Núcleo de Educação Ambiental da UFSC e o Programa de Formação Continuada de Educadoras e Educadores Ambientais para uma Cultura da Sustentabilidade

Eduardo Erpen Fronza, Isabela Tsutiya Andrade, Rodrigo de Almeida Mohedano

Resumo


Neste artigo apresentamos uma descrição explicativa acerca do processo de concepção e execução de uma proposta metodológica de formação continuada para educadoras e educadores ambientais,passando por uma breve contextualização histórica em torno da construção da Educação Ambiental (EA) desde que o conceito surgiu. Na seção de discussão e resultadosrealizamos uma avaliação deste programa,cuja metodologia foi baseada principalmenteem questionários respondidos pela turma, e trazemos como considerações finais algumas reflexões e contribuiçõesque acreditamos serem pertinentes para educadoras e educadores também preocupados em atender a uma necessidade emergente e gritante do planeta nos dias atuais, que entendemos por ser a construção de uma Cultura da Sustentabilidade.

Palavras-chave


Educação Ambiental, Formação Continuada, Cultura da Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BARCELOS, Valdo. EDUCAÇÃO AMBIENTAL: SOBRE PRINCÍPIOS, METODOLOGIAS E ATITUDES. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

CAMPOS, Marília Andrade Torales. A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS E O PAPEL DO SISTEMA EDUCATIVO PARA A CONSTRUÇÃO DE SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS. Rio Grande, RS: Rev. Eletrônica Mestr. Educ. Ambient. v. 32, n.2, p. 266-282, 2015.

GUIMARÃES, Mauro. A FORMAÇÃO DE EDUCADORES AMBIENTAIS. São Paulo: Papirus, 2004.

GUIMARÃES, Mauro; MEDEIROS, Heitor Queiroz de. OUTRAS EPISTEMOLOGIAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL: O QUE APRENDER COM OS SABERES TRADICIONAIS DOS POVOS INDÍGENAS. Porto Alegre: Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, FURG, 2016.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. A RESOLUÇÃO DE PROBLEMAS AMBIENTAIS LOCAIS DEVE SER UM TEMA-GERADOR OU A ATIVIDADE-FIM DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL? In: REIGOTA, M. (Org.). Verde cotidiano: o meio ambiente em discussão. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. TRAJETÓRIA E FUNDAMENTOS DA EDUCAÇÃO AMBIENTAL. São Paulo: Cortez, 2004.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. A EDUCAÇÃO AMBIENTAL NO BRASIL. PROPOSTA PEDAGÓGICA. In: Educação Ambiental no Brasil. Ano XVIII, boletim 01, Secretaria de Educação a Distância. MEC, p. 13-20, 2008.

MATURANA, Humberto. EMOÇÕES E LINGUAGEM NA EDUCAÇÃO E NA POLÍTICA. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002.

MATURANA, Humberto; VARELA, Francisco. DE MÁQUINAS Y SERES VIVOS: AUTOPOIESIS, LA ORGANIZACIÓN DE LO VIVO. Buenos Aires: Lumen, 2003.

MORIN, Edgar. A CABEÇA BEM-FEITA: REPENSAR A FORMA, REFORMAR O PENSAMENTO. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

MORIN, Edgar. OS SETE SABERES NECESSÁRIOS À EDUCAÇÃO DO FUTURO. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2000.

MOURE, Eduardo Schnitzler. METODOLOGIAS COLABORATIVAS DE CONSTRUÇÃO COLETIVA: ANÁLISE DOS RESULTADOS DO CURSO DE GESTÃO SOCIAL DE BACIAS HIDROGRÁFICAS NO CONTEXTO DO PROJETO TSGA II. Florianópolis: Trabalho de Conclusão de Curso, USFC, 2015.

NICOLESCU, Basarab. MANIFESTO DA TRANSDISCIPLINARIDADE. São Paulo: Triom, 2005.

PAYNE, Phillip et al. AFFECTIVITY IN ENVIRONMENTAL EDUCATION RESEARCH. Pesquisa em Educação Ambiental, vol.13, Especial – p. 93-114, 2018.

ROLNIK, Suely. “FALE COM ELE” OU COMO TRATAR O CORPO VIBRÁTIL EM COMA. São Paulo: Núcleo de Subjetividade, PUC, 2013.

SAHEB, Daniele; ASINELLI-LUZ, Araci. A CONTRIBUIÇÃO DA TEORIA DA COMPLEXIDADE DE MORIN PARA A EDUCAÇÃO AMBIENTAL. Curitiba: XI Congresso Nacional de Educação, 2013.

SAUVÉ, Lucie. Uma cartografia das correntes de educação ambiental. In: SATO, Michéle & CARVALHO, Isabel Cristina. Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, p. 17-44, 2005.

SILVA, Antonio Almeida da. EDUCAÇÃO AMBIENTAL: SOBRE PRINCÍPIOS, METODOLOGIAS E ATITUDES. Sorocaba, SP: REU, v. 36, n. 1, p. 241-244, 2010.

SILVEIRA, Eduardo. EDUCAÇÃO ESTÉTICA AMBIENTAL E TEATRO DO OPRIMIDO: FUNDAMENTOS E PRÁTICAS COMUNS. Curitiba: Dissertação de Mestrado em Educação, UFPR, 2009.

SOARES, Fábio Montalvão. A produção de subjetividades no contexto do capitalismo contemporâneo: Guattari e Negri. Rio de Janeiro: Factal, Revista de Psicologia, v. 28, n. 1, p. 118-126, 2016.

TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos. FORMAÇÃO DOS EDUCADORES AMBIENTAIS E PARADIGMAS EM TRANSIÇÃO. Bauru, SP: Ciência e Educação, v.8, n.1, p. 83-96, 2002.

TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos. TEMAS AMBIENTAIS COMO “TEMAS GERADORES”: CONTRIBUIÇÕES PARA UMA METODOLOGIA EDUCATIVA AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA. Curitiba: Editora UFPR, Revista Educar n. 27, p. 93-110, 2006.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v36i2.9108

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2019 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.