A coisa melhor do mundo é a saúde

a contribuição dos saberes tradicionais de Valdira Pitaguary para uma Educação Ambiental decolonial

Autores

  • Rafael Cardozo Figueredo Universidade Estadual do Ceará
  • Júlia Santos Jardim Rede de Grupos de Agroecologia do Brasil
  • Patricia Limaverde Nascimento Universidade Estadual do Ceará

Palavras-chave:

Saberes Tradicionais., Povo Pitaguary., Educação Ambiental., Decolonialidade.

Resumo

Valdira Pitaguary é uma liderança do povo indígena Pitaguary, localizado em Pacatuba, na região metropolitana de Fortaleza – CE. Conhecedora da cultura de seu povo, é guardiã de conhecimentos acerca da utilização das plantas medicinais. Reconhecendo sua importância, este trabalho apresenta alguns dos saberes da anciã, referindo-os como exemplo na construção de uma Educação Ambiental decolonial. As ricas informações, colhidas através de entrevista não diretiva, foram submetidas à análise de conteúdo temática e são debatidas com apoio de autores que sustentam a importância dos saberes tradicionais na construção de novos paradigmas para a superação das problemáticas socioambientais atuais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Cardozo Figueredo, Universidade Estadual do Ceará

Bacharel e licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU), mestre em Ensino de Biologia pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), professor de Biologia da rede pública de ensino do estado do Ceará.

Júlia Santos Jardim, Rede de Grupos de Agroecologia do Brasil

Licenciada em Ciências Biológica pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), é professora de Ciências em uma escola Waldorf e articuladora na Rede de Grupos de Agroecologia do Brasil (REGA).

Patricia Limaverde Nascimento, Universidade Estadual do Ceará

Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), Doutora em Educação pela Universidade Católica de Brasília (UCB). Professora do Curso de Graduação em Ciências BIológicas da e do Mestrado Profissional em Rede em Ensino de Biologia (PROFBIO) da Universidade Estadual do Ceará.

Referências

ADELCO. Pitaguary. 2018. Disponível em: http://adelco.org.br/centro-documentacao/terra-indigena-pitaguary/. Acesso em: 10 de junho 2021.

ALMEIDA, Maria da Conceição de. Complexidade, saberes científicos, saberes da tradição. São Paulo, Editora Livraria da Física, 2017.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2016.

BRITO, Maria de Fátima Campelo; LYRA, Joani Silvana Capiberibe. Resumo do Relatório de identificação e delimitação da terra indígena Pitaguary. In: FUNAÇÃO NACIONAL DO ÍNDIO. Despachos do Presidente. Brasília, 2000.

CABAXI, Daniel Matenho. Um Índio. In: MUNDUKURU, Daniel; WAPICHANA, Cristino (Orgs.). Antologia Indígena. Cuiabá, Secretaria de Estado de Cultura do Mato Grosso, 2019.

COSTA, João Paulo Peixoto. Disciplina e invenção: civilização e cotidiano indígena no Ceará (1812-1820). Teresina, EDUFPI, 2015.

FREIRE, Paulo; SHOR, Ira. Medo e ousadia: o cotidiano do professor. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1986.

GALDINO, Lúcio Keury Almeida. Os caminhos da territorialidade da etnia Pitaguary: o caso da aldeia de Monguba no município de Pacatuba no Ceará. Dissertação de Mestrado (Mestrado em Geografia), Centro de Ciências – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2007.

Jovem Pan News. Negar direito ao territorio e genocidio com os povos indigenas, diz Sonia Guajajara, vice de Boulos. Set/2018. Disponivel em: https://www.youtube.com/watch?v=7sgyJDQEyRw. Acesso em: 20 junho 2021.

JARDIM, Júlia Santos. Agricultura Pitaguary: tecendo relações entre saberes científicos, etnosaberes e educação escolar indígena. Trabalho de Conclusão de Curso (Curso de Graduação em Ciências Biológicas), Centro de Ciências da Saúde – Universidade Estadual do Ceará, 2018.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo, Companhia das Letras, 2020.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. “Para onde vai a Educação Ambiental? O cenário político ideológico da Educação Ambiental brasileira e os desafios de uma agenda política crítica contra-hegemônica”. Revista Contemporânea de Educação, 7(14): 388-411, ago-dez/2012.

LEFF, Enrique. “Complexidade, Racionalidade Ambiente e Diálogo de Saberes”. Educação e Realidade, Porto Alegre, 34(3), 17-24, set-dez/2009.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos da Metodologia Científica. São Paulo, Editora Atlas, 2003.

MATOS, Francisco José de Abreu. Farmácias Vivas: sistema de utilização de plantas medicinais projetado para pequenas comunidades. Fortaleza, UFC, 2002.

MINAYO, Maria Cecília de Souza; DESLANDES. Suerly Ferreira; GOMES, Romeu. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, Vozes, 2009.

MORTIMER, Eduardo, Fleury. “Sobre chamas e cristais: A linguagem cotidiana, a linguagem científica e o ensino de ciências”. Ciência, ética e cultura na educação. São Leopoldo, Ed. Unisinos, 1998.

MOURA, Adriana Ferro. LIMA, Maria Glória. “A reinvenção da roda: roda de conversa: um instrumento metodológico possível”. Revista Temas em Educação. João Pessoa, 23(1): 98-106, jan-jun/2014.

MUNDUKURU, Daniel. “Sobre Tempo e Trabalho”. In: MUNDUKURU, Daniel; WAPICHANA, Cristino (Orgs.). Antologia Indígena. Cuiabá, Secretaria de Estado de Cultura do Mato Grosso, 2019.

NETO, Germano Guarim. “O saber tradicional pantaneiro: as plantas medicinais e a educação ambiental”. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. Rio Grande, 17, jul-dez/2016.

PINHEIRO, Joceny de Deus. Arte de Contar, Exercício de Rememorar: história, memória e narrativas dos índios Pitaguary. Dissertação de Mestrado (Programa de Pós Graduação em Sociologia) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2002.

QUIJANO, Aníbal. “Colonialidad del poder y clasificación social “. Cuestiones y horizontes : de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder. Buenos Aires, CLACSO, 2014.

SAITO, Carlos Hiroo. Politica Nacional de Educacao Ambiental e Construcao da Cidadania: revendo os desafios contemporaneos. In: RUSCHEINSKY, Aloísio. Educação Ambiental: abordagens múltiplas. RUSCHEINSKY, Aloisio (Org.). Porto Alegre: Penso Editora Ltda., 2012.

SANTOS, Boaventura de Sousa. “Das linhas globais a uma ecologia de saberes”. Novos Estudos, 79: 71-94, nov/2007.

TOLEDO, Victor Manuel; BARRERA-BASSOLS, Narcisio. La memoria biocultural: la importancia ecológica de las sabidurías tradicionales. Barcelona, Icaria Editorial, 2008.

VIEIRA, Fábio Pessoa. “Uma educação ambiental para além da Pandemia: Aprendizados decoloniais com outras comunidades com outras pedagogias”. Revbea. São Paulo, 15(4): 259-278, 2020.

Downloads

Publicado

2021-10-31

Como Citar

Cardozo Figueredo, R., Santos Jardim, J., & Limaverde Nascimento, P. (2021). A coisa melhor do mundo é a saúde: a contribuição dos saberes tradicionais de Valdira Pitaguary para uma Educação Ambiental decolonial. Ambiente &Amp; Educação, 26(1), 325–354. Recuperado de https://periodicos.furg.br/ambeduc/article/view/13247

Edição

Seção

Dossiê "Educação Ambiental pós-colonial e comunidades tradicionais"