Educação ambiental e sustentabilidade para problemas socioambientais em ambientes costeiros – uma contribuição para o Farol de Santa Marta, Laguna, SC.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i3.12245

Palavras-chave:

Comunidade tradicional pesqueira, educação ambiental, sustentabilidade, ambiente costeiro.

Resumo

Nas regiões costeiras encontra-se uma diversidade de grupos humanos que vivem em contextos socioambientais singulares. Estes remetem para demandas de estudos e pesquisas inerentes a sua cultura, às questões socioeconômicas, à sociobiodiversidade e o desenvolvimento. No sul de Santa Catarina, encontra-se a população tradicional do Farol de Santa Marta que enfrenta um conjunto de realidades e transformações complexas. A partir de uma incursão cientifica, o presente artigo oferece uma contribuição para a formulação de ações educativas ambientais visando à sustentabilidade de seus modos de vida e por extensão a melhoria da qualidade do ambiente local, sugerindo elementos teóricos e práticos que, respectivamente, subsidiem estudos futuros.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thoy Mordardo Damiani Becker, UNESC- Universidade do Extremo Sul Catarinense/ CAPES

Thoy Mondardo Damiani Beker Bióloga, Doutoranda em Ciências Ambientais pelo Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCA) da Universidade do Extremo Sul Catarinense (UNESC), Docente, Pesquisadora pela Capes do Laboratório de Desenvolvimento, Sociedade e Meio Ambiente (LABSDMA). E-mail: thoybio@hotmail.com

Referências

ABDALLAH, P.R.; BACHA, C. J.C. Evolução da Atividade Pesqueira no Brasil: 1960-1994.

ANTUNES, E. M. et al. 2000. Programa de educação e difusão ambiental para a área de entorno do Parque Estadual da Serra de Ricardo Franco. In: Milano, M.S.; Theulen, V. (orgs.). II Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação, Anais V. II, Trabalhos Técnicos, Campo Grande. Pp. 332-339. Rede Nacional Pró-Unidades de Conservação / Fundação O Boticário de Proteção à Natureza. Campo Grande.

ARRUDA, Rinaldo S. V. “Populações Tradicionais” e a Proteção dos Recursos Naturais em Unidades de Conservação. In: DIEGUES, Antônio Carlos (Org.) Etnoconservação. Novos Rumos para a Proteção da Natureza nos Trópicos. São Paulo: HUCITEC, NUPAUB-USP, p. 290, 2000.

BARBIERI, José Carlos. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos / José Carlos Barbieri. – 2ed. atual e ampliada. –São Paulo: Saraiva, 2007.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Organização de Alexandre de Moraes. 16.ed. São Paulo: Atlas, 2000.

BRASIL. Lei n° 9.795, de 27 de abril de 1999. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9795.htm. Acesso em 19 de outubro de 2020.

BRASIL. Lei n° 9.985, de 18 de julho de 2000. Institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências. Disponível para acesso em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9985.htm

BRASIL. Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l6938.htm. Acesso em 20 de agosto de 2014.

COMUNE, 1992. Sustentabilidade / Desenvolvimento sustentável. Disponível para acesso em: http://www.ciencias.seed.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=39. Acesso em 05 de agosto de 2015.

Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS); Ministério do Meio Ambiente (MMA). 2006. Ecossistemas e bem-estar humano: vivendo além dos nossos medos. Avaliação Ecossistêmica do Milênio. QJ Produções. Rio de Janeiro.

DIAS, G.F. Educação ambiental: princípios e práticas. 2ª ed. São Paulo: Gaia. 1993.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 8a ed. São Paulo: Gaia, 2003.

DIEGUES, Antônio Carlos. Populações tradicionais em unidades de conservação: o mito da natureza intocada. Série documentos e relatórios de pesquisa, NUPAUB/USP, 1993.

FLORIANI, Dimas, Conhecimento, meio ambiente & globalização. Curitiba: Juruá, 2004.

GUIMARÃES, M. 1995. O que é Educação Ambiental? In: A Dimensão Ambiental na Educação. Pp 17-25. Papirus. Campinas.

HAIMOVICI, M. 1997. Recursos pesqueiros demersais da Região Sul. Programa REVIZEE / FEMAR. 54 p.

LEFF, E. A complexidade ambiental. São Paulo: Cortez, 2010.

LEFF, E. Educação Ambiental e Desenvolvimento Sustentável. In: Verde Cotidiano: o meio ambiente em discussão. REIGOTA, Marcos (org.) - Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

LEFF, E. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez, 2001a.

LOUREIRO, Carlos Frederico B. Sustentabilidade e educação: um olhar da ecologia política. São Paulo, Cortez, 2012.

LUTZAMBERGER, J. Gaia. Revista e Análise & Conjuntura, Belo Horizonte: Fundação João Pinheiro, 1989.

MARTINS, C. Farol de Santa Marta: a esquina do Atlântico. Florianópolis, SC: Ed. Garapuvu, 1997.

MELLOWS. 1972. ______. In: Dias, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. 8a ed. São Paulo: Gaia, 2003.

Ministério do Meio Ambiente (MMA). Mamíferos Aquáticos do Brasil: Plano de Ação. IBAMA/ MMA. Brasília, 1997.

Ministério do Meio Ambiente (MMA); Ministério da Educação (MEC). Programa Nacional de Educação Ambiental - ProNEA. 3a edição. Edições MMA. Brasília, 2005.

MOLINA, S. Turismo y Ecología. México: Trilhas, 1998.

REIS, E. G. Classificação das atividades pesqueiras na costa do Rio Grande do Sul e qualidade das estatísticas de desembarque. Atlântica 15: p. 107-114, 1993.

ROCHA, F.M.R. et al 2000. Educação Ambiental desenvolvida na Área de Proteção Ambiental- APA do Rangel, no município de Curimatá - PI. In: Milano, M.S.; Theulen, V. (orgs.). II Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação, Anais V. II, Trabalhos Técnicos, Campo Grande. Pp. 426-431. Rede Nacional Pró- Unidades de Conservação / Fundação O Boticário de Proteção à Natureza. Campo Grande.

RODRIGUES, Aníbal et al. É correto pensar a sustentabilidade em nível local, Uma análise metodológica de um estudo de caso em uma Área de Proteção Ambiental no litoral sul do Brasil. Ambient. soc. Campinas, v. 5, n. 2, 2003.

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento, includente, sustentável sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SILVA,T. A. A.. Percepção de risco e conflito socioambiental em área de assentamento rural no estado de Pernambuco. Curitiba CRV, 2011.

SILVA, S., NORDI, N. & MARQUES, J. Contexto cultural, ecológico e econômico da produção e ocupação dos espaços de pesca pelos pescadores de pitu em um trecho do baixo São Francisco, Alagoas, Brasil. In Interciencia, volume 26, n.11. Nov. p. 535-540, 2001.

Downloads

Publicado

2021-02-01

Como Citar

Becker, T. M. D. (2021). Educação ambiental e sustentabilidade para problemas socioambientais em ambientes costeiros – uma contribuição para o Farol de Santa Marta, Laguna, SC. Ambiente &Amp; Educação, 25(3), 115–139. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i3.12245

Edição

Seção

Dossiê: Fenômenos ambientais costeiros em tempos de mudanças ambientais globais