Educação Ambiental crítica aplicada à compreensão dos problemas da Terra Indígena Lagoa da Encantada: proposições no âmbito escolar a partir da percepção dos membros-chave da etnia Jenipapo Kanindé, Aquiraz, Ceará – Brasil

Aline Neris de Carvalho Maciel, Francisco Otávio Landim Neto, Edson Vicente da Silva

Resumo


O presente artigo objetivou analisar como o povo Jenipapo Kanindé, da Terra Indígena (TI) Lagoa da Encantada (Aquiraz, Ceará), compreende a Educação Ambiental (EA). Para tanto, foram realizadas entrevistas semi-estruturadas com membros-chave da comunidade e escolhida a escola local como ambiente favorável à EA crítica. Adotou-se uma adaptação das “Fases de Planejamento e Gestão Ambiental” estabelecidas por Rodriguez e Silva (2013) como percurso metodológico e a divisão da EA definida por Layrargues e Lima (2014) para categorizar as respostas dos entrevistados. Percebeu-se que a etnia possui uma visão não crítica da EA, desde sua conceituação até suas possibilidades de atuação no combate aos problemas existentes na TI. Por fim, estabeleceram-se proposições em EA crítica, com foco na educação indígena diferenciada que é promovida na escola local.

O presente artículo objetiva analizar como el pueblo Jenipapo Kanindé, de la Tierra Indígena (TI) Lagoa da Encantada (Aquiraz, Ceará), percibe la a Educación Ambiental (EA). Para tanto, fueron realizadas entrevistas semiestructuradas con integrantes clave de la comunidad y definida la escuela local como ambiente favorable a la EA crítica. Fueron adoptadas y adaptadas las “Fases de Planeamiento y Gestión Ambiental” establecidas por Rodriguez y Silva (2013) como recorrido metodológico y la división de la EA definida por Layrargues y Lima (2014) para categorizar las respuestas de los entrevistados. Fue constatado que la etnia tiene una visión no crítica de la EA, desde su conceptuación hacia sus posibilidades de actuación en el combate a los líos existentes en la TI. Al final, son hechas propuestas en EA crítica, mirando la educación indígena diferenciada que es promovida en la escuela local.

The present paper aimed to analyze how the Jenipapo Kanindé people of the Indian Land (IL) Lagoa Encantada (Aquiraz, Ceará) understands Environmental Education (EE). To do so, semi-structured interviews were applied to key members of the community and a local school was chosen as a place favorable to critical EE. An adaptation of “Phases of Environmental Planning and Management” by Rodriguez and Silva (2013) and the classification of EE defined as in Layrargues and Lima (2014) were adopted as a methodological pipeline and to categorize the respondents’ answers, respectively. It was realized that the ethnic group has a non-critical perception of EE, starting from its conceptualization to taking possible measures to fight against the ongoing problems in the IL. Finally, purposes of critical EE focused on the differential education of the indian people promoted in the local school were established.

Palavras-chave


Planejamento e gestão ambiental. Macrotendências da educação ambiental. Educação ambiental crítica.

Texto completo:

PDF

Referências


ADELCO - ASSOCIAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL CO-PRODUZIDO. Projetos, 2017. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2017.

ALEGRE, M. S. P. Jenipapo Kanindé: Povos Indígenas no Brasil. 1998. Disponível em: . Acesso em: 26 jul. 2017.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. 1988.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 42ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

GIL, A. C. Como Classificar as Pesquisas? In: GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 2002.

GUIMARÃES, M. Educação ambiental: no consenso um embate? Campinas, SP: Papirus, 2000.

GUIMARÃES, M. Educação ambiental crítica. In: BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação

Ambiental. Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: MMA, 2004. p. 25-34.

LAYARGUES, P. P. & LIMA, G. F. C. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Revista Ambiente & Sociedade. São Paulo v. 17, n. 1, p. 23-40, 2014.

LIMA, G. F. C. Educação ambiental crítica: do socioambientalismo às

sociedades sustentáveis. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 35, n. 1, p. 145-163, jan./abr. 2009.

LIMA, D. M. A. Educação Ambiental Dialógica e descolonialidade com crianças indígenas Tremembé: vinculação afetiva pessoa-ambiente na Escola Maria Venância. 2014. 318 f. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.

LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambiental Transformadora. In: LAYRARGUES, P. P. Identidades da educação ambiental brasileira. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004, p. 65-84.

LUSTOSA, I. M. C.; ALMEIDA, M. G. Os territórios emergentes de turismo e as redes de turismo comunitário: o caso da Terra Indígena ‘Lagoa Encantada’ do Povo Jenipapo Kanindé, Ceará, Brasil. PASOS. Revista de Turismo y Patrimonio Cultural, v. 9, n. 3, Special Issue. 2011.

MCCORMICK, J. Rumo ao paraíso: a história do movimento ambientalista. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1992.

MEC - MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Secretária de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília: MEC/SECAD, 2005.

PRADO, H. M.; MURIETTA, R. S. S. A etnoecologia em perspectiva: origens, interfaces e correntes atuais de um campo em ascensão. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 18, n. 4, p. 139-160, out./dez. 2015.

RAMOS, E. C. Educação ambiental: origem e perspectivas. Educar em revista, Curitiba, n.18, p.201-218. 2001.

RODRIGUEZ, J. M. M.; SILVA, E. V. Planejamento e gestão ambiental: subsídios da geoecologia das paisagens e da teoria geossistêmica. Fortaleza: Edições UFC, 2013.

SAMPIERRI, C. R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B. Metodología de La Investigación, Colômbia: McGraw - Hill, 1997.

SAUVÉ, L. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SATO, M.; CARVALHO, I. C. M. (Org.). Educação ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005. p. 17-44.

SECAD, CADERNOS. Educação Escolar Indígena: diversidade sociocultural indígena ressignificando a escola. Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade. Brasília, 2007.

SILVA, E. V. Educação indígena diferenciada: novas tecnologias, cultura e meio ambiente. In: SILVA, E. V.; RABELO, F. D. B.; RODRIGUEZ, J. M. M. (Org.). Educação ambiental e indígena: caminhos da extensão universitária na gestão de comunidades tradicionais. (Tomo 1) Fundamentos teórico-metodológicos e experiências institucionais. Fortaleza: Edições UFC, 2011. p. 37-48.

SMITH, M.; ALMEIDA, F. V. R. Parte 4: Dimensão ambiental. In: SOUSA, C. N. I.; ALMEIDA, F. V. R (Org.) Gestão territorial em Terras Indígenas. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria e Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão; UNESCO. 2015. p. 155-180.

SOUZA, C. N. I; ALMEIDA, F. V. R. Gestão territorial em Terras Indígenas no Brasil. n. 6. Brasília: Coleção Educação para todos. Série Vias dos Saberes, 2013.

STÉDILE, J. P. Introdução. In: ______. (Org.) A questão agrária no Brasil: o debate tradicional 1500-1960. Coleção A Questão Agrária no Brasil. São Paulo: Expressão Popular. 2005. Vol. 1, p-15-31.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v34i2.7101

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2017 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.