Decolonizar o pensamento: apontamentos e entrelaçamentos epistêmicos com a Educação Ambiental

Martha Ferreira Tristão, Rosinei Ronconi Vieiras

Resumo


A Educação Ambiental vem produzindo uma narrativa sobre o que é importante considerar em suas análises e as especificidades do lugar em suas relações com a cultura local. Este artigo traz elementos sobre a emergência de uma abordagem pós-colonial para se repensar esses e outros aspectos da Educação Ambiental. As inferências diretas as dicotomias, aos esssencialismos e as dogmatizações problematizam os efeitos da colonialidade seguida da modernidade, com referência à Educação Ambiental. O modo “menor” de vida se constitui em uma variação contínua, um devir criativo de desvio de uma constante, logo numa pluralidade singular de práticas que se verificam nos modos de existência, nas relações com o lugar, com as culturas, com as narrativas produzidas, enfim em suas diferentes maneiras descolonizadoras de se relacionar com o Outro.

Environmental Education has produced a narrative in which it is important to consider in its analyzes and the specificities of the place in its relations with the local culture. This article presents elements on the emergence of a postcolonial approach to rethink these and others aspects to Environmental Education. Direct inferences to dichotomies, to essentialisms and dogmatizations problematize the effects of coloniality followed by modernity to rethink environmental education. The "minor" way of life is constituted as a continuous variation, a creative becoming of the deviation of a constant, thus in a singular plurality of practices that are verified in the modes of existence, in the relations with the place, with the cultures, with the narratives produced in their different decolonizing ways of relating to the other.

Palavras-chave


Abordagem pós-colonial; Modernidade; Descolonização; Modos de existência

Texto completo:

PDF

Referências


BALLESTRIN, Luciana. América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de Ciência Política, Brasilia, n.11,p. 89-117, maio/ago. 2013.

BARONI, Patrícia Raquel. Sustentabilidades praticadas pensadas: lampejos de pirilampos das escolas de dificílimo acesso de Duque De Caxias/Rj. 2016. Tese (Curso de Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2016.

DELEUZE, Gilles. Mil platôs: capitalismo e esquizofrenia. Tradução de Ana Lucia de Oliveira e Lucia Cláudia Leão. São Paulo: Editora 34, 2011a. v. 2.

GROSFOGUEL, Ramón. Descolonizar as esquerdas ocidentalizadas: para além das esquerdas eurocêntricas rumo a uma esquerda transmoderna descolonial. Traduçaõ de Larissa Pelúcio. Revista Contemporânea, UFSCAR, v. 2, n. 2, p. 337-362, jul/dez. 2012.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Tradução de Resende, Adelaine La Guardia et al. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

LATOUR, Bruno. Jamais fomos modernos. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1994.

LATOUR, Bruno. Políticas da natureza: como fazer ciência na democracia. Bauru, SP: Edusc, 2004.

MALDONADO-TORRES, Nelson. A topologia do ser e a geopolítica do conhecimento: modernidade, império, colonialidade. In: SANTOS, Boaventura Souza.; MENESES, Maria Paula. (Org.). Epistemologia do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais / projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2003.

_____. Decolonialidade como o caminho para a cooperação. IHU On-Line, Rio Grande do Sul, n. 431, 2013. Disponível em http://www.ihuonline.unisinos.br/index.php?option=com_content&view=article&id=5253&secao=431>. Acesso em: 5 de abr. 2016.

_____. Os esplendores e as misérias da “ciência”: colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluri-versalidade epistêmica. In: SANTOS, Boaventura de Souza (Org.). Conhecimento prudente para uma vida decente: um discurso sobre as ciências revisitado. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

QUIJANO, Aníbal. “Colonialidad del poder y clasificación social”. Journal of world-systems research, v. 11, n. 2, p. 342-386, 2000.

QUIJANO, Anibal. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, Boaventura Souza.; MENESES, Maria Paula. (Org.). Epistemologia do Sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. Revista Crítica de Ciências Sociais (on-line). 2007. Diponível em: http://rccs.revues.org/753 ; DOI : 10.4000/rccs.753. Acesso em: 5 abr. 2016.

SANTOS, Boaventura de Sousa; MENESES, Maria Paula (Org.). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010.

______. A Crítica da razão indolente: Contra o Desperdício da Experiência. 8. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

_______. Um discurso sobre as ciências. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2004.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra Regina Goulart Almeida, Marcos Pereira Feitosa e André Pereira Feitosa. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2010.

TRISTÃO, Martha. A educação e o pós-colonialismo. Revista de Educação Pública, Cuiabá, v. 23. n. 53/2, p. 473-489, maio/ago. 2014.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v0i0.7145

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2017 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.