Educação Ambiental, Sustentabilidade e Justiça Ambiental: Reflexões sobre a injustiça do Agronegócio no Extremo sul do Brasil
Environmental Education, Sustainability and Environmental Justice: Reflections on the injustice of Agribusiness in the extreme south of Brazil
Educación Ambiental, Sostenibilidad y Justicia Ambiental: Reflexiones sobre la injusticia del Agro negoció en el Extremo sur de Brasil

João Paulo Laranjo Velho, Carlos Roberto Machado

Resumo


O artigo argumenta que uma reflexão sobre a sustentabilidade e as atividades de educação ambiental das empresas do agronegócio devem considerar que os objetivos das mesmas são de lucro. Sendo assim, o contexto configurado historicamente de desigualdade ambiental e social existente no extremo sul do Brasil para o qual os conflitos são seus indicadores, bem como a desigual apropriação da riqueza produzida e das terras/territórios e dos impactos negativos destas atividades, deve ser parte integrante de uma reflexão que se proponha de forma crítica e transformadora. Assim, apresentamos argumentos teóricos e conceituais para sustentar o debate sobre o tema bem como servindo de apoio aos dados empíricos de uma dissertação de mestrado.

The article argues that a reflection on sustainability and environmental education activities of agribusiness companies should consider that the objectives of the same are for profit. Thus, the historically configured context of environmental and social inequality that exists in the extreme south of Brazil, for which conflicts are its indicators, as well as the unequal appropriation of wealth produced and land / territory and the negative impacts of these activities, must be part integral part of a reflection that is proposed in a critical and transformative way. Thus, we present theoretical and conceptual arguments to support the debate on the subject as well as supporting the empirical data of a master's thesis.

El artículo argumenta una reflexión sobre la sostenibilidad y las actividades de educación ambiental de las empresas del agro negoció deben considerar que los objetivos de las mismas son el lucro. Siendo así, el contexto configurado históricamente de la desigualdad ambiental y social existente en el extremo sur de Brasil para el cual los conflictos son sus indicadores, así como la desigual apropiación de la riqueza producida y de las tierras / territorios y de los impactos negativos de estas actividades, debe ser parte integrante de una reflexión que se proponga de forma crítica y transformadora. Así, presentamos argumentos teóricos y conceptuales para sostener el debate sobre el tema así como sirviendo de apoyo a los datos empíricos de una disertación de maestría.

Palavras-chave


Educação Ambiental, Sustentabilidade e Agronegócio, Injustiça Ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, Henri. Justiça ambiental - ação coletiva e estratégias argumentativas. In: ACSELRAD, Henri; et al. (Org.) Justiça ambiental e cidadania. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2004.

ACSELRAD, HENRI. Ambientalização das lutas sociais: o caso do movimento por justiça ambiental. In: Estudos Avançados. v. 24. n°. 68. 2010. Disponível em: Acesso em 21 de agosto de 2017.

ACSELRAD, Henri; MELLO, Cecília Campelo Amaral; BEZERRA, Gustavo das Neves. O que é justiça ambiental? Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

ARAUJO, C. F. ; MACHADO, Carlos RS; PASSOS, W. V.; SANTOS, C. F.(2013) Conflitos Ambientais e Urbanos: debates, lutas e desafios. 1. ed. POA: Evangraf, v. 1.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004.

CASTRO, R. S. (Org.). Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

CASTRO, Álvaro Javier Fernándes. A construção da infância Wayúu vítima em Guajira (Colômbia): o discurso colonial que justifica o extrativismo. 2017. 151 f. Dissertação (Mestrado em Educação Ambiental) Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Rio Grande, 2017. Disponível em:

, acesso 10 de novembro de2017.

COSTA, Leila Salles. Mulheres, Educação Ambiental e as lutas por justiça ambiental na Baixada Fluminense (RJ). 2017. 141f. Dissertação (Mestrado em Educação Ambiental) Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Rio Grande, 2017. Disponível em:

, acesso 10 de novembro de 2017.

CHAGAS, Priscilla Borgonhoni. DESENVOLVIMENTO E DEPENDÊNCIA NO BRASIL: reflexos do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) no município do Rio Grande (RS). 2014. 244f.Tese (Doutorado em Administração) Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, Programa de Pós Graduação em Administração, Porto Alegre, 2014. Disponível em: Acesso em 21 de outubro de 2017.

DIAS, Eugênia Antunes, Desculpe o transtorno, estamos em obras para melhor servi-lo! A Educação Ambiental no contexto da apropriação privada da natureza no licenciamento ambiental.2014. 254 f. Tese (Doutorado em Educação Ambiental) Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Rio Grande, 2014. Disponível em: , acesso 10 de novembro de 2017.

EMILIANO, Luis. Los conflictos ambientales como temas generadores em procesos de extension y educacion (ambiental) crìtica em el mediorural, trabajo de conclusión del Curso, Políticas Públicas, Medio Ambiente e Extensio Rural (Maestria Educacion e Extension Rural, Faculdade de Veterinaria, Udelar, outubre/dezembro de 2017).

FERREIRA, Washington. A Poluição Industrial no Mar de Dentro na perspectiva da educação ambiental critica e transformadora. Tese (Doutorado em Educação Ambiental) - Universidade Federal do Rio Grande, 2014

FOLADORI, Guillermo. La Insostenibilidad social Del desarrollo sostenible. In: Revista Portilaria. Vol. 17, nº 2, [p7-20], Huelva, 2006. Disponível em: Acesso em 21 de agosto de 2017.

FOLADORI, Guillermo. Consumo y producción de cultura: dos enfoques contrapuestos en las ciencias sociales.In.: Revista Anales de Antropología. Vol. 29, nº 1. Distrito Federal, México 1992.Disponível em: Acesso em 30 de outubro de 2017.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 19 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.

GERHARDT, Cleyton. Grandes Projetos de Desenvolvimento e a produção estrutural da insustentável desigualdade ambiental: das macroéticas e suas justificações às "entidades satélite". In: Revista Ruris (Campinas). v.8, n.2, 2014. p. 29 - 60. Disponível em: Acesso em 24 de agosto de 2017.

GUIMARÃES, Mauro. A formação de educadores ambientais. Campinas: Papirus (Coleção Papirus Educação) 2007.

GUIMARÃES, Valter Soares. Formação de professores: saberes, identidade e profissão. Campinas, SP: Papirus, 2004

KOTLER, Philip. Administração de Marketing: a Edição do Novo Milênio – 10ª Edição - São Paulo, 1998.

LANDER, Edgardo (comp.) (2000). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas Latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, p. 246.

LEFEBVRE, H. A Re-Produção das relações de produção. Porto: Scorpião, 1973. [1ª parte de La survie Du capitalisme]

LIMA, Gustavo Ferreira da Costa. Crise Ambiental, educação e cidadania: os desafios da sustentabilidade emancipatória. In: LOUREIRO, C. F. B.; LAYRARGUES, P. P.; CASTRO, R. S. (Org.). Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Complexidade e Dialética: Contribuições à Práxis Política e Emancipatória em Educação Ambiental. In: Educação e Sociedade. Campinas: SP, v. 27, n. 94, p. 131-152, jan./abr. 2006.Disponível em: . Acesso em 21 de outubro de 2017.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Educação ambiental e movimentos sociais na construção da cidadania ecológica e planetária. In: LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo; LAYRARGUES, Philippe Pomier; CASTRO, Ronaldo Souza de (Orgs.). Educação Ambiental: repensando o espaço da cidadania. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2002.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. (Org.). A questão ambiental no pensamento crítico: natureza, trabalho e educação. Rio de Janeiro: Quartet, 2007.

MACHADO, Carlos RS (Org.). A (in) sustentabilidade da qualidade e da democracia na educação e no ensino em Rio Grande e São José do Norte (RS, Brasil). Rio Grande: Editora da FURG, 2013. v. 13. 132p.

MACHADO, Carlos Roberto da Silva; SANTOS, Caio Floriano dos; ARAÚJO, Claudionor Ferreira.;[et al...] (org.). Conflitos ambientais e urbanos – debates, lutas e desafios. Porto Alegre: Evangraf, 2013. 280 p.

MACHADO, Carlos Roberto da Silva; MACHADO, Tainara Fernandes. O lobo (o opressor) em pele de cordeiro entre nós (os desiguais e diferentes): Os conflitos em Paulo Freire como contribuição aos processos educativos e produtivos. In: REMEA - Revista do Mestrado em Educação Ambiental. [S.l.], p. 60-78, jun. 2017. Disponível em: .Acesso em 21 março 2017.

MACHADO, Carlos Roberto da Silva; MORAES, Bruno. O conflito como momento de ruptura da hegemonia: reflexões e contribuições a partir de Henri Lefebvre. In: IV EICS: Espaços Públicos, Identidade e Diferenças. Universidade Federal do Pelotas. Pelotas, 2014.

MACHADO, Carlos Rs ET. Alli. Conflitos Socioambientais e Educação Ambiental: Reflexões sobre uma educação para a justiça ambiental. Trabalho apresentado no Congresso da Associação latino Americana de Sociologia, Montevidéu, Uruguai dez. 2017 (trab. enviado aos Anais do Evento, jan. 2018.

MORIN, E. O problema epistemológico da complexidade. 3.ed. Mira-Sintra: Publicações Europa-América, 2002.

OLIVEIRA, Cleiton Luiz Freitas de. No meio do caminho tinha uma escola: a injustiça ambiental decorrente da duplicação da BR-392 (Pelotas - Rio Grande, RS).2016. 140f.Dissertação (Mestrado em Educação Ambiental) Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Rio Grande, 2016. Disponível em:

PASSOS, Wagner Valente dos. REVOLUÇÃO ESTÉTICA E A EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DE OPOSIÇÃO AO FETICHISMO, A ALIENAÇÃO E A IDEOLOGIA CAPITALISTA. Início: 2015. Tese (Doutorado em Educação Ambiental) - Universidade Federal do Rio Grande. (Orientador).

PPGEA. Programa de pós-graduação em Educação Ambiental. Rio Grande: FURG, 2018. http://www.educacaoambiental.furg.br/, acesso 03.03.2018.

PUCCINELLI, Vinicius Ramos. 2016. Educação Ambiental e o participativismo autoritário da preservação: o caso da estação ecológica do Taim e a ecologização dos moradores da vila da Capilha. 2016. 133 f. Dissertação (Mestrado em Educação Ambiental) Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Rio Grande, 2016.

QUIJANO, Aníbal, Cuestiones y horizontes: de la dependencia histórico-estructural a la colonialidad/descolonialidad del poder (2014). Selección a cargo de Danilo Assis Clímaco; con prólogo de Danilo Assis Clímaco. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: CLACSO, Recuperado de http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/se/20140424014720/Cuestionesyhorizontes.pdf.

REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental. Brasília: Editora Brasiliense, 2002.

RODRIGUES, Eron da Silva, O mito justificador da injustiça ambiental no extremo sul do Brasil: introdução ao estudo dos primeiros 100 anos da cidade do Rio Grande. 2017. 108f.Dissertação (Mestrado em Educação Ambiental) Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Rio Grande, 2017. Disponível em:

, acesso 10.11.2017.

SATO, Michèle. Howtheenvironmentiswritten - a study of theutilisation of textbooks in environmentaleducation in Brazil and England. Norwich: 215p. M.Phil. Thesis, School of Environmental Sciences, University of East Anglia, 1992.

SANTOS, Caio Floriano dos, O porto e a desigualdade ambiental em Rio Grande (RS/Brasil): a educação ambiental na gestão "empresarial dos riscos sociais" e "social do território".2016. 256f.Tese(Doutorado em Educação Ambiental)

Programa de Pós-Graduação em Educação Ambiental, Universidade Federal do Rio Grande – FURG, Rio Grande, 2016. Disponível em:, acesso 10.11.2017.

SANTOS, Caio Floriano dos; GONÇALVES, Leonardo Dorneles; MACHADO, Carlos Roberto da Silva.EDUCAÇÃO AMBIENTAL PARA JUSTIÇA AMBIENTAL: DANDO MAIS UNS PASSOS, in: REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental.

[S.l.], v. 32, n. 1, p. 189-208, ago. 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 janeiro de 2018.

SVAMPA, Maristela. Consenso das Commodities, giro ecoterritorial y pensamiento crítico em América Latina. Revista OSAL – Observatorio Social de América Latina, recuperado de http://biblioteca.clacso.edu.ar/clacso/osal/20120927103642/OSAL32.pdf. .

SVAMPA, Maristela. DEBATES LATINO AMERICANOS – indianismo, desarrollo, dependencia y populismo (2016). ARGENTINA: Ensayo EDHASA, [cap.2, Debates sobre el desarrollo, p.367-401].




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v35i3.7875

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2018 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.