Educação escolar indígena na perspectiva da educação popular: em defesa da Pedagogia Cosmo-Antropológica

Waldinéia Antunes de Alcântara Ferreira, Jaime José Zitkoski

Resumo


A Educação Escolar Indígena na atualidade das Comunidades Mayrob, Apiaká e Kayabi no município de Juara-MT tem vivenciado uma constante ressignificação no intuito de se tornar diferenciada, intercultural e bilíngue. Esse movimento de ressignificação tem como base as tramas e as manhas empreendidas nos movimentos indígenas no contexto da educação popular. Esse processo ocorre com os empoderamentos, diálogos e vivências dos saberes indígenas, sempre na perspectiva da interculturalidade crítica. Pois se dá no esforço da afirmação étnica de cada povo que pelas práticas educativas pedagógicas e na valorização da cultura própria. Uma educação construtora de um currículo articulado à vida, à interculturalidade e a memória da cultura e da língua materna num mundo globalizado e diverso, um currículo negociado com tensões e protagonismo. Em outras palavras, uma educação própria, diferenciada, intercultural, feita pela Pedagogia Cosmo-Antropológica. O referido texto tem origem em uma pesquisa de doutorado realizada no período de 2012 a 2014, no Dinter UFRGS/UNEMAT. O caminho da investigação foi respaldado com as contribuições da pesquisa qualitativa do tipo etnográfico, com as orientações de Geertz (1989) e André (2003). Teve como objeto de estudo a educação escolar indígena e os principais autores que auxiliaram na construção desta pesquisa foram: Kusch (2000), Dussel (1993), Paulo Freire (1996; 2005) e Viveiros de Castro (2002).

La Educación Escolar Indígena en la actualidad de las Comunidades Mayrob, Apiaká y Kayabi en el municipio de Juara-MT ha vivido una constante resignificación con el fin de convierterse diferenciada, intercultural y bilingüe. Este movimiento de resignificación tiene como base las tramas y los caminos emprendidos en los movimientos indígenas en el contexto de la educación popular. Este proceso ocurre con los empoderamientos, diálogos y vivencias de los saberes indígenas, siempre en la perspectiva de la interculturalidad crítica. Porque se da en el esfuerzo de la afirmación étnica de cada pueblo que por las prácticas educativas pedagógicas y en la valorización de la cultura propia. Una educación constructora de un currículo articulado a la vida, a la interculturalidad y la memoria de la cultura y de la lengua materna en un mundo globalizado y diverso, un currículo negociado con tensiones y protagonismo. En otras palabras, una educación propia, diferenciada, intercultural, hecha por la Pedagogía Cosmo-Antropológica. El referido texto tiene su origen en una investigación de doctorado realizada en el período de 2012 a 2014, en el Dinter UFRGS / UNEMAT. El camino de la investigación fue respaldado con las contribuciones de la investigación cualitativa del tipo etnográfico, con las orientaciones de Geertz (1989) y André (2003). En el caso de la educación escolar indígena y los principales autores que auxiliaron en la construcción de esta investigación fueron: Kusch (2000), Dussel (1993), Paulo Freire (1996, 2005) y Viveiros de Castro (2002).

Indigenous School Education in the present time of the Mayrob, Apiaká and Kayabi Communities in the city of Juara-MT has experienced a constant re-signification in order to become differentiated, intercultural and bilingual. This movement of re-signification is based on the plots and the ways undertaken in the indigenous movements in the context of popular education. This process occurs with the empowerment, dialogues and experiences of indigenous knowledge, always in the perspective of critical interculturality. For it is in the effort of the ethnic affirmation of each people that by the pedagogical educational practices and in the valuation of the own culture. An education that builds a curriculum articulated to life, interculturality and the memory of culture and mother tongue in a globalized and diverse world, a curriculum negotiated with tensions and protagonism. In other words, an own, differentiated, intercultural education, made by the Cosmo-Anthropological Pedagogy. The aforementioned text originates in a doctoral research carried out in the period from 2012 to 2014, at Dinter UFRGS / UNEMAT. The research path was supported by the contributions of the qualitative research of the ethnographic type, with the orientations of Geertz (1989) and André (2003). Indigenous school education was the object of study, and the main authors who assisted in the construction of this research were: Kusch (2000), Dussel (1993), Paulo Freire (1996; 2005) and Viveiros de Castro (2002).

Palavras-chave


Educação escolar indígena, tramas, manhas, pedagogia Cosmo – Antropológica.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Etnografia da Prática Escolar. Campinas, 9 ed. São Paulo: Papirus, 2003.

BALANDIER, Georges. A desordem: elogio do movimento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1987.

BENGOA, José. La Emergência Indígena na América Latina. Fondo de Cultura económica Chile S.A, Santiago, Chile, 2000.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Educação como Cultura. Campinas, SP: Mercado das Letras, 2002.

CANCLINI, Néstor García. Culturas híbridas: Estratégias para entrar y salir de la modernidad. 3 ed. Buenos Aires, Paidós, 2010.

DAMKE, Ilda Righi. O processo do conhecimento na pedagogia da libertação: As idéias de Freire, Fiori e Dussel. Petrópolis, RJ: Vozes, 1995.

DUSSEL, Enrique D. 1942: O Encobrimento do Outro: A origem do mito da modernidade: Conferência de Frankfurt. Trad. Jaime A. Clasen. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 1993.

______.Enrique. Alguns princípios para uma ética ecológica material de libertação: Relações entre a vida na terra e a humanidade. In: DUSSEL, Enrique; HINKELAMMERT, Franz; DIERCKXSENS, Win; PAGÁN, Luis N. Rivera; GIRARDI, Giulio e PIXLEY, Jorge (Coordenador). Por um mundo diferente: Alternativas para o mercado global. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

FREIRE. Paulo.Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

______. Pedagogia da autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GEERTZ, Clinfford. A interpretação das culturas. LTC, Rio de Janeiro,2008.

KUSCH, Rodolfo. Obras Completas.Tomo II. Santa Fé, Argentina: Editorial Fundación Ross, (América Profunda y El piensamento indígena y popular en América), 2000.

MELATTI, Júlio Cezar. Índios do Brasil. 7 ed. São Paulo: HUCITEC, 1983.

NASCIMENTO, Adir Casaro; URQUIZA, A. H. Aguilara. Currículo, diferenças e identidade: tendências das escolas indígenas Guarani e Kaiowá. In: BONIN, Iara Tatiana; BERGAMASCHI, Maria Aparecida (Orgs.). Currículo sem fronteiras. Vol. 10, n. 1, pp 113-132, jan/jun, 2010.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. Em libro: A Colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latino-americanas. Edgardo Lander (org). Colección Sur Sur, CLASCO, Buenos Aires, Argentina, setembro 2005. Pp. 227-278. Disponível em: http://bibliotecavirtual.clasco.org. Acessado em: julho de 2012.

REDIN, Euclides. Humildade. In Dicionário Paulo Freire. STRECK , Danilo, REDIN, Euclides e ZITKOSKI, Jaime (Orgs). Dicionário Paulo Freire. 2 ed. Belo Horizonte: Autêntica editora, 2010.clides.

ROCHA, Everaldo P. Guimarães. O que é etnocentrismo. Coleção Primeiros Passos. São Paulo: Editora Brasiliense, 1998.

VIVEIROS DE CASTRO. Eduardo. A inconstância da alma selvagem – e outros ensaios de antropologia. São Paulo: Cosac & Naify, 2008.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v34i3.7338

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2017 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.