Gestão de resíduos sólidos em serviços de saúde:

contribuições para o técnico em segurança do trabalho a partir da abordagem crítica da educação ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i3.9620

Palavras-chave:

Resíduos Biológicos – Educação Profissional – Educação Ambiental Crítica – Trabalho-Educação

Resumo

O presente artigo tem por objetivo demonstrar como a Educação Ambiental, em sua abordagem crítica, pode oferecer subsídios para a atuação do Técnico em Segurança do Trabalho, em Serviços de Saúde, que elaborarem e implementarem o Plano de Gestão de Resíduos Sólidos. Parte-se da hipótese que a abordegam crítica trará uma compreensão e uma prática de Gerenciamento de Resíduos Sólidos em Serviços de Saúde que vá além do mero cumprimento da legislação ambiental, ao buscar a melhoria na qualidade dos processos de Gestão de Resíduos. Para tanto, considerou-se a legislação vigente e a literatura pertinente sobre o tema, a partir de uma pesquisa documental. Conclui-se que a partir do olhar da Educação Ambiental Crítica, o ser humano passa a ser visto como elemento central no que cerne a Saúde e Segurança do Trabalho, considerando a relação dele com a natureza e o ambiente produtivo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Maria Pereira do Nascimento, PROPEC-IFRJ / SENAC-RJ

Doutoranda e Mestra em Ensino de Ciências (PROPEC-IFRJ); Graduada em Ciências Biológicas. Docente no Senac-RJ (Curso Técnico em Segurança do Trabalho)

Referências

ABNT. ABNT NBR 10.004 – Resíduos Sólidos: classificação. Rio de Janeiro: ABNT, 2004

ANDRADE, C. R.; ZAIAT, M. Engenharia, Natureza e Recursos Naturais. In: CALIJURI, M. do C; CUNHA, D. G. (org.) Engenharia ambiental. Rio de Janei-ro: Elsevier, 2013, p. 3-14.

ANVISA. Resolução RDC Nº 306, de 7 de dezembro de 2004. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/anvisa/2004/ res0306_07_12_2004.html; acessado em 15 de outubro de 2016.

BOFF, L. Sustentabilidade: O que é? O que não é? Petrópolis: Vozes, 2012.

BRASIL, A. M.; SANTOS, F. (org.) Equilíbrio ambiental e resíduos na socie-dade moderna. 3ª Ed. São Paulo: FAARTE, 2007.

BRASIL. Legislação de Direito Ambiental. [organização de PINTO, A. L. T; WINDT, M. C. V. S.; CÉSPEDES, L.] 4ª ed. São Paulo: Saraiva, 2011.

BRASIL. Segurança e Medicina do trabalho. [Organização de PINTO, A. L. T; WINDT, M. C. V. S.; CÉSPEDES, L.] 6ª ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

CALEGARE, L; GODOY, L.; SILVEIRA, D. “Sistema de gerenciamento ambi-ental (SGA): uma contribuição para a melhoria dos serviços de saúde hospita-lar e atendimento à legislação ambiental”. Anais do XII SIMPEP. Bauru, 7 a 9 de Novembro de 2005, 10 p.

CARVALHO, I. C. M. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 6ª Ed. São Paulo: Cortez, 2012.

DELUIZ, N.; NOWICKI, V. “Trabalho, meio ambiente e desenvolvimento sustentável: implicações para uma proposta de formação crítica”. Boletim Técnico do Senac, Vol. 30, nº 2, Mai-Ago de 2004, p. 1–9, disponível em: http://www.senac.br/BTS/302/boltec302b.htm; acessado março de 2017.

DELUIZ, N.; NOWICKI, V. “Trabalho, meio ambiente e desenvolvimento sustentável: implicações para uma proposta de formação crítica”. Boletim Técnico do Senac, Vol. 30, nº 2, Mai-Ago de 2004, p. 1–9, disponível em: http://www.senac.br/BTS/302/boltec302b.htm; acessado março de 2017.

FERRARO JR., L. A. Recifes, arquipélagos, faróis e portos: navegando no oce-ano de incertezas da Educação Ambiental. in.: LOUREIRO, C. F. B; LAYRAR-GUES, P. P.; CASTRO, R, S. (org.) Pensamento Complexo, dialética e edu-cação Ambiental. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2011, p. 162-186.

GUIMARÃES, M. Armadilha Paradigmática na Educação. In.: LOUREIRO, C. F. B; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R, S. (org.) Pensamento Complexo, dia-lética e educação Ambiental. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2011, p. 15-29.

IBGE. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico – 2000. [2002] Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/home/presidencia/noticias/27032002pnsb.shtm; acessado em 15 de janeiro de 2018.

LIBÂNEO, J. C. Didática. São Paulo: Cortez, 1994

LIMA J. F. “O ensino de ciências e sua importância na educação para o traba-lho”. Boletim Técnico Senac, Rio de Janeiro, vol. 40, nº 3, p. 18-37, set.- dez. 2014.

LIMA, G. C. “Questão ambiental e educação: contribuições para o debate”. Ambiente & Sociedade. Ano II, nº 5, 1999, p. 135-153.

LOUREIRO, C. F. Trajetória e fundamentos da Educação Ambiental. 4ª Ed. São Paulo: Cortez, 2012.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÂO. Catálogo Nacional de cursos técnico (2008; 2012; 2016). Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=41271-cnct-3-edicao-pdf&category_slug=maio-2016-pdf&Itemid=30192; Aces-sado em 20/03/2018.

MINISTÉRIO DA SAÚDE. Brasil. Manual de Gerenciamento de Resíduos de Serviços de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde, Agência Nacional de Vigi-lância Sanitária, 2006.

SAVIANI, D. “Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos”. Re-vista Brasileira de Educação. Vol. 12, nº 3, p. 152-165.180, jan.-abr. de 2007.

SHEIFFERT, M. E. B. Sistemas de Gestão Ambiental (SGA-ISO 14001): me-lhoria contínua e produção mais limpa na prática e experiência de 24 em-presas brasileiras. São Paulo: Atlas, 2011.

WILLIAMS, R. Ideias sobre a natureza. in: Cultura e Materialismo. São Paulo: UNESP, 2011, p. 90-114.

Downloads

Publicado

2021-02-01

Como Citar

Nascimento, P. M. P. do. (2021). Gestão de resíduos sólidos em serviços de saúde: : contribuições para o técnico em segurança do trabalho a partir da abordagem crítica da educação ambiental. Ambiente &Amp; Educação, 25(3), 455–480. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i3.9620