A DOR DO INOCENTE: IMPLICAÇÕES DO RACISMO PARA A CRIANÇA NEGRA

Autores

  • Adelmir Fiabani Universidade Federal da Fronteira Sul
  • Tainá Fiabani IMED Faculdade Meridional

DOI:

https://doi.org/10.14295/de.v8i2.11816

Resumo

 

Em tempos de discussões sobre a obrigatoriedade ou não do psicólogo nas escolas, nossas experiências no campo da Educação e da Psicologia nos levaram a produzir esta reflexão sobre o racismo e seus efeitos, sobretudo, as consequências sobre o processo de formação identitária, aproveitamento/rendimento escolar e processos de adoecimento. Somos uma nação que se construiu tendo a escravidão como base do sistema econômico e ordenamento social. As consequências deste sistema ainda se fazem sentir, como chagas abertas em um corpo doente. O racismo, a exclusão, a discriminação e o preconceito são males que precisamos combater diariamente. A Psicologia Clínica tem função essencial no processo de restituir a saúde mental das vítimas do racismo.  A Psicologia Social deverá atuar como orientadora das práticas pedagógicas sadias e acolhedoras, que tornem o ambiente escolar prazeroso para todas as crianças. Há muito que fazer para erradicar o racismo da nossa sociedade. Para este artigo, revisamos alguns estudos publicados na área da Educação e da Saúde Mental. O objetivo principal desta pesquisa consiste em compreender e analisar os efeitos do racismo e da discriminação no psiquico da criança negra e, consequentemente, suas implicações sobre o rendimento escolar. Concluímos que o racismo afeta o comportamento da criança negra e é um dos causadores, possivelmente o basilar, do adoecimento mental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARRAES, Jarid. A objetificação e hipersexualização da mulher negra. Disponível em: https://revistaforum.com.br/noticias/objetificacao-e-hipersexualizacao-da-mulher-negra/ Acesso em 01 de julho de 2020.

BARATA, Rita Barradas. Como e por que as desigualdades sociais fazem mal à saúde. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2009.

BASTOS, Paula Cristina Iglesias. Funk e o preconceito no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Editora FIOCRUZ, 2007.

BRASIL. Casa Civil. Lei Nº 10.639, de 9 de janeiro de 2003. Brasília. 2003.

BRASIL. Casa Civil. Lei Nº 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília. 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. Análise epidemiológica da violência sexual contra crianças e adolescentes no Brasil (2011-2017), v. 49, nº 27, jun 2018, p 1-17.

BRASIL. Senado Federal. Projeto de Lei da Câmara n° 60, de 2007. Brasília. 2019.

CARNEIRO, Edson. Dinâmica do folclore. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1985.

CARONE, Iray; BENTO, Maria Aparecida Silva. Psicologia social do racismo: estudos sobre branquitude e branqueamento no Brasil. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

CAVALLEIRO, Eliane dos Santos. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. 6. ed., 2ª reimpressão. São Paulo: Contexto, 2015.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Relações Raciais: Referências Técnicas para atuação de psicólogas/os. Brasília: CFP, 2017.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução CFP nº 018/2002, de 19 de dezembro de 2002. Estabelece normas de atuação para os psicólogos em relação ao preconceito e à discriminação racial. Brasília, DF: 2002.

COSTA, Eliete Gonçalina dos Santos. Relações étnico-raciais e rendimento escolar: a criança negra na alfabetização. Dissertação (Mestrado). Cuiabá: Universidade Federal de Mato Grosso, Instituto de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, 2018.

CUNHA Júnior, Henrique. Textos para o movimento negro. São Paulo: Edicon, 1992.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil platôs: Capitalismo e Esquizofrenia. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1995. v. 1. p. 10-37.

DIAS, Paulo. A ideologia do branqueamento na educação e implicações para a população negra na sociedade brasileira. In: RevistAleph. São Paulo, ano 11, n . 22, dez. 2010, p. 304-316.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário da língua portuguesa. 5. ed. Curitiba: Positivo, 2010.

FNPETI - Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil - 12/06/2019. Disponível em: http://www.crianca.mppr.mp.br/2019/07/155/TRABALHO-INFANTIL-2021-Declarado-Ano-Internacional-para-a-Eliminacao-do-Trabalho-Infantil.html. Acesso em: 13 de maio de 2020.

GOMES-PEDRO, João. O que é ser criança? Da genética ao comportamento. Análise Psicológica (2004), 1 (XXII): 33-42.

GONÇALVES, Luiz Alberto Oliveira; SILVA, Petronilha Beatriz Gonçalves e. Movimento negro e educação. Revista Brasileira de Educação. Set/Out/Nov/Dez. 2000 Nº 15. p. 134-158.

GUIMARÃES, Marco Antonio Chagas; PODKAMENI, Angela Baraf. Racismo: um mal-estar psíquico. In: BATISTA, Luís Eduardo; WERNECK, Jurema; LOPES, Fernanda (Org.). Saúde da população negra. 2. ed. Brasília, Distrito Federal: ABPN - Associação Brasileira dos Pesquisadores Negros, 2012.

HASENBALG, Carlos. Discriminação e desigualdades raciais no Brasil. Rio de Janeiro, RJ: Graal, 1979.

LIMA, Heloisa Pires. Personagens negros: um breve perfil na literatura infanto-juvenil. In: MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o Racismo na Escola. 2. ed. Brasília: Ministério de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2008.

LOPES, Nei. Enciclopédia Brasileira da Diáspora Africana. São Paulo: Selo Negro, 2004.

LOPES, Nei. O racismo explicado aos meus filhos. Rio de Janeiro: Agir, 2007.

MAIA, Janaina Nogueira. Concepções de criança, infância e educação dos professores de educação infantil. Dissertação(Mestrado). Campo Grande/MS: UCDB, 2012.

RIBEIRO, Neli Goes; CUSTÓDIO, Leandra Vicente. Estudo sobre a escolarização do negro em Santa Catarina: municípios de Itajaí, Lages, Criciúma e Florianópolis. Itajaí: UDESC; Casa Aberta, 2008.

SAMPAIO, Adriana Soares. Ecos do silêncio: reflexões sobre uma vivência de racismo. In: BATISTA, Luís Eduardo; WERNECK, Jurema; LOPES, Fernanda (Org.). Saúde da população negra. 2. ed. Brasília, Distrito Federal: ABPN - Associação Brasileira dos Pesquisadores Negros, 2012.

SCHUCMAN, Lia Vainer; MARTINS Hidelberto Vieira. A Psicologia e o discurso racial sobre o negro: do “objeto da ciência” ao sujeito político. Psicologia: Ciência e Profissão, 37(n. spe), 2017, 172-185.

SILVA, Kalina Vanderlei; SILVA, Maciel Henrique. Dicionário de conceitos históricos. 2. ed. São Paulo: Contexto 2006.

TÁCITO, Caio. Constituições brasileiras: 1988. 5. ed. Brasília: Senado Federal; Ministério da Ciência e Tecnologia, Centro de Estudos Estratégicos, 2005.

TEIXEIRA-FILHO, F. S., RONDINI, C. A., SILVA, J. M., & ARAÚJO, M. V. (2013). Tipos e consequências da violência sexual sofrida por estudantes do interior paulista na infância e/ou adolescência. Psicologia & Sociedade, 25(1), 90-102.

VIDEIRA, Piedade Lino. Criança negra e discriminação étnica na escola e movimentos pela educação popular. Padê, Brasília, v. 1, n. 2, p. 89-111, jul./dez. 2007.

WILLIAMS, David R.; PRIEST, Naomi. Racismo e Saúde: um corpus crescente de evidência internacional. Sociologias, Porto Alegre, ano 17, nº 40, set/dez 2015, p. 124-174.

Downloads

Publicado

2021-01-15

Como Citar

Fiabani, A., & Fiabani, T. (2021). A DOR DO INOCENTE: IMPLICAÇÕES DO RACISMO PARA A CRIANÇA NEGRA. Diversidade E Educação, 8(2), 628–647. https://doi.org/10.14295/de.v8i2.11816