Representações sociais de ambiente de professores, funcionários e alunos numa escola privada de Pitanga – PR

Marcos Freitas, Daniel Mazurek, Adriana Massaê Kataoka, Ana Lucia Suriani Affonso

Resumo


A presença da Educação Ambiental (EA) no âmbito formal tem acontecido por meio de intervenções como palestras, oficinas e atividades de sensibilização. Essa pesquisa ocorreu num colégio de Pitanga (Paraná) em 2014 e visou investigar, a concepção de meio ambiente, EA e a percepção dos sujeitos sobre a presença da EA na vida escolar e pessoal. Adotou-se os preceitos da abordagem qualitativa e os sujeitos da pesquisa foram professores, funcionários e alunos do colégio. Os resultados revelaram que a concepção de ambiente naturalista predomina no grupo de professores e alunos. No que se refere à concepção de EA, professores e alunos a associaram a gestão de recurso, necessitando de uma maior criticidade. Por outro lado, os resultados obtidos junto aos funcionários evidenciaram concepções socioambientais da EA. Esses resultados podem servir de base para o planejamento das ações a serem implantadas nos estabelecimentos escolares.

The presence of Environmental Education (EA) in the formal environment has been through interventions such as lectures, workshops and awareness activities. This research was carried out at a school in Pitanga (Paraná) in 2014 and aimed to investigate the conception of the environment, EA and the subjects' perception of the presence of EE in school and personal life. The precepts of the qualitative approach were adopted and the subjects of the research were teachers, employees and students of the college. The results revealed that the naturalist conception predominates in the group of teachers and students. With regard to the conception of EE, teachers and students associated it with resource management, requiring a greater criticality. On the other hand, the results obtained from the employees showed socioenvironmental conceptions of EE. These results can serve as a basis for planning the actions to be implemented in schools.

La presencia de la Educación Ambiental (EA) en el ámbito formal ha ocurrido por medio de intervenciones como conferencias, talleres y actividades de sensibilización. Esta investigación se produjo en un colegio de Pitanga (Paraná) en 2014 y tuvo como objetivo investigar, la concepción del medio ambiente, la EA y la percepción de los sujetos sobre la presencia de la EA en la vida escolar y personal. Se adoptaron los preceptos del enfoque cualitativo y los sujetos de la investigación fueron profesores, funcionarios y alumnos del colegio. Los resultados revelaron que la concepción del ambiente naturalista predomina en el grupo de profesores y alumnos. En lo que se refiere a la concepción de EA, profesores y alumnos la asociaron a la gestión de recursos, necesitando una mayor criticidad. Por otro lado, los resultados obtenidos en los empleados evidenciaron concepciones socioambientales de la EA. Estos resultados pueden servir de base para la planificación de las acciones a ser implantadas en los establecimientos escolares.

Palavras-chave


representações sociais; educação ambiental; meio ambiente.

Texto completo:

PDF

Referências


ARAÚJO, Monica Lopes Folena; OLIVEIRA, Maria Marly de. Formação de professores de biologia e Educação Ambiental: contribuições, deficiências e estratégias. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v. 20, p. 256-273, jan./jun. 2008.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70. 1977.

BOER, Noemi; SCRIOT, Iassana. Educação Ambiental e formação inicial de professores: ensino e concepções de estudantes de pedagogia. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v. 26, p. 46-60, jan./jun. 2011.

BRASIL. Lei nº 6938, de 31 de agosto de 1981. Política Nacional do Meio Ambiente. Brasília, Disponível em: . Acesso em: 02 abr. 2016.

BRASIL. Lei nº 9795, de 27 de abril de 1999. Lei da Educação Ambiental. Brasília, 27 abr. 1999. Disponível em: . Acesso em: 06 abr. 2016.

BRASIL. RESOLUÇÃO Nº 2, DE 15 DE JUNHO DE 2012, que estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. DOU nº 116, Seção 1, págs. 70-71 de 18/06/2012.

BRÜGGER, Paula. Educação ou adestramento ambiental. Letras Contemporâneas, 1999.

CARNEIRO, Sônia Maria Marchiorato. Formação inicial e continuada de educadores ambientais. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v. especial, p. 56-70, dez. 2008.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004.

COSTA, Ronaldo Gonçalves de Andrade. Um olhar crítico sobre a Educação Ambiental na formação de professores em uma instituição de ensino superior gaúcha. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v. 22, p. 177-187, jan./jul. 2009.

COSTA, Márcio Tavares; FARIAS, Mariseti Tibinkowski Costa; ALMEIDA, Siderly do Carmo Dehle de. Perspectivas da Educação Ambiental na Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Educação Ambiental (RevBEA), v. 9, n. 2, p. 200-213. 2014.

DINIZ, Jean Carlos Araújo Diniz; CHAGAS, Flomar Ambrosina Oliveira Chagas. A educação ambiental na formação inicial de professores de Física do IFG e de professores de Ciências Biológicas e de Física da UFG. Cadernos de Educação Tecnologia e Sociedade, Inhumas, v. 5, p. 221-234, 2014.

FERNANDEZ, Fernando Antônio dos Santos. Subindo nos ombros de gigantes: os heróis da fascinante aventura intelectual de uma ciência chamada Ecologia. In: PETRY, Ana Cristina Petryi; PELICICE, Fernando Mayer; BELLINI, Luzia Marta (orgs.). Ecólogos e suas histórias: um olhar sobre a construção das ideias ecológicas. Maringá: Eduem, 2010.

FLICK, Uwe. Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2004.

GUIMARÃES, Mauro. A Dimensão Ambiental na Educação. 4ed. Campinas/SP: Papirus, 2002.

GUIMARÃES, Mauro. Educação ambiental crítica. Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, p. 25-34, 2004.

GUIMARÃES, Mauro. Educação Ambiental: No consenso um embate? Campinas/SP: Papirus, 2007.

GUIMARÃES, Simone Sendin Moreira; INFORSATO, Edson do Carmo. Educação Ambiental e formação de professores de biologia no município de Piracicaba/SP. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, Rio Grande, v. 25, p. 315-329, jul./dez. 2010.

LEFÈVRE, Fernando; LEFÈVRE, Ana Maria Cavalcanti. Os novos instrumentos no contexto da pesquisa qualitativa. In: LEFÈVRE, Fernando; LEFÈVRE, Ana Maria Cavalcanti; O discurso do sujeito coletivo: uma nova abordagem metodológica (desdobramentos). Caxias do Sul: EDUSC, 2000.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Trajetória e Fundamentos da Educação Ambiental. 4. Ed. São Paulo :Cortez 2012.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Educação ambiental crítica: contribuições e desafios. In: MELLO, Soraia Silva de; TRAJBER, Rachel. Conceitos e práticas em educação ambiental na escola. Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental: Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental: UNESCO, 2007.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da percepção. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Ciência, técnica e arte: o desafio da pesquisa social. Pesquisa social: teoria, método e criatividade, v. 23, p. 9-29, 1994.

MORIN, Edgar. Introdução ao pensamento complexo. 4 ed. Porto Alegre: Sulina, 2011.

MOSCOVICI, Serge. Representações Sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Editora Vozes, 2003.

OLIVEIRA, Nilza Aparecida da S. Educação ambiental e a percepção fenomenológica, através de mapas mentais. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado de Educação Ambiental, Rio Grande, v. 16, p. 32-46. Jan./jun.j2006.

REIGOTA, Marcos. Meio Ambiente e Representação Social. São Paulo: 3ª Ed. Cortez, 1998.

REIGOTA, Marcos. Meio ambiente e representação social. Coleção Questões de Nossa Época, Vol.41, Cortez Editora, 2002.

REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 2009.

ROSA, Luciene Gonçalves; LEITE, Valderi Duarte; SILVA, Monica Maria Pereira da. Concepção de ambiente e educação ambiental de educadores e educadoras de uma escola de formação inicial em pedagogia, nível médio. REMEA-Revista Eletrônica do Mestrado de Educação Ambiental, Rio Grande, v. 18, p. 244-259. Jan./ jul. 2007.

SANTOS, R. S. Educação Ambiental, Zoneamento Ecológico-Econômico e planejamento em áreas urbanas. In: Fórum de Educação Ambiental/Encontro da Rede Brasileira de EA, IV, 1997, Rio de Janeiro. Anais Organização Associação Projeto Roda Viva, Instituto Ecoar para a Cidadania, Instituto de Estudos Sócio-Econômicos – Inesc. 1997. p. 123-128.

SATO, Michele. Educação ambiental. São Carlos: RiMa, 2003.

SAUVÉ, Lucie. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SATO, Michèle; CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 17-44.

SILVA, Monica Maria Pereira da. Extensão universitária e educação ambiental: uma década buscando o caminho para o resgate do elo perdido. In: CARNEIRO, Maria Aparecida Barbosa; SOUZA, Maria Lindaci Gomes; FRANÇA, Inácia Sátiro Xavier de (Orgs). Extensão Universitária: espaço de inclusão, formação e socialização do conhecimento. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2009.

TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos. A Pesquisa-ação participativa e a Educação Ambiental: uma parceria construída pela identidade teórica e metodológica. In: TOZONI-REIS, Marília Freitas de Campos (org.) A Pesquisa-ação-participativa em Educação Ambiental: reflexões teóricas. São Paulo: AnnaBlume/Fundibio/Fapesp, 2007.

VASCONCELLOS, Hedy Silva Ramos de; SPAZZIANI, Maria de Lourdes; GUERRA, Antonio Fernando Silveira; FIGUEIREDO, João Batista de Albuquerque. Espaços educativos impulsionadores da educação ambiental. Cadernos Cedes, p. 29 - 47. 2012.

WOLLMANN, Ediane Machado; SOARES, Félix Alexandre Antunes; ROSSI, Daniela Sastre; LIMA, Ana Paula Santos de. A formação de professores para a inserção da prática ambiental: um relato de experiência. ETD – Educação Temática Digital, Campinas, v. 16, n. 3, p. 532-550, set./dez. 2014.

ZAMPIERON, Sonia Lúcia Modesto; FAGIONATO, Sandra; RUFFINO, Paulo Henrique Peira. Ambiente, Representação Social e Percepção. In: SCHIEL, Dietrich; MASCARENHAS, Sérgio; VALEIRAS, Nora; SANTOS, Silvia A. M. (Org.). O estudo de bacias hidrográficas: uma estratégia para educação ambiental. São Carlos: Ed. RiMa. 2ª ed. 2003.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v0i0.7304

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2017 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.