Quais seriam as Questões Globais que desafiam a Educação Ambiental? Para além do modismo, uma análise sistemática e uma visão sistêmica

Carlos Hiroo Saito

Resumo


Quando se fala em Questões Globais e educação ambiental, muitos pensam nas mudanças climáticas como questão global. A força dessa temática chega a levar alguns até a falar em uma Educação em Mudanças climáticas. Rejeita-se essas novas terminologias, mantendo-se o termo Educação Ambiental. Por meio de uma sistemática de investigação, com base nas decisões da Organização das Nações Unidas (ONU), são levantados os temas que foram estrategicamente definidos pela ONU como sendo a pauta prioritária para o globo. Uma visão sistêmica dessas questões globais e suas interdependências é construída. A partir dessa visão sistêmica, princípios e objetivos da Educação Ambiental tanto na Política Nacional de Educação Ambiental como em conferências internacionais são analisados para avaliar os desafios postos à Educação Ambiental a partir destas questões globais.

When we talk about Global Issues and environmental education, people usually think about climate change as the global issue. The strength of this theme leads some people to talk about Education in Climate Change. These new terminologies are rejected, and the term Environmental Education is held. Through a systematic research, based on the decisions of the United Nations (UN), they are identified those issues that have been strategically defined as the priority agenda for the globe. A systemic view of these global issues and their interdependencies is built. From this systemic view, principles and objectives of Environmental Education in both the Brazilian National Environmental Education Policy and in the international conferences are analyzed to evaluate the challenges posed to Environmental Education from these global issues.

Palavras-chave


Mudanças climáticas; Década Internacional; Água

Texto completo:

PDF

Referências


ADGER, W. N. Vulnerability. Global Environmental Change, v. 16, n. 3, p. 268-281, 2006.

ANDERSON, A. Climate Change Education for Mitigation and Adaptation. Journal of Education for Sustainable Development, vol. 6, n. 2, p. 191-206, 2012.

BALBÉ, A.D.; CARVALHO, A. As mudanças climáticas no Twitter: a ascendência da mídia e da política. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 40, p. 141-161, 2017.

BANGAY, C.; BLUM, N. Education Responses to Climate Change and Quality: Two Parts of the Same Agenda? International Journal of Educational Development, vol. 30, n. 4, p. 335-450, 2010.

CARVAJAL, A.M. 2013. Variações nas coberturas de recifes do Parque Nacional Natural “Mc Bean Lagoon” da Ilha de Providência, Colômbia, e suas implicações sobre as atividades turísticas do Parque. 2013. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) - Centro de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília.

CMMAD-COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1991.

ENDO, A.; BURNETT, K.; ORENCIO, P.M.; KUMAZAWA, T.; WADA, C.A.; TSURITA, A.I.I.; TANIGUCHI, M. Methods of the Water-Energy-Food Nexus. Water, vol. 7, n. 10, p. 5806-5830, 2015. doi:10.3390/w7105806

ERICKSEN, P. J. What is the vulnerability of a food system to global environmental change? Ecology and Society, vol. 13, n. 2, artigo 14, 2008. Disponível em: http://www.ecologyandsociety.org/vol13/iss2/art14/

FERNANDES_SILVA, C.M.L.; COSTA, F.A.; BORBA, G.L. A educação em Mudanças Climáticas: uma abordagem interdisciplinar. HOLOS, ano 32, vol. 4, p.176-188, 2016.

FLAMMINI, A.; PURI, M.; PLUSCHKE, L.; DUBOIS, O. Walking the Nexus Talk: Assessing the Water-Energy-Food Nexus in the Context of the Sustainable Energy for All Initiative (Environment and Natural Resources Working Paper No. 58). Rome: FAO, 2014.

FOLLEDO, M. Raciocínio Sistêmico: uma boa forma de se pensar o meio ambiente. Ambiente & Sociedade, s/v, n. 6-7, p. 105-144, 2000.

KIRILENKO, A.P.; STEPCHENKOVA, S.O. Public microblogging on climate change: One year of Twitter worldwide. Global Environmental Change, vol. 26, s/n. p. 171-182, 2014. https://doi.org/10.1016/j.gloenvcha.2014.02.008

GALLOPÍN, G.C. Linkages between vulnerability, resilience, and adaptive capacity. Global Environmental change, v. 16, n. 3, p. 293–303, 2006.

GWP-GLOBAL WATER PARTNERSHIP. GWP Strategy Towards 2020: a water secure world. Stockholm: Elanders, 2014. Disponível em: http://www.gwp.org/globalassets/global/about-gwp/strategic-documents/gwp_strategy_towards_2020.pdf

JOHNSON, C.A.; KRISHNAMURTHY, K. Dealing with displacement: Can “social protection” facilitate long-term adaptation to climate change? Global Environmental Change, vol. 20, n.4, p. 648–655, 2010.

LÆSSØE, J., SCHNACK, K.; BREITING, S.; SIMON ROLLS, S. Climate Change and Sustainable Development: The Response from Education. Copenhagen: IALEI, 2009. Available at: http://edu.au.dk/fileadmin/www.dpu.dk/en/research/researchprogrammes/environmentalandhealtheducation/om-dpu_institutter_institut-for-didaktik_20091208102732_cross_national-report_dec09.pdf

LEVIN, N.; KARK, R.; GALILEE, E. Maps and the settlement of southern Palestine, 1799–1948: an historical/GIS analysis. Journal of Historical Geography, vol. 36, n.1, p. 1–18, 2010.

LIMA, G.F.C. Educação Ambiental e Mudança Climática: convivendo em contextos de incerteza e complexidade. Ambiente & Educação, vol. 18, n. 1, p. 91-112, 2013.

LINDOSO, D.P. Vulnerabilidade e Adaptação da vida às Secas: desafios à Sustentabilidade Rural Familiar nos Semiáridos Nordestinos. 2013. Tese (Doutorado em Desenvolvimento Sustentável) - Cento de Desenvolvimento Sustentável, Universidade de Brasília, Brasília.

LINDOSO, D.P.; RODRIGUES-FILHO, S. Vulnerabilidade e Adaptação: Bases teóricas e conceituais da pesquisa. In: BURSZTYN, M.; RODRIGUES-FILHO, S. (Org.). Clima em Transe: vulnerabilidade da agricultura familiar. Rio de Janeiro: Garamond, 2016. p.19-34.

MARCINKOWSKI, T.J. Contemporary challenges and opportunities in environmental education: Where are we headed and what deserves our attention? J. Environ. Educ., vol. 41, n. 1, p. 34-54, 2010. DOI: 10.1080/00958960903210015

PARRY, M.L.; ROSENZWEIG, C.; IGLESIAS, A.; LIVERMORE, M.; FISCHER, G. Effects of climate change on global food production under SRES emissions and socio-economic scenarios. Global Environmental Change, vol. 14, n.1, p. 53-67, 2004.

PEDRINI, A.G.; OLIVEIRA, F.C. Percepção pública e educação ambiental no enfrentamento das mudanças climáticas globais antropogênicas no Brasil: uma proposta. In: OLIVEIRA, M.M.D. et al. (Org). Cidadania, meio ambiente e sustentabilidade. Caxias do Sul: Educs, 2017. p. 20-43.

SAITO, C.H. Política Nacional de Educação Ambiental e Construção da Cidadania: revendo os desafios contemporâneos. In: RUSCHEINSKY, A. (Org.). Educação Ambiental - Abordagens Múltiplas. 2ed. Porto Alegre-RS: Penso, 2012. p. 54-76.

SAITO, C.H. Environmental education and biodiversity concern: Beyond the ecological literacy. American Journal of Agricultural and Biological Sciences, vol. 8, n. 1, p. 12–27, 2013.

SAITO, C.H. Science and education across cultures: another look at the Negev Bedouins and their environmental management practices. Cultural Studies of Science Education, vol. 9, n. 4, p. 977-991, 2014.

SAITO, C.H. Concept Map for Environmental Education Planning: Capacitation of Volunteers for the FIFA Football World Cup in Brazil. Journal of Education for Sustainable Development, vol. 10, n. 2, p. 289-308, 2016.

SAITO, C.H.; BASTOS, F.P.; ABEGG, I. Teorias-guia educacionais da produção dos materiais didáticos para a transversalidade curricular do meio ambiente do MMA. Revista Iberoamericana de Educación, vol. 45, n. 2, p. 1-10, 2008. Disponível em: www.rieoei.org/expe/1953Saito.pdf

SPREP-THE SECRETARIAT OF THE PACIFIC REGIONAL ENVIRONMENT PROGRAMME. Pacific Islands Framework for Action on Climate Change 2006-2015. Apia, Samoa: SPREP, 2015. Disponível em: http://www.sprep.org/climate_change/PYCC/documents/PIFACC.pdf.

THALMEINEROVA, D. IWRM ToolBox Teaching Manual. Estocolmo: GWP, 2017.

TRAJBER, R.;YOKO MOCHIZUKI, Y. Climate Change Education for Sustainability in Brazil: A Status Report. Journal of Education for Sustainable Development, vol. 9, n. 1, p. 44–61, 2015.

TURNER II, B.L.; KASPERSON, R.E.; MATSON, P.A.; MCCARTHY, J.J.; CORELL, R.W.; CHRISTENSEN, L.; NOELLE ECKLEY, N.; KASPERSON, J.X.; LUERS, A.; MARTELLO, M.L.; POLSKY, C.; PULSIPHER, A.; SCHILLER, A. Framework for Vulnerability Analysis in Sustainability Science. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, v. 100, n. 14, p. 8074–8079, 2003.

UNCD NGO FORUM. Treaty on environmental education for sustainable societies and global responsibility. Brazil: Non Governmental Organizations (NGO's) International, 1993.

UNESCO. Intergovernmental Conference on Environmental Education. Tbilsi (USSR), UNESCO, Paris, 1978.

WELZER, H. Guerras Climáticas: Por que Mataremos e Seremos Mortos no Século 21. São Paulo: Geração Editorial, 2010.

ZAGALLO, S.A.; TELES, A.A.; ZAMIGNAN, G.; FONSECA, S.F.; SAITO, C.H. Serviços ecossistêmicos fornecidos por matas ripárias: uma abordagem a partir de mapas conceituais. In: OLIVEIRA, M.M.D. et al. (Org). Cidadania, meio ambiente e sustentabilidade. Caxias do Sul: Educs, 2017. p. 403-431.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v0i0.7138

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2017 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.