Educação ambiental: da teoria ao chão da escola
Environmental education: from theory to the floor of the school

Deborah Andrade Torquato Schimidt, Elisabeth Christmann Ramos

Resumo


O artigo apresenta a síntese da pesquisa realizada em escolas do ensino fundamental e médio do município de Curitiba que teve por objetivo conhecer e compreender como a questão ambiental, e mais especificamente a Educação Ambiental, vem sendo compreendida e trabalhada por professores e pedagogos destas escolas. Visou ainda analisar se esses educadores se sentem preparados para trabalhar com este assunto. O trabalho está fundamentado pelo referencial crítico da Educação Ambiental, e em autores que discutem os desafios para superar a fragmentação do conhecimento, entre eles Edgar Morin e Enrique Leff. Os resultados mostram que pouco se avançou na inserção de novos pressupostos teóricos e métodos pedagógicos que incorporem o saber ambiental para a superação das formas pedagógicas, insuficientes para enfrentar a complexidade ambiental que o momento atual exige.

Palavras-chave


educação; educação ambiental; escola

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1995.

CNUMAD. Conferência das Nações Unidas sobre Meio ambiente e Desenvolvimento. 1992. Rio de Janeiro. Agenda 21. Capítulo 36. Brasília. 1992.

CARVALHO, I. C. M. de. A invenção ecológica: narrativas e trajetórias da educação ambiental no Brasil. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2002.

CARNEIRO, S. Formação inicial e continuada de educadores ambientais. REMEA. Revista Eletrônica Mestrado em Educação Ambiental da FURG. Rio Grande, v. especial, p. 56-70, 2008.

DIAS, G. A situação da educação ambiental no Brasil é fractal. In: MEC; SEF. Panorama da Educação ambiental no ensino Fundamental. MEC: Brasília, 2001. p. 71-76.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 44ª. ed. – Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

GATTI, Bernardete Angelina. Formação de professores: condições e problemas atuais. Revista Brasileira de Formação de Professores, v. 1, n. 1, 2009.

GOUVÊA, Giana Raquel Rosa. Rumos da formação de professores para a Educação Ambiental Towards teachers preparation for Environmental Education. Educar em revista, n. 27, p. 163-179, 2006.

GRÜN, Mauro. Ética e educação ambiental: a conexão necessária. Campinas, SP: Papirus, 1996.

LEFF, E. Ecologia, capital e cultura: racionalidade ambiental, democracia participativa e desenvolvimento sustentável. Blumenau: Ed. Da FURB, 2000.

______. Educação ambiental e desenvolvimento sustentável. In: REIGOTA, Marcos (org.) Verde cotidiano: o meio ambiente em discussão. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

______. Saber ambiental: sustentabilidade, racionalidade, complexidade. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

______. As aventuras da epistemologia ambiental: da articulação das ciências ao diálogo de saberes. São Paulo: Cortez, 2012.

______. (coord). A complexidade ambiental. Tradução de Eliete Wolff. – 2ª.ed. – São Paulo: Cortez, 2010.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2004.

MEC, Ministério da Educação; MMA, Ministério do Meio Ambiente; UNESCO, Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas de educação ambiental na escola (coordenação, Soraia S. de Mello, Raquel Traiber). Brasília-DF, 2007.

MOITA, M. da C. Percursos de formação e de trans-formação. In: NÓVOA, A. (Org.). Vidas de professores. Portugal: Porto, 1992.

MORIN, E. O método. A natureza da natureza. 2ª ed, vol. 1. Rio Grande do Sul: Sulina, 2008.

______. A cabeça bem feita. Repensar a reforma, reformar o pensamento. Lisboa, Instituto Piaget, 2002a.

______. Os sete saberes para a educação do futuro. Lisboa, Instituto Piaget, 2002b.

______. Pour une crisologie. In: Communications, 25, 1976. pp. 149-163. doi: 10.3406/comm.1976.1388. Disponível em:http://www.persee.fr/web/revues/home/prescript/article/comm_058818_1976_num_25_1_1388. Acesso em 01/03/2012.

MORIN, E.; MOIGNE, Jean-Louis le. A inteligência da complexidade. 3ª. ed. Rio de Janeiro: Editora Petrópolis, 2000.

ORLANDI, Eni P. Enfoque linguístico discursivo: o discurso da educação ambiental. In: TRAJBER, Rachel (Org.). Avaliando a educação ambiental no Brasil: materiais impressos. São Paulo: Gaia, 1996.

RAMOS, E.C. A abordagem naturalista na educação ambiental. Uma análise dos projetos ambientais de educação em Curitiba. Curitiba, 2006. 232 f. Tese. (Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas). Universidade Federal de Santa Catarina.

SANTOS FILHO, J. Camilo dos. Pesquisa quantitativa versus pesquisa qualitativa: o desafio paradigmático. In: SANTOS FILHO, J. Camilo dos; GAMBOA, Silvio Sánchez. Pesquisa educacional: quantidade-qualidade. 4. Ed. São Paulo: Cortez, p.13-59, 2001.

TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos. Formação dos educadores ambientais e paradigmas em transição. Ciênc. educ. Bauru: [online]. 2002, vol.8, n.1, pp. 83-96.

TRAJBER, Rachel; MENDONÇA, Patrícia Ramos (orgs). Educação na diversidade: o que fazem as escolas que dizem que fazem educação ambiental – Brasília: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2007.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v31i1.4347

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2014 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado de Educação Ambiental



Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.