático. 18. ed. rev. e ampl. Campinas, SP: Papirus, 2016.

PÊCHEUX, Michel. O Discurso: estrutura ou acontecimento. Tradução de Eni Puccinelli Orlandi. 7. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2002.

PÊCHEUX, Michel. Semântica e Discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Tradução de Eni Puccinelli Orlandi et. al. 5. ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2009.

REVEL, Judith. Michel Foucault: conceitos essenciais. Tradução: Carlos Piovezani Filho e Nilton Milanez. São Carlos: Claraluz, 2005.

SILVA, Elenita Pinheiro de Queiroz; PARREIRA, Fátima Lúcia Dezopa; LISSI, Cristian Bianchi. Sexualidade e religião: reflexões que cabem à educação escolar. In: RIBEIRO, Paula Regina Costa; MAGALHÃES, Joanalira Corpes (Org). Debates contemporâneos sobre Educação para a sexualidade. Rio Grande: Ed. Da FURG, 2017.

SILVA, Tomaz Tadeu da. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

SOUSA, Maria Goreti da Silva.; CABRAL, Carmen Lúcia de Oliveira. A narrativa como opção metodológica de pesquisa e formação de professores. Horizontes, v. 33, n.2, p. 149-158, jul./dez. 2015. Disponível em: file:///C:/Users/cleuz/Downloads/. Acesso em: 24 out. 2018.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. Matriz Curricular 2008.1. Mossoró, RN: 2008. Disponível em:< http://www.uern.br/. Acesso em: 23 jan. 2019.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. Projeto Pedagógico do Curso de Pedagogia. Mossoró, RN: 2012. 196 p. Disponível em: http://www.uern.br/. Acesso em: 27 dez. 2018.

UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE. Programa Geral do Componente Curricular. Disponível em: http://www.uern.br. Acesso em: 27 dez. 2018.

Downloads

Publicado

2021-01-15

Como Citar

Fernandes, A. N. de O., Freitas, E. A. C. de, Estevão, A. C. de S., & Fernandes, S. de B. (2021). RELAÇÕES DE GÊNERO E SEXUALIDADE NA ESCOLA: UMA ANÁLISE DISCURSIVA EM NARRATIVAS DE PROFESSORAS. Diversidade E Educação, 8(2), 558–575. https://doi.org/10.14295/de.v8i2.12052