Sequência didática investigativa sobre nascentes urbanas para ensino fundamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i3.11202

Palavras-chave:

, Educação Ambiental, contextualização, interdisciplinaridade, criticidade, sensibilização

Resumo

O objetivo desse artigo foi investigar o potencial pedagógico de uma sequência didática investigativa (SDI) sobre nascentes urbanas para alunos dos anos finais do Ensino Fundamental, buscando sensibilizá-los a respeito da necessidade de preservação das nascentes. A metodologia utilizada teve enfoque na prática de ensino investigativo, de maneira participativa, informativa e dialógica com os alunos durante o processo. A SDI contemplou a tipologia de conteúdos e os seus módulos foram articulados e distribuídos em conceituais, procedimentais e atitudinais. A SDI apresentou resultado positivo no processo de sensibilização ambiental, pois esta aguçou a criticidade dos alunos, contribuindo para formação de cidadãos reflexivos e conscientes ambientalmente por meio do processo de Educação Ambiental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vania Negri-Sakata, Universidade Estadual de Maringá

Graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual de Maringá; Graduação em Licenciatura em Geografia pela Universidade Estadual de Maringá; Especialização em Educação Especial pela ESAP; Especialização e Métodos e Técnicas de Ensino pela UTFPR; Mestrado Profissional em Ensino de Ciências Ambientais pela UEM.

Irene Yukiko Kimura, Universidade Estadual de Maringá

Possui graduação em Licenciatura Plena Em Química pela Universidade Estadual de Maringá (1983), graduação em Bacharelado Em Química pela Universidade Estadual de Maringá (1984) e doutorado em Química pela Universidade Federal de Santa Catarina (2001). Atualmente é professor associado e membro permanente do quadro docente do Programa de Mestrado Profissional em Rede Nacional para Ensino de Ciências Ambientais (PROFCIAMB) da Universidade Estadual de Maringá. Tem experiência na área de Química, com ênfase em Ensino-Aprendizagem, atuando principalmente nos seguintes temas: ensino-aprendizagem, alunos do ensino fundamental, alunos e professores do ensino fundamental.

Referências

ALENTEJANO, P. R. R.; ROCHA-LEÃO, Otávio M. Trabalho de Campo: uma ferramenta essencial para os geógrafos ou um instrumento banalizado. Boletim Paulista de Geografia, n. 84, p. 51-68, 2006.

ALMOULOUD, S.; COUTINHO, C. Q. S. Engenharia Didática: características e seus usos em trabalhos apresentados no GT-19 / ANPEd. Revista Eletrônica de Educação Matemática. UFSC, v. 3.6, p. 62-77, 2008.

BELIZÁRIO, W. S. Avaliação da qualidade ambiental de nascentes em áreas urbanas: um estudo sobre bacias hidrográficas do município de Aparecida de Goiânia/GO. Revista Mirante, Anápolis, v. 8, n. 1, p. 122-148, 2015.

BONATTO, A; BARROS, C. R.; GEMELI, R. A.; LOPES, T. B.; FRISON, M. D. Interdisciplinaridade no ambiente escolar. In: IX SEMINÁRIO DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO NA REGIÃO SUL, Inijuí, RS, 2012.

CABRERA, W.B.; SALVI, R. A ludicidade no Ensino Médio: Aspirações de Pesquisa numa perspectiva construtivista. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, 5. Atas, 2005.

CAMPOS, M. C. C.; NIGRO, R. G. T. Didática de Ciências: o ensino-aprendizagem como investigação. São Paulo: FTD, 1999.

CARMO, R. L.; OJIMA, A. L. R. O.; OJIMA. R.; NASCIMENTO, T. T. Água virtual, escassez e gestão: O Brasil como grande “exportador” de água. Ambiente & Sociedade, v. X, n. 1, p. 83-96, 2007.

CARVALHO, A. M. P. O Ensino de ciência e proposição de sequências de ensino investigativas. In: CARVALHO, A. M. P. (Org.). Ensino de Ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013, p. 1-20.

Cartilha Planeta Água. Água Virtual. 2015. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=MoVRmwEsdmE>. Acesso em: 31 de mai. 2018.

Clube da Natureza apresenta o Ciclo Hidrológico. Ciclo Hidrológico. 2013. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=MvOMA-gl44o>. Acesso em: 31 de mai. 2018.

DALRI, S.A. Educação ambiental como parceria na educação tradicional: Uma proposta de jogos ambientais utilizando o lúdico e o pedagógico para a defesa do meio ambiente. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 6, n. 9, p.1, 2010.

DICTORO, V. P.; GALVÃO, D. F.; HANAI, F. Y. O estudo das representações sociais e da percepção ambiental como instrumentos de análise das relações humanas com a água. Ambiente & Educação – Revista de Educação Ambiental. v. 21, n. 1, p. 232-250, 2016.

FELIPPE M. F. Caracterização e Tipologia de Nascentes em Unidades de Conservação de Belo Horizonte-MG com Base em Variáveis Geomorfológicas, Hidrológicas e Ambientais. 2009. Dissertação (mestrado em Geografia) Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte – MG. Disponível em: < www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/handle/1843/MPBB-83CPWN>. Acesso em: 30 mai. de 2017.

FORTUNA, T. R. Sala de aula é lugar de brincar? In: XAVIER, M. L. M. e DALLA

ZEN, M. I. H. (org.) Planejamento em destaque: análises menos convencionais. Porto Alegre: Mediação, 2000. (Cadernos de Educação Básica, 6) p. 147-164.

GIACOMIN, S. G.; Jr. OHNUMA, A. A. A pegada hídrica como instrumento de conscientização ambiental. Revista Monografia Ambientais (REMOA-UFSM), v. 7, n. 7, p. 1517 – 1526, 2012.

GOETTEN, W. J. Avaliação da Governança da Água Subterrânea nos Estados de São Paulo. Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. Blumenau. 2015. 317f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) - Engenharia Ambiental, Fundação Universidade Regional de Blumenau.

GUIMARÃES, S. T. de L. Percepção Ambiental: paisagens e valores. OLAM – Ciência e Tecnologia, Rio Claro, v. 9, n. 2, p. 275-301, 2009.

HARTMANN. A. M.; ZIMMERMANN, E. Feira de ciências: a interdisciplinaridade e a contextualização em produções de estudantes de ensino médio. In: VII ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS, Florianópolis, nov. 2009.

HIRATA, R. Recursos hídricos. In: TEIXEIRA, W. (org.). Decifrando a terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2003, p. 421- 442.

KISHIMOTO, T. M. O jogo e a educação infantil. Perspectiva, Florianópolis, UFSC/CED, n. 22, p. 105-128, 1994.

MACHADO, V. F.; SASSERON, L. H. As perguntas em aulas investigativas de Ciências: a construção teórica de categorias. Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências. v. 12, n. 2, 2012.

MARTIN-BARÓ, I. Acción y ideología – Psicología Social desde Centroamérica. San Salvador: UCA Editores, 1992.

MARTINS, I; OGBORN, J; e KRESS, G. Explicando uma Explicação. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v.1, n.1, 1999.

MINAYO, M. C. de S. Análise qualitativa: teoria, passos e fidedignidade. Ciência & Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 3, p. 621-626, mar. 2012.

MORAN, J. M. A integração das tecnologias na educação. In: MORAN, J. M. A Educação que desejamos: novos desafios e como chegar lá. 5. ed. Campinas: Papirus, 2013, p. 89-90.

MOTOKANE, M. T. Sequências didáticas investigativas e argumentação no ensino de ecologia. Ensaio: pesquisa em educação em ciências, Belo Horizonte, v. 17, n. especial, p. 115-137, 2015.

NECKEL, A. Proposta para a recuperação ambiental das nascentes e da área verde do loteamento Cidade Universitária, município de Passo Fundo/RS. Para onde!? [S.I.], v. 7. n. 1, p. 10–16, 2013.

NEVES, S. C. A história em quadrinhos como recurso didático em

sala de aula. 2012. 30 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Licenciatura em Artes Visuais) – Departamento de Artes Visuais, Universidade de Brasília, Palmas, TO, 2012.

RUA, E. R.; SOUZA, P. S. A. de. Educação ambiental em uma abordagem interdisciplinar e contextualizada por meio das disciplinas química e estudos regionais. Química Nova na Escola. v. 32, n. 2, p. 95-100, 2010.

SILVA, M.M.P.; V.D. LEITE. Estratégias para realização de educação ambiental em escolas do ensino fundamental. Revista Brasileira de Educação Ambiental, Cuiabá, n.4, p. 131-144, 2009.

SANTOS, R. Aplicações da História em Quadrinhos. Comunicação & Educação, n. 22, p. 46-51, 2001.

YAMATO, N. M.; PARMA, T. R.; SCHUTZER, J. G. A Preservação de Nascentes em área de urbanização consolidada: Microáreas de proteção ambiental como instrumento urbanístico para um zoneamento ambiental do solo urbano. In: SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE O TRATAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE EM MEIO URBANO E RESTRIÇÕES AMBIENTAIS AO PARCELAMENTO DO SOLO, 3°, 2014, Belém, PA.

ZABALA, A. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998, p.105.

Downloads

Publicado

2021-02-01

Como Citar

Negri-Sakata, V., & Kimura, I. Y. (2021). Sequência didática investigativa sobre nascentes urbanas para ensino fundamental. Ambiente &Amp; Educação, 25(3), 426–454. https://doi.org/10.14295/ambeduc.v25i3.11202