Educação Ambiental como estratégia metodológica da Gestão Ambiental: Por uma nova postura epistêmica.
Environmental Education as a methodological strategy of Environmental Management: for a new epistemic stance.

Ana Elisa Spaolonzi Queiroz Assis, Emilia Wanda Rutkowski

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo principal discutir uma nova postura epistêmica da Educação Ambiental enquanto estratégia metodológica da Gestão Ambiental, tendo em vista a crise da racionalidade. Tal discussão é feita por meio de reflexões teóricas baseadas, em especial, nas colocações de Goergen (2010) e Boaventura de Souza Santos (2002). O texto possui dois momentos, a saber: a relação entre educação ambiental e as características do paradigma científico emergente; e a apresentação de três premissas norteadoras da natureza política da Educação Ambiental – território, tecnologia social e sustentabilidade socioambiental. Nesta perspectiva, a Educação Ambiental, sob o prisma do novo paradigma científico, se configura em diálogo tornando possível a Gestão Ambiental cujo objetivo é o equilíbrio entre seres humanos e meio ambiente.

Palavras-chave


Educação Ambiental; Gestão Ambiental; Paradigma Científico Emergente; Episteme.

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, Henry. Políticas ambientais e construção democrática. In: VIANA,Gilney SILVA; Manira; DINIZ, Nilo. O desafio da sustentabilidade —Um debate socioambiental no Brasil.São Paulo, SP: Fundação Perseu Abramo, p. 75—96, 2001.

ALMEIDA, Jalcione. A Construção Social de uma nova agricultura. Porto Alegre : Ed. Da Universidade/UFRGS,1999.

BARBIERI, José C. Gestão Ambiental Empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. São Paulo, SP: Saraiva, 2007.

BRASIL, Lei 9.433. Política Nacional de Recursos Hídricos. Brasília, DF: Congresso Nacional, 1996. In: Presidência da República Federativa. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9433.htm. Acesso em: 18/03/2011.

______, Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília, DF: MEC/SEF, 1997.

CAPRA, Fritjof. A teia da vida: uma compreensão científica dos sistemas vivos, São Paulo, SP: Cultrix, 1996.

____________. As conexões ocultas. In: IDESA, 2003. Disponível em: http://www.ecoar.org.br/novo/download/palestra_capra.pdf. Acesso em 09/04/2011.

CARPENTER, S.R.; PINGALI, P.L.; BENNETT, E.M.; ZUREK, M.B. (orgs) Milennium Ecossystem Assessment: Ecosystems and Human Well-Being - Volume 2 Scenarios: Findings of the Scenarios Working Group. Washington, US-DC: Island Press, 2005. (Millennium Ecosystem Assessment Series)

CARVALHO, Isabel C. M. ; FARIAS, Carmem R. O. Um balanço da produção cientifica em educação ambiental de de 2001 a 2009 (ANPED, ANPPAS E EPEA). In: CD-ROM 33ª Reunião Anual da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação – ANPED: Educação no Brasil: o balanço de uma década. Rio de Janeiro, RJ : ANPED, v. 1. p. 25-35, 2010.

DALY, Herman E. & FARLEY, Joshua. Ecological Economics: principles and applications. Washington, US-DC : Island Press, 2004.

DALY, Herman E. & TOWNSEND, Kenneth. N., (orgs.) Valuing the Earth: Economics, Ecology, Ethics. Massachusetts, US-MA: Massachusetts Institute of Technology — MIT, 1994.

EPELBAUM, Michel. Sistema de Gestão Ambiental. In: VILELA JUNIOR, A; DEMAJORIVIC, J. Modelos e ferramentas de Gestão Ambiental: desafios e perspectivas para as organizações. São Paulo, SP: SENAC, p. 115-147, 2006.

GARDNER, Gary. Acelerando a mudança para a sustentabilidade. In: Relatório do Worldwatch Institute Report - O estado do Mundo, Salvador, BA: UMA, p.206-225, 2001.

GOERGEN, Pedro. TEORIA E AÇÃO NO GT EDUCAÇÃO AMBIENTAL DA ANPED: PARTILHANDO ALGUMAS SUSPEITAS EPISTEMOLÓGICAS. In: Pesquisa em Educação Ambiental, [S.l.], v. 5, n. 2, p. 09-30, july 2012. ISSN 2177-580X. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2016.

GUIMARÃES, Roberto P. Desenvolvimento sustentável: da retórica à formulação de políticas públicas. In: Becker, B. K. & Miranda, M. (Orgs.) A geografia política do Desenvolvimento Sustentável, Rio de Janeiro, RJ: Editora UFRJ, p.13-44, 1997.

LANNA, Antonio E. L. Gerenciamento de bacia hidrográfica: aspectos conceituais e metodológicos. Brasília, DF: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, 1995.

MOORE, Donald S. Marxism, Culture and Political Ecology: Environmental struggles. Liberation Ecologies — environment, development and social movements: Zimbabwe’s Eastern Highlands. New York, US-NY: Peet, R. & Watts, M., Routledge, p.125-141, 1996.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita. Repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil, 2000.

MUELLER, Charles C. Problemas ambientais de um estilo de desenvolvimento: a degradação da pobreza no Brasil. In: Ambiente e Sociedade. Campinas, SP: NEPAM/UNICAMP, I(1):117-133, 2o. sem. 1997.

O’CONNOR, James. Is sustainable capitalism possible? Is capitalism sustainable? — political economy and the politics of eco. New York, US-NY: The Guilfor Press, p.152-173, 1997.

PEARCE, David W. Economics, equity and sustainable development. In: Futures, 20(6), p.598-605, 1998.

PHILIPPI JR, Arlindo; BRUNA, Gilda C. Política e Gestão Ambiental In: PHILIPPI JR., A.; ROMERÓ, M. A; BRUNA G. C. (orgs.). Curso de Gestão Ambiental. Barueri: Manole, p. 657-714, 2004.

REDE DE TECNOLOGIA SOCIAL – RTS. Registro do 1º Fórum Nacional da RTS. Brasília, DF: Editora Abipti, 2006. Disponível em: http://www.rts.org.br/publicacoes/arquivos/16abr2007_rts_anais_final.pdf. Acessado em: 17/03/2011.

REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental. São Paulo, SP: Editora Brasiliense, 2009.

RUTKOWSKI, Emilia W. Desenhando a Bacia Ambiental – Subsídios para o Planejamento das Águas Doces Metropolitan(izad)as. Tese. Doutorado em Arquitetura e Urbanismo. Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, USP. São Paulo, SP, 1999.

RUTKOWSKI, Emilia W;PEREIRA, Alessandro S.; ASSIS, Ana Elisa S.Q.; OLIVEIRA, Ernestina G. de; SERAFIM, Milena P.; FREIRIA, Rafael C.; SILVA, Rogério B. da; MACEDO, Sônia G.H. Caixa de Ferramentas de Metodologias de Concertacao para Qualificacao Profissional. In: ABET, vol. IX, n. 2, 2010.

SACHS, Ignace. Desenvolvimento includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro, RJ: Editora Garamond Universitária/SEBRAE, 2004.

SANTOS, Boaventura de S. Um discurso sobre as ciências. Porto, Portugal: Afrontamento, 2002.

SANTOS, Milton. Por uma outra globalização: do pensamento único à consciência universal. Rio de Janeiro, RJ: Editora Record, 2001.

SANTOS, Rozely F. Planejamento Ambiental: teoria e prática. São Paulo, SP: Oficina de Textos, 2004.

SEIFFERT, Mari E. B. Gestão Ambiental: instrumentos, esferas de ação e Educação Ambiental. São Paulo, SP: Atlas Oficina de Textos, 2009.

SOUZA, Marcelo L. de. A prisão e a Ágora: reflexões em torno da democratização do planejamento e da gestão das cidades. Rio de Janeiro, RJ: Bertrand Brasil, 2006.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v33i3.5793

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2016 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado de Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.