A contribuição da complexidade de Morin para as pesquisas em Educação Ambiental

Daniele Saheb, Daniela Gureski Rodrigues

Resumo


A formação inicial e continuada de educadores ambientais tem sua história marcada pela fragmentação do conhecimento e o determinismo da ciência. A Complexidade defendida por Edgar Morin traz em si o desafio de outra forma de pensamento e, por consequência, implicações importantes na formação de educadores ambientais. Nesta linha de pensamento, o presente trabalho consiste em aprofundar a Educação Ambiental (EA) sob o enfoque da Complexidade, dada a necessidade de se reforçar a ideia de que as questões sociais e ambientais se encontram imbricadas em sua gênese e que as consequências manifestam essa interposição em sua concretude, das partes para o todo e do todo para as partes, como propõe Morin (2001). Para tanto este artigo apresenta uma revisão sistemática sobre a contribuição dos estudos da complexidade para as pesquisas em EA. Foram analisados 6 artigos publicados entre 2001 e 2015 pela Revista Eletrônica do Mestrado em EA. Os elementos verificados foram classificados em três categorias: contribuição para o campo epistemológico da EA; superação da crise paradigmática e a construção do pensamento ecologizante. Constatou-se a contribuição da Complexidade principalmente para a construção do campo epistemológico e da identidade da EA nas pesquisas realizadas.

The professional development of environmental educators have your history paved by fragmentation of knowledge and greater science. A complexity of knowledge (Complexidade) proclaimed by Edgar Morin brings the challenge of another way of thinking and as an important consequences result at environmental teacher’s development. By this way, the present article has a goal to develop the Environmental Education (Educação Ambiental - EA) on the complexity focus given, the necessity to reinforce the intent that some socials question is imbricated in his genesis and its consequences express that in the reality of his history, otherwise by the parts to the total and the total to the parts, as Morin proposes. Toward that article presents a systematic review on the complexity study contribution to the research of EA. For that study 6 articles published between 2001 and 2015 was analyzed by the master degree electronic magazine in EA. The results of that research was compiled in three ranks: contribuição para o campo epistemológico da EA; superação da crise paradigmática e a construção do pensamento ecologizante. By the way, it was veryfied the contribution of Complexity mostly to the construction of the epistemological field and identity of EA on the reaches realized.

Palavras-chave


Educação Ambiental; Complexidade; Morin; Revisão sistemática

Texto completo:

PDF

Referências


ARRIAL, Luciana Roso, CALLONI, Humberto. Concepções de ética e de solidariedade: anúncios de uma epistemologia da complexidade para a educação ambiental. Revista eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. Rio Grande do Sul, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v. 32, 129-142, julho a dezembro de 2015.

AUGUSTO, André Vinícius Lima, et.al. Busca da identidade epistemológica da educação ambiental: a contribuição do pensamento complexo de Edgar Morin. Revista eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental.Rio Grande do Sul, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v. 16, 107-119, janeiro a junho de 2006.

BRASIL. Diretrizes curriculares nacionais para a Educação Ambiental. Brasília: MEC/CNE, 2012.

______. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Básica. Política Nacional de Educação Infantil: pelo direito das crianças de zero a seis anos à educação. Brasília, 2005. Disponível em: . Acesso em: julho. 2016.

_______. Parâmetros Curriculares Nacionais: meio ambiente. Brasília: MEC/SEF, 1996.

BARENHO, Cíntia Pereira; COPERTINO, Margareth; CALLONI, Humberto. Traçando relações entre o conhecimento ecológico tradicional e a teoria da complexidade. Revista eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. Rio Grande do Sul, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v. 20, 477-487, janeiro a junho de 2008.

BIGLIARD, Rossane Vinhas; CRUZ, Ricardo Gauterio. A teoria da complexidade como base para o enfrentamento da crise ambiental e da racionalidade teórico instrumental. Revista eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental.Rio Grande do Sul, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v. 15, 149-156, julho a dezembro de 2005.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura, Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. São Paulo: Cortez, 2004.

CONFERÊNCIA das Nações Unidas. Declaração de Estocolmo sobre o ambiente humano. Estocolmo: ONU, 1972. Disponível em Acesso em: 01 de set. 2016.

DECLARAÇÃO DE TBILISI. Global Development Research Center. Geórgia: ONU, 1977. Disponível em: . Acesso 6 de set. 2016.

DIAS, Genebaldo Freire. Educação ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 2001.

DICKMANN, Ivo. Contribuições do pensamento pedagógico de Paulo Freire para a educação ambiental a partir da obra pedagogia da autonomia. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Paraná, junho de 2010.

DINIZ, Edna Maria; TOMAZELLO, Maria G. Carneiro. Pedagogia da complexidade e o ensino de conteúdos atitudinais na educação ambiental. Revista eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental.Rio Grande do Sul, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v. 15, 80-93, julho a dezembro de 2005.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. Para que a educação ambiental encontre a educação. In: LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e fundamentos da educação ambiental. São Paulo: Cortez, 2004.

LEFF, Enrique. Educação ambiental e desenvolvimento sustentável. In REIGOTA, Marcos (org.). Verde cotidiano: o meio ambiente em discussão. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

LEITE, Aquino; MININNI-MEDINA, Nana. (Coord.). Educação ambiental: curso básico à distância: questões ambientais: conceitos, história, problemas e alternativas. Brasília, DF: MMA, 2000.

LUIZARI, Rosa Acácia; SANTANA, Luiz Carlos. Educação Ambiental e epistemologia da complexidade. Revista eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental. Rio Grande do Sul, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, v. 18, 45-57, janeiro a junho de 2007.

MORAES, Maria Cândida. Pensamento eco-sistêmico: educação, aprendizagem e cidadania no século XXI. Petrópolis: Vozes, 2008.

MORALES, Angélica Gois. Formação do profissional educador ambiental: reflexões, possibilidades e constatações. Ponta Grossa: Ed. UEPG, 2012.

MORIN, Edgar. A cabeça bem feita: repensar a reforma reformar o pensamento. 8a ed. -Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003.

_________. Complexidade e transdisciplinaridade: a reforma da universidade e do ensino fundamental. Natal: EDUFRN, 1999.

_______. Ciência com consciência. 6 ed. (Trad. Maria D. Alexandre e Maria Alice S. Dória). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

__________. Educar na era planetária: o pensamento complexo como método de aprendizagem no erro e incerteza humana. São Paulo: Cortez; Brasília: UNESCO, 2009.

____________. Os sete saberes necessários à educação do futuro. São Paulo: Cortez, 2001.

PETRAGLIA, Isabel; FORTUNATO, Ivan. Epistemologia e práticas em educação ambiental: uma aproximação pelo pensamento complexo. In: MAGALHÃES, S. M. O. Formação de professores: elos da dimensão complexa e transdisciplinar. Goiânia: Ed. da PUC Goiás, Liber Livro Editora, 2012.

_________________. Edgar Morin: a educação e a complexidade do ser e do saber. Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

PIVA, Adriana. A apropriação do pensamento de Edgar Morin na pesquisa em educação ambiental no Brasil. Belo Horizonte, 2005. Dissertação de Mestrado em Educação da Faculdade de Educação da UFMG.

PRIGOGINE, LIya; Stengers, Isabelle . A Nova Aliança. Gradiva, 1987.

REIGOTA, Marcos. Meio ambiente e representação social. São Paulo: Cortez, 1995.

SAUVÉ, Lucie. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SATO, M., CARVALHO, I. (Orgs.). Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed. p. 17-44. 2005.

UNESCO. Carta de Belgrado. Iugoslávia: UNESCO, 1975.

SAMPAIO, Rosana Ferreira; MANCINI, Marisa Cotta. Estudos de revisão sistemática uma guia para síntese criteriosa da evidência científica. Ver. Bras. Fisioter. São Carlos, v. 11, n.1, p. 83-89, fev. 2007.

THOMAS, J. R.; NELSON, J. K.; SILVERMAN, S. J. Métodos de pesquisa em atividade física. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2012.

VIÉGAS, Aline. Educação ambiental e complexidade: uma análise a partir do contexto escolar. Rio de Janeiro: UFRJ, 2010.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v0i0.7139

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2017 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.