A educação ambiental do caminhar
The environmental education of walking
La educación ambiental del caminar

Júlio Corrêa de Resende Dias Duarte, Michèle Sato, Araceli Serantes Pazos

Resumo


Diante das desiguldades sociais e das injustiças ambientais, compreendemos que a educação ambiental deve servir como resistência às opressões das sociedades do progresso, bem como contribuir para a criação de novas perspectivas pedagógicas. Para além da educação formal, os aprendizados acontecem nos mais variados espaços e momentos da vida. De fato, as pessoas ensinam e aprendem por meio do diálogo e do compartilhamento de sentidos e experiências no mundo. Partindo deste contexto, este artigo busca interpretar os aprendizados dos caminhantes em longas travessias, por meio de um diálogo epistemológico com a educação ambiental. Com base em uma metodologia fenomenológica de imersão nas experiências, realizamos uma participação observante. Caminhamos por mais 1000 quilômetros pela Serra do Espinhaço, em Minas Gerais, percorrendo variadas rotas e travessias, dialogando com outros caminhantes e residentes. Por meio desta investigação, entedemos que subjaz por detrás destas travessias uma educação ambiental do caminhar, que é propícia à resistência às opressões, à problematização da realidade, ao diálogo entre os povos e ao aprendizado colaborativo. As longas caminhadas são, portanto, em nossa perspectiva, uma alternativa pedagógica que pode contribuir para novas possibilidades sociais e ambientais.

Faced with social inequalities and environmental injustices, we understand that environmental education must be a resistance to the oppressions of progress societies, as well as a contribution to the creation of new pedagogical perspectives. In addition to formal education, learning takes place in the most varied spaces and moments of life. In fact, people teach and learn through dialogue and sharing meanings and experiences throughout the world. Within this context, the article seeks to interpret the learning of walkers in long crossings, through an epistemological dialogue with environmental education. Based on a phenomenological methodology of immersion in the phenomenon, we performed an observant participation. We walked for over a 1000 kilometers through the Serra do Espinhaço, in Minas Gerais, Brasil, crossing several routes, dialoguing with other walkers and residents. Through this research, we underline that behind these crossings lies an environmental education of walking, which helps resistance to oppression, problematization of reality, dialogue between different cultures and also collaborative learning. The long walks are therefore, in our perspective, a pedagogical alternative that can contribute to new social and environmental possibilities.

Ante las desigualdades sociales y las injusticias ambientales, comprendemos que la educación ambiental debe servir como resistencia a las opresiones de las sociedades del progreso, así como contribuir a la creación de nuevas perspectivas pedagógicas. Además de la educación formal, los aprendizajes se desarrollan en los más variados espacios y momentos de la vida. De hecho, las personas enseñan y aprenden a través del diálogo y por compartir los sentidos y las experiencias en el mundo. A partir de este contexto, el artículo busca interpretar los aprendizajes de los caminantes en largas travesías, a través de un diálogo epistemológico con la educación ambiental. Con base en una metodología fenomenológica de inmersión en las experiencias, realizamos una participación observante. Caminamos por 1000 kilómetros por la Serra do Espinhaço, en Minas Gerais, Brasil, recorriendo variadas rutas y travesías, dialogando con otros caminantes y residentes. Por medio de esta investigación, entendemos que hay por detrás de estas travesías una educación ambiental del caminar, que es propicia a la resistencia a las opresiones, a la problematización de la realidad, al diálogo entre los pueblos y al aprendizaje colaborativo. Las largas caminatas son, por lo tanto, en nuestra perspectiva, una alternativa pedagógica que puede contribuir a nuevas posibilidades sociales y ambientales.

Palavras-chave


Educação Ambiental; Travessias a pe; Fenomenologia

Texto completo:

PDF

Referências


BOFF, Leonardo. Ecologia: Grito da Terra, Grito dos Pobres. São Paulo: Ática, 1995.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues Brandão. Comunidades Aprendentes. In: Encontros e Caminhos: formação de educadoras (es) e coletivos educadores. Luiz Antônio Ferraro Júnior, organizador. Brasília, MMA, diretoria de educação ambiental, 2005.

DESCARTES, René. Discurso do método (Tradução: Maria Ermantina Galvão). - São Paulo: Martins Fontes, 1996.

GEERTZ, Cliford. A interpretação das culturas. 1ed. 13a reimpr. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

GONTIJO, Bernardo. A Ilusão do Ecoturismo na Serra do Cipó/ MG - O caso de Lapinha. 2003, 194f. Tese (Doutorado em Educação) Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Sustentável, UNB, Brasília, 2003.

INSTITUTO PAULO FREIRE. Carta da Terra: em direção a mundo sustentável. Instituto Paulo Freire, 2006. Disponível em: http://earthcharter.org/virtual-library2/carta-da-terra/ Acesso em: 24 fev. 2016.

KAWAHARA, Lucia Shiguemi. Currículos Festeiros de águas e outonos: fenomenologia da educação ambiental pós-crítica. 2015, 293f. Tese (Doutorado em Educação) Programa de Pós-Graduação em Educação, UFMT, Cuiabá, 2015.

LE BRETON, David. Elogio del Caminar. Madrid: Siruela, 2015.

MEC. Tratado de educação ambiental para sociedades sustentáveis e responsabilidade global. Brasília, DF: MEC, 1992. Disponível em: [http://portal.mec.gov.br/secad/arquivos/pdf/educacaoambiental/tratado.pdf]

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. Rio de Janeiro: Freitas Barros, 1971.

______. O visível e o invisível. 4 ed. São Paulo: Perspectiva, 2003.

MONTESSORI. Maria. The Montessori method : the origins of an educational innovation, including an abridged and annotated edition of Maria Montessori’s The Montessori method / edited by Gerald Lee Gutek, 2004.

SATO, Michèle. Mas o que é a educação ambiental mesmo? Participação na mesa redonda do II EEEA. Rio Claro: Rede paulista de Educação Ambiental, 2003.

______. Ecofenomenologia: uma janela ao mundo. In: Revista Eletrônica do Mestrado

SATO, Michèle; MEIRA, Pablo; Só os peixes mortos não conseguem nadar contra a correnteza. Revista de Educação Pública, v.14, n.25, 2005.

SATO; PASSOS, 2009. Arte-Educação-Ambiental. In: Ambiente e Educação. Vol. 14. Rio Grande, 2009.

SORRENTINO, M.; TRAJBER, R.; JUNIOR, Luis. Educação Ambiental como Política Pública. In: Educação e Pesquisa, São Paulo, v.31, n.2, p.285-299. 2005.

STEINER, Rudolf. Waldorf education and anthroposophy 1: nine public lectures, February 23, 1921–September 16, 1922.

SUSUKI, D. T. Psicanálise e Zun-Budismo. In: SUSUKI, D. T; FROMM, Erich; MARTINO, Richard. MELLO, Luiz Antonio. Zen-Budismo e Psicanálise. São Paulo: Cultrix, 1960.

THOREAU, Henry David. Caminhada. Lisboa: antígona, 2012.

WILLIGES. Flávio. O que o caminhar ensina sobre o bem-viver? Thoreau e o apelo da natureza. In: CADERNOS IHU Ideias [online]. nº. 271. Volume 16, p. 1-22. 2018.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v35i3.8111

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2018 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.