Percepção ambiental de pós-graduandos sobre os impactos da mineração

Aline Aparecida Silva Pereira, Danilo Augusto Toledo Costa, Luis Antônio Coimbra Borges

Resumo


A mineração é essencial para a vida cotidiana. Através de seu beneficiamento são gerados produtos essenciais para diversos setores industriais, além de ser extremamente importante no crescimento e desenvolvimento econômico de diversos países. Em contrapartida, são gerados inúmeros impactos socioambientais negativos. Portanto, o presente trabalho teve como objetivo principal realizar um levantamento da percepção socioambiental de alunos de pós-graduação referente aos benefícios, malefícios e riscos enfrentados por uma comunidade onde é realizado o extrativismo mineral. Adotou-se como metodologia uma revisão bibliográfica baseada no estudo da arte, selecionando os principais tópicos a serem abordados e a aplicação de um questionário semiestruturado aos pós-graduandos. Concluiu-se que os entrevistados possuem conhecimento sobre as questões abordadas, porém a aplicação deste conhecimento é pouco utilizada na resolução de conflitos socioambientais e na mitigação dos passivos gerados.

Mining is essential for everyday life. Through its processing, essential products are generated for various industrial sectors, as well as being extremely important in the growth and economic development of several countries. On the other hand, many negative social and environmental impacts are generated. Therefore, the main objective of this study was to carry out a survey of the socioenvironmental perception of postgraduate students regarding the benefits, damages and risks faced by a community where mineral extraction is carried out. A bibliographic review based on the art study was adopted as a methodology, selecting the main topics to be approached and the application of a semistructured questionnaire to the graduate students. It was concluded that the interviewees have knowledge about the issues addressed, but the application of this knowledge is little used in the resolution of socio-environmental conflicts and the mitigation of the liabilities generated.

La minería es esencial para la vida cotidiana. A través de su beneficiamiento se generan productos esenciales para diversos sectores industriales, además de ser extremadamente importante en el crecimiento y desarrollo económico de diversos países. En cambio, se generan innumerables impactos socioambientales negativos. Por lo tanto, el presente trabajo tuvo como objetivo principal realizar un levantamiento de la percepción socioambiental de alumnos de posgrado referente a los beneficios, maleficios y riesgos enfrentados por una comunidad donde se realiza el extractivismo mineral. Se adoptó como metodología una revisión bibliográfica basada en el estudio del arte, seleccionando los principales tópicos a ser abordados y la aplicación de un cuestionario semiestructurado a los postgraduados. Se concluyó que los entrevistados tienen conocimiento sobre las cuestiones abordadas, pero la aplicación de este conocimiento es poco utilizada en la resolución de conflictos socioambientales y en la mitigación de los pasivos generados.

Palavras-chave


Recursos minerais. Desenvolvimento Sustentável. Educação Ambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, Cecília MVB; GIANNETTI, Biagio F. Ecologia industrial: conceitos, ferramentas e aplicações. São Paulo: Edgard Blucher, 2006.

ARNAULT, Giovanna do Carmo Leal. VASCONCELOS, Fernanda Carla Wasner. SILVA, Bárbara Aparecida. Mineração de areia e meio ambiente: impactos, políticas e legislação. REUNA, Belo Horizonte, v.14, n.2, p. 13-27. 2009.

BARRETO, Maria Laura. Desenvolvimento sustentável: uma abordagem conceitual. Ensaios sobre a sustentabilidade da mineração no Brasil. CETEM/MCT. Rio de Janeiro – RJ, 130 p. 2001. (a)

BARRETO, Maria Laura. Mineração e desenvolvimento sustentável: Desafios para o Brasil Mineração e desenvolvimento sustentável: Desafios para o Brasil. CETEM/MCT, Rio de Janeiro. p. 215 2001. (b)

BEZERRA, Lireida Maria Albuquerque. Análise dos impactos socioambientais decorrentes da mineração na Chapada do Araripe – Nova Olinda/Ceará. Geosaberes, Fortaleza, v. 6, n.esp. (2), p. 79 - 89, nov. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Câmara da Educação Básica. Resolução n. 4, de 7 novembro de 2001. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 7 de novembro de 2001.

BRESSANE, Adriano. MEDEIROS, Gerson Araújo de. RIBEIRO, Admilson Irio. FILHO, Afonso Peche. Abordagem construtivista integrando o ensino, a pesquisa e a aplicação à realidade: o caso da pós-graduação em Ciências Ambientais da Unesp Sorocaba. RBPG, Brasília, v. 12, n. 27, p. 251 – 276, 2015.

BUSCH, Kenneth A.; CROUSE, William E.; LEIDEL, Nelson A. Exposure measurement action level and occupational environmental variability. 1975.

DENÚBILA, Liz Abreu. Alterações ambientais associadas à mineração no município de São Carlos (SP) utilizando AHP e SIG. Dissertação (Mestrado em Geotecnia). Universidade de São Paulo – USP. 2013.

FARIAS, Carlos Eugenio Gomes. Mineração e Meio Ambiente no Brasil, Relatório preparado para o CGEE, PNUD 2002.

FERREIRA, Norma Sandra. As pesquisas denominadas estado da arte. Educação & Sociedade, ano XXIII, nº 79, Agosto/2002.

FIGUEIRA, Glauce Almeida.; SUZIGAN, Kelly Rosana.; ONISHI, Celia Massako. Desenvolvimento sustentável, inovação tecnológica e estratégias empresariais. X Encontro da Sociedade Brasileira de Economia Ecológica. Vitória – ES. 2013.

GARUTTI, Érica Aparecida. SANTOS, Simone Regina dos. A interdisciplinaridade como forma de superar a fragmentação do conhecimento. Revista de Iniciação Científica da FCC, v. 4, n. 2, p. 187-197, 2004.

GONÇALVES, Ricardo Junior de Assis Fernandes. MENDONÇA, Marcelo Rodrigues. Expansão de grandes empreendimentos de mineração e territórios em disputa no cerrado goiano (Goiás/Brasil). Sociedade e Território, Natal, vol. 27. Edição Especial I – XXII ENGA. p. 206-228, set. 2015.

GRIFFITH, J.J. Recuperação conservacionista da superfície de áreas mineradas: uma revisão de literatura. Boletim técnico 79. Viçosa, MG: Viçosa: Sociedade de Investigações Florestais / UFV.1980.

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS – IPT. Tecnologia, Ambiente e Desenvolvimento. Secretaria da Ciência, Tecnologia e Desenvolvimento Econômico. São Paulo. IPT. 1992.

LEFF, Enrique. VALENZUELA, Sandra. VIEIRA, Paulo Freire. Epistemologia ambiental. São Paulo: Cortez, 2001.

LUZ, Marta Pereira. ECHEVERRIA, Agustina Rosa. CASTRO. Selma Simões de. OLIVEIRA, Poliana Lucila. A necessidade de ações inovadoras de educação ambiental junto aos trabalhadores da mineração. Revista Ambiente e Sociedade. v. 15(2). 2010.

MALERBA, Julianna. MILANEZ, Bruno. Um novo código mineral para quê?2012. Disponível em: http://diplomatique.org.br/artigo. php?id=1317. Acesso em: 22 de dez./ 2016.

MARTINEZ, Enrique Ortega. Manual de Investigación Comercial. Pirámide, Madrid. 1992.

MIRANDA, Nascimento Marques. SOUZA, Lucas Barosa e. Percepção Ambiental em propriedades rurais: Palmas (TO), Brasil. Mercator, Fortaleza, v. 10, n. 23, p. 171-186, 2011.

PALHETA, João Marcio; SILVA, Christian Nunes; MEDEIROS, Gláucia Nascimento. Territórios com mineração na região sudeste do Pará–Norte do Brasil. Revista da ANPEGE, 2015.

PHILIPPI Jr. Arlindo. SOBRAL, Maria do Carmo. FERNANDES, Valdir. SAMPAIO, Carlos Alberto Cioce. Desenvolvimento sustentável, interdisciplinaridade e Ciências Ambientais. RBPG, Brasília, v. 10, n. 21, p. 509 – 533. 2014.

QUINTAS, José Silva. Pensando e praticando a educação ambiental na gestão do meio ambiente. Brasília: Ibama, 2000. In FERNANDES, André Felipe de Freitas. VILLA-VERDE, Leandro. Uso de oficinas didáticas como estratégia lúdica: conceitos e práticas em educação ambiental. Anais IX Simposio Eduação e Sociedade Contemporânea: Desafio e Propostas a Escola e seus sentidos. UERJ - Rio de Janeiro, set 2014.

RATTNER, Henrique. Meio ambiente, saúde e desenvolvimento sustentável. Revista Ciência e saúde coletiva. v. 06. 2009.

DOS REIS, Luiz Carlos Lima; SEMÊDO, L. T. A. S.; GOMES, Rosana Canuto. Conscientização ambiental: da educação formal a não formal. Revista Fluminense de Extensão Universitária, Vassouras, 2.1: 47-60, 2012.

ROMANOWSKI, Joana Paulin. As pesquisas denominadas do tipo “estado da arte” em educação. Diálogo Educ., Curitiba, v. 6, n.19, p.37-50. 2006

SANTOS, Rodrigo Salles Pereira dos. Plano de Mineração Nacional e os impactos sociais no Brasil. Disponível: http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/517837-plano-de-mineracao-nacional-e-os-impactos-sociais-no-brasil-entrevista-com-rodrigo-salles-pereira-dos-santos.

TAVEIRA, Ana Lúcia Silva. Análise qualitativa da distribuição dos custos ambientais. Estudo de caso da SAMARCO Mineração S.A. 1997. Dissertação (Mestrado em administração e Política dos Recursos Minerais) – Instituto de geociências, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 1997.

TOMINAGA, Lidia Keiko. SANTORO, Jair. AMARAL, Rosangela. Desastres naturais: conhecer para prevenir. Ficha catalográfica elaborada pela Biblioteca do Instituto Geológico. São Paulo: Instituto Geológico, 2009.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v34i2.7079

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2017 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.