Avaliação de materiais educativos sobre recursos hídricos

Daniel Shimada Brotto, Danielle Alves Leão

Resumo


As questões ambientais vêm sendo discutidas em todos os âmbitos em face do atual quadro de degradação, principalmente no que concerne aos recursos hídricos. A educação ambiental, nesse sentido, deve ser ressaltada como elemento fundamental para a transformação da sociedade, viabilizando o desenvolvimento de uma nova ética, sendo imprescindíveis os materiais educativos (ME). O presente trabalho avaliou ME sobre recursos hídricos produzidos por órgãos governamentais, empresas, organizações não governamentais, instituições filantrópicas e outros, tanto documentos impressos quanto digitais. Foram avaliados 52 documentos, com o objetivo de se identificar as relações entre suas modalidades, desenvolvedores, público alvo, propósitos e as características do documento. Observando-se que a maior parte dos materiais avaliados ignora particularidades dos públicos alvo, se caracterizando por uma abordagem pragmática, especialmente nos produzidos por instituições governamentais, que invariavelmente, visam atitudes individuais, para a economia de água. Salienta-se, que existe a urgência de que se desenvolvam pesquisas que abordem os recursos hídricos pela ótica da educação ambiental. Entendendo aqui a educação ambiental como um processo político que habilite o cidadão ao protagonismo no meio em que vive.

Los problemas ambientales vienen siendo discutidos en todos los ámbitos frente al actual cuadro de degradación, principalmente en lo que concierne a los recursos hídricos. La educación ambiental, en ese sentido, debe ser resaltada como elemento fundamental para la transformación de la sociedad, viabilizando el desarrollo de una nueva ética, siendo imprescindibles los materiales educativos (ME). El presente trabajo evaluó ME sobre recursos hídricos producidos por organismos gubernamentales, empresas, organizaciones no gubernamentales, instituciones filantrópicas y otros, tanto documentos impresos como digitales. Se evaluaron 52 documentos, con el objetivo de identificar las relaciones entre sus modalidades, desarrolladores, público objetivo, propósitos y las características del documento. Se observa que la mayoría de los materiales evaluados ignoran las particularidades de los públicos objetivo, caracterizándose por un enfoque pragmático, especialmente en los producidos por instituciones gubernamentales, que invariablemente, apuntan a actitudes individuales, para la economía de agua. Se destaca que existe la urgencia de que se desarrollen investigaciones que aborden los recursos hídricos por la óptica de la educación ambiental. Entendiendo aquí la educación ambiental como un proceso político que habilite al ciudadano al protagonismo en el medio en que vive.

Environmental issues have been discussed at all levels in face of the current environmental degradation scenario, especially regarding to water resources. Environmental education, in this sense, must be emphasized as a fundamental element for the transformation of society, making possible the development of a new ethic, being indispensable the educational materials (ME). The present study evaluated ME about water resources produced by government agencies, companies, nongovernmental organizations, philanthropic institutions and others, both printed and digital documents. Fifty-two documents were evaluated, with the objective of identifying the relationships between their modalities, developers, target public, purposes and the characteristics of the document. It is observed that most of the evaluated materials ignore particularities of the target audiences, being characterized by a pragmatic approach, especially those produced by governmental institutions, which invariably aim for individual attitudes, for the water economy. It is stressed that there is an urgent need to develop research that addresses water resources from the perspective of environmental education. Understanding environmental education as a political process that enables the citizen to play a leading role in the environment in which he lives.

Palavras-chave


Recursos hídricos, materiais educativos, educação ambiental, cartilhas

Texto completo:

PDF

Referências


BACCI, D. de La Corte; PATACA, E. M. Educação para a água. Estud. av., São Paulo, v. 22, n. 63, p. 211-226, 2008.

BACELAR, B.M.F. et al. Metodologia para elaboração de Cartilhas em Projetos de Educação Ambiental em Micro e Pequenas Empresas. [Informativo técnico]. 2009.

BAGNOLO, C.M. Empresariado e ambiente: algumas considerações sobre a educação ambiental no espaço escolar. Ciência & Educação, Bauru, SP. v.16, n.2, p. 401-413, 2010.)

BEIDACK, A.R.S.; LIMA, R.M. Educação ambiental em áreas de preservação: um estudo do parque estadual Mata do Godoy. p. 209-259. In: CALVENTE, M.D.C.H; ARCHELA, R.S.; GRATÃO, L.H (orgs.). Múltiplas geografias: ensino, pesquisa, reflexão. v. IV, Londrina: Humanidades, 2007.

BORN, R.H. Articulação do capital social pelo movimento ambientalista para a sustentabilidade do desenvolvimento no Brasil: In: TRIGUEIRO, A.. Meio Ambiente no Século 21: 21 especialistas falam da questão ambiental nas áreas de conhecimento. 5 ed., Rio de Janeiro: Sextante, 2008.

BOTO, Carlota Malta Cardozo dos Reis. Ler, escrever, contar e se comportar: a escola primária como rito do século XIX português (1820-1910) São Paulo: Universidade de São Paulo, 1997, p.650. VI e VII.

__________. Aprender a ler entre cartilhas: civilidade, civilização e civismo pelas lentes do livro didático. Educação e Pesquisa. São Paulo. v.30, n.3, p.493-511, set/dez.2004.

BRAGA, A. R. A influência do Projeto “A formação do professor e a Educação Ambiental” no conhecimento, valores, atitudes e crenças nos alunos no Ensino Fundamental. Dissertação de mestrado. Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 243p, 2003.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Lei Nº 9795 de 1999 – PNEA. Brasília. Acessado em 14 de setembro de 2015.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais. Ministério da Educação e do Desporto (MEC). Secretaria de Educação Fundamental.1998.

BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE 2010.

BUSS PM. Uma introdução ao Conceito de Promoção da Saúde. In: CZERESNIA D, FREITAS C.M. Promoção da Saúde - conceitos, reflexões, tendências. Rio de Janeiro: Fiocruz; 2003. p.15-37.

CINTRA, A. M. M. et. al. Para entender as linguagens documentárias. São Paulo: Pólis, 92 p., 2002.

FAUSTO-NETO, A. Percepções acerca dos campos de saúde e da comunicação. In: PITTA, A.M.R. (Org.) Saúde e Comunicação: Visibilidade e Silêncios. São Paulo: Editora Hucitec/Rio de Janeiro: Abrasco, p. 267-9, 1995.

FONSECA, V. M. Degradação Ambiental e exclusão social: interfaces de um problema da cidade (e da sala de aula). II Simpósio Internacional sobre Cidades Médias. Universidade Federal de Uberlândia, Minas Gerais, 2006.

FREIRE, P. Ação cultural para a liberdade e outros escritos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 46 p., 1987.

FREIRE, P. Formação de professores. São Paulo. UNESP, 1998.

GADOTTI, M. Saber aprender: um olhar sobre Paulo Freire e as perspectivas atuais da educação. In: LINHARES, C. & TRINDADE, M. N. (Org.). Compartilhando o mundo com Paulo Freire. São Paulo: Cortez, 2003.

GOMES, M. A. F.; PEREIRA, F. C. Água no Século XXI Desafios e Oportunidades. Ecodebate, jun. 2012.

GUIMARÃES, M. Educação ambiental: no consenso um embate? 5. ed. São Paulo: Papirus, 2007.

JACOBI, P.R.; GUERRA, A.F.S; NEPOMUCENO, T. Mudanças Climáticas Globais: a Resposta da Educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v.16, n.46, p.135-148, jan/abr. 2011.

KAPLÚN, G. Material educativo: a experiência de aprendizado. Comunicação & Educação, Brasil, n. 27, p. 46-60, 2003.

LUZ, M.P.; PIMENTA, D.N.; RABELLO, A.; SCHALL, V.T. Avaliação de material informativo sobre leishmanioses distribuído no Brasil: critérios e subsídios para a elaboração e o aperfeiçoamento de materiais educativos para a saúde. Cadernos de Saúde Pública, 2003, v. 19, n. 2, p. 561-9.

MOISÉS, M. A literatura brasileira através dos textos. São Paulo: Cultrix, 1971.

MOZDZENSKI, L. P. A cartilha jurídica: aspectos sócio históricos, discursivos multimodais. Dissertação de Mestrado em Letras e Linguística, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.

PIPITONE, M.A.P.; NOSSLLALA, S.K. O Desenvolvimento da Educação Ambiental no Ensino fundamental: a participação dos programas oficiais. REMEA, Revista Eletrônica do Mestrado em educação Ambiental. FURG. v.25, jun/dez 2010.

REBOUÇAS, A. Água subterrânea – fonte mal explorada no conhecimento e na sua utilização. Água em Revista: Revista Técnica e Informativa da CPRM. n.8, p.84-7, 1997.

SAMPAIO, R. Propaganda de A à Z. Rio de Janeiro: Elsevier, 2003.

SAVIANI, D. Pedagogia Histórico-Crítica: Primeiras aproximações. São Paulo: Cortez, 1991.

______. História das Ideias Pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2007.

SCHLICKMANN, M.S.P. As cartilhas no processo de alfabetização. Linguagem em Discurso. Santa Catarina: Tubarão, v. 2, n. 1, p. 143-158, 2001.

VESENTINI, J. William, et al. Geografia Crítica.31º. Ed. São Paulo: Ártica, 2004.

VIANNA, T.F. A sexualidade em cartilhas educativas oficiais: uma análise cultural. Monografia de bacharel em Ciências biológicas, Centro de Ciências Biológicas, Universidade Federal de Santa Catarina: Florianópolis, 70 p., 2008.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v34i3.7182

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2017 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.