Espaços educadores sustentáveis: criação/manutenção, objetivos e conflitos
Espacios educadores sostenibles: creación / mantenimiento, objetivos y conflictos
Sustainable educational spaces: creation/maintenance, objectives and conflicts

Cristina Machado Oliveira Faraco, Fatima Elizabeti Marcomin

Resumo


O recorte da pesquisa versa sobre a criação/manutenção, objetivos e conflitos à formação de Espaços Educadores Sustentáveis, a partir da percepção dos coordenadores de três desses espaços: Centro de Educação Ambiental NaturGut Ophoven (Alemanha), Pousada Vitória e Projeto Ambiental Gaia Village (Santa Catarina – Brasil). A abordagem metodológica qualitativa, sustentada pela Fenomenologia da Percepção de Merleau-Ponty, envolvendo a observação participante, estudo documental, entrevistas e a descrição interpretativa. A interpretação e discussão foram geradas a partir da organização dos temas emergentes em conjuntos textuais (origens, objetivos, conflitos). Os resultados indicam formas diversificadas de criação desses espaços e de objetivos distintos; a sustentação técnica dos processos é pautada em aportes teóricos, vivenciais e/ou políticas públicas; e os conflitos evidenciados são favorecidos pela visão dicotômica e utilitarista da natureza.

El recorte de la investigación versa sobre la creación / mantenimiento, objetivos y conflictos a la formación de Espacios Educadores Sostenibles, a partir de la percepción de los coordinadores de tres de esos espacios: Centro de Educación Ambiental NaturGut Ophoven (Alemania), Posada Vitória y Proyecto Ambiental Gaia Village (Santa Catarina - Brasil). El enfoque metodológico cualitativo, sostenido por la Fenomenología de la Percepción de Merleau-Ponty, involucrando la observación participante, estudio documental, entrevistas y la descripción interpretativa. La interpretación y discusión fueron generadas a partir de la organización de los temas emergentes en conjuntos textuales (orígenes, objetivos, conflictos). Los resultados indican formas diversificadas de creación de esos espacios y de objetivos distintos; la sustentación técnica de los procesos es pautada en aportes teóricos, vivenciales y/o políticas públicas; y los conflictos evidenciados son favorecidos por la visión dicotómica y utilitarista de la naturaleza.

The fragment of the research is based on the creation / maintenance, objectives and conflicts to the formation of Sustainable Educational Spaces, from the perception of the coordinators of three of these places: NaturGut Ophoven Environmental Education Center (Germany), Vitória Inn and Gaia Village Environmental Project (Santa Catarina - Brazil). The qualitative methodological approach, supported by the Merleau-Ponty Phenomenology of Perception, involving participant observation, documental study, interviews and the interpretative description. The interpretation and discussion has been generated from the organization of emerging themes into textual sets (origins, objectives, conflicts). The results indicate diversified forms of creation of these spaces and of different objectives; the technical support of the processes is based on theoretical, experiential contributions and/or public policies; and the evidenced conflicts are favored by the dichotomous and utilitarian view of nature.

Palavras-chave


Educação Ambiental. Educação e Sustentabilidade. Espaços Educadores Sustentáveis.

Texto completo:

PDF

Referências


ACOLHIDA DA COLÔNIA. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2015.

AGRECO. Disponível em: . Acesso em: 13 dez. 2016.

ANGROSINO, Michael. Etnografia e observação participante. Porto Alegre: Artmed, 2009. (Coleção Pesquisa Qualitativa/Coordenador: Uwe Flick).

BOGDAN, Robert; BIKLEN, Sari Knopp. Investigação Qualitativa em Educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Tradução de Maria João Alvarez, Sara Bahia dos Santos, Telmo Mourinho Baptista. Porto: Porto Editora LTDA, 1994.

BRASIL. Senado Federal. Decreto de 14 de setembro de 2000. Dispõe sobre a Área de Proteção Ambiental da Baleia Franca. Disponível em: . Acesso em: 02 set. 2014.

______. Programa Nacional Escolas Sustentáveis. Dispõe sobre as ações de apoio às escolas e Instituições de Ensino Superior em sua transição para a sustentabilidade socioambiental. Out. 2013a. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2016.

______. Manual Escolas Sustentáveis. Resolução CD/FNDE nº 18, de 21 de maio de 2013b. Dispõe sobre a destinação de recursos financeiros às escolas públicas da Educação Básica para promoção da sustentabilidade socioambiental nas unidades escolares. Disponível em: < http://www.fnde.gov.br/acesso-a-informacao/institucional/legislacao/item/4542-resolu%C3%A7%C3%A3o-cd-fnde-n%C2%BA-18,-de-21-de-maio-de-2013>. Acesso em: 11 jul. 2016.

______. Educação para o Desenvolvimento Sustentável. Disponível em:

< http://www.mma.gov.br/port/sdi/ea/deds/pdfs/sumexec_eds.pdf >. Acesso em: 29 out. 2016.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004.

______. A Invenção do Sujeito Ecológico: identidade e subjetividade na formação dos educadores ambientais. In: SATO, Michèle; CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 53-65.

FUNDAÇÃO GAIA. José Lutzenberger. Disponível em: . Acesso em: 29 out. 2016.

GAIA VILLAGE. Projeto Ambiental Gaia Village. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2015.

GONÇALVES, Carlos Walter Porto. Os (Des)caminhos do Meio Ambiente. São Paulo: Contexto, 1989.

GUIMARÃES, Mauro. A formação de educadores ambientais. Campinas: Papirus, 2004.

______. Por uma Educação Ambiental crítica na sociedade atual. Rev. Margens Interdisciplinar, Abaetetuba, UFPa, v. 7, n. 9, p. 11- 22, 2013.

LEGAN, Lucia. A escola sustentável: eco-alfabetizando pelo ambiente. 2. ed. São Paulo: IOESP/Ecocentro IPEC, 2007.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da Percepção. Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

______. Fenomenologia da Percepção. Tradução de Carlos Alberto Ribeiro de Moura. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006a. (Tópicos).

______. A Natureza. Tradução de Álvaro Cabral. 2, ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006b. (Tópicos).

MOREIRA, Daniel Augusto. O Método Fenomenológico na Pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2002.

NATURGUT OPHOVEN. Disponível em: . Acesso em: 12 jun. 2015.

O’RIORDAN, Tim. Education for susteainability. In: SANTOS, José Eduardo dos; SATO, Michèle (Org.). A Contribuição da Educação Ambiental à Esperança de Pandora. 3. ed. São Carlos: RiMa, 2006. p. 175-181.

RUSCHEINSKY, Aloísio; COSTA, Adriane Lobo. A Educação Ambiental a partir de Paulo Freire. In: RUSCHEINSKY, Aloísio et al. (Org.). Educação Ambiental: abordagens múltiplas. Porto Alegre: Artmed, 2002. p. 73-89.

SANDÍN ESTEBAN, Maria Paz. Pesquisa Qualitativa em Educação: fundamentos e tradições. Tradução de Miguel Cabrera. Porto Alegre: Artmed, 2010.

SANTA CATARINA. Instalação de fosfateira em Anitápolis gera polêmica. Disponível em: . Acesso em: 17 dez. 2016.

SANTOS, Milton. A aceleração contemporânea: tempo mundo e espaço mundo. In:

______. (Org.) Fim de Século e Globalização. São Paulo: Hucitec, 1993. p. 15-22.

______. A Natureza do Espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: USP, 2006.

SATO, Michèle. De asas de jacarés e rabos de borboletas à construção fenomenológica de uma canoa. In: SATO, Michèle; CARVALHO, Isabel Cristina de Moura (Org.). Educação Ambiental. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 217-236.

______. Clusters da Educação Ambiental: do eu isolado ao nós coletivo. In:

SATO, Michèle et al. Escola, Comunidade e Educação Ambiental: reinventando sonhos, construindo esperanças. Cuiabá: Print, 2013. p. 15-29.

______. Prefácio interpretativo. In: PEREIRA, Vilmar Alves. (Org.). Hermenêutica & Educação Ambiental: no contexto do pensamento pós-metafísico. Juiz de Fora: Garcia Edizioni, 2016. p. 9-12.

SILVA, Fábio Deboni da. Histórico, Classificação e Análise de Centros de Educação Ambiental no Brasil. 2004. 194 f. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais – conservação de ecossistemas florestais). ESALQ/USP Piracicaba, 2004.

SILVA, Michelle Jaber da; SATO, Michèle Tomoko. Territórios em tensão: o mapeamento dos conflitos socioambientais do Estado de Mato Grosso Brasil. Ambiente e Sociedade, São Paulo, v. XV, n. 1, p. 1-28, jan./abr. 2012.

TRAJBER, Rachel; SATO, Michèle. Escolas Sustentáveis: incubadoras de transformação nas comunidades. REMEA Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. especial. set. 2010. Disponível em: . Acesso em: 29 ago. 2015.

WEISSMAN, Hilda. Educación Ambiental nas cidades, nas vilas, nas aldeas. ¿Por que e para que a Educación Ambiental no medio urbán? In: PAZOS, Araceli Serantes et al. (Org.). Educación Ambiental nas Cidades, nas Vilas, nas Aldeas. Coruña: Universidade da Coruña, 2001. p. 7-17.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v35i3.8270

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2018 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.