Educação Ambiental contextualizada para a Educação de Jovens e Adultos no bioma Caatinga: vivências pedagógicas em uma escola pública do Cariri Paraibano

Myller Gomes Machado, Francisco José Pegado Abílio

Resumo


O presente estudo objetivou desvelar princípios teórico-metodológicos para a efetivação de uma Educação Ambiental Crítica contextualizada para o bioma Caatinga na Educação de Jovens e Adultos de uma escola pública do Cariri Paraibano. Trata-se de uma pesquisa qualitativa cuja coleta de dados deu-se através de questionários estruturados. Os resultados evidenciaram que a maior parte dos alunos relacionou o conceito de Meio Ambiente a categoria como “Lugar para viver” (pré-teste), e “Natureza” (pós-teste). Já o de Educação Ambiental com a categoria preservacionista (no pré e pós-teste). Foram realizadas sete vivências, utilizando de diversas modalidades didáticas, técnicas e recursos. Durante a realização das vivências foi notório o interesse e a melhoria na capacidade de discussão sobre os temas em diálogo dos educandos, fenômeno comprovado pelas diferentes respostas que ocorreram no questionário pós-teste em comparação ao pré-teste.

Palavras-chave


Educação Formal. Meio Ambiente. Atividades Pedagógicas.

Texto completo:

PDF

Referências


ABÍLIO, Francisco José Pegado (Org.). Educação ambiental para o semiárido. 1 ed. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, 2011.

ABÍLIO, Francisco José Pegado; FLORENTINO, Hugo Silva; RUFFO, Thiago Leite Melo. Educação Ambiental no Bioma Caatinga: formação continuada de professores de escolas públicas de São João do Cariri, Paraíba; Pesquisa em Educação Ambiental, v. 5, n. 1, p.171-193, 2010.

ALMEIDA, Luis Fernando Rolim; BICUDO, Luiz Roberto Hernandes; BORGE, Gilberto Luiz de Azevedo. Educação Ambiental em praça publica: relato de experiencia com oficinas pedagógicas. Ciencias & Educação, v.10, n.1, p. 121-132, 2004.

ANDRADE, Cássia Tatianne da Silva. Cactos úteis na Bahia: ênfase no semiárido. Pelotas – RS: USEB, 2008.

ANDRÉ, Marli Eliza Dalmazo Afonso de. Etnografia da prática escolar. Campinas, SP: Papirus, 2011.

BARRETO, Aparecida de Lourdes Paes. et al. Educação ambiental na educação de jovens e adultos. In: ABÍLIO, Francisco José Pegado (Org.). Educação Ambiental para o semiárido. João Pessoa: Editora Universitária da UFPB, p 459-492, 2011.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação e Jovens e Adultos. Brasília: MEC, 2000.

_______. Diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: MEC, 1996.

_______. Ministério do Meio Ambiente. Caatinga. Disponível em: . Acesso em: 29 agost. 2016.

_______L. O Caso da Paraíba. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2017.

_______. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ciências Naturais. Secretaria de Educação Fundamental: – Brasília, 2001.

CAMPOS, Maria Célia Rabello Malta. A importância do jogo na aprendizagem. Disponível em: . Acesso em: 22 mar. 2016.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental Crítica: nomes e endereçamentos da educação. In: BRASIL. Identidades da educação ambiental brasileira. Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental, Brasília, 2004.

CRUZ FILHO, Abdias Paulo et al. Educação do Campo: uma reflexão acerca de seu contexto. João Pessoa, UEPB, 2013.

DEMO, Pedro. Pesquisa Participante: saber pensar e intervir juntos. Brasília: Liber Livro Editora, 2004.

EFFTING, Tânia Regina. Educação Ambiental nas Escolas Públicas: realidades e desafios. 90f. Monografia (Especialização, Pós-Graduando em Planejamento para o Desenvolvimento sustentável) - Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Marechal Cândido Rondon, 2007.

FIGUEIREDO. João Batista de Albuquerque. Educação Ambiental Dialógica: as contribuições de Paulo Freire e a cultura sertaneja nordestina. Fortaleza: Edições UFC, 2007.

FOGASSA, Geomar. Educação rural x Educação do campo: uma visão ontológica. Disponível em: . Acesso em: 11 jan. 2017.

FREITAS, Marco Antonio de; SILVA, Thaís Figueiredo Santos. Guia ilustrado: a herpetofauna das caatingas a áreas de altitudes do nordeste brasileiro. Pelotas: USEB, 2007.

GADOTTI, Moacir. Pedagogia da terra. São Paulo: Fundação Peirópolis, 2000.

JESUS, Sônia Meire Santos Azevedo de. A Educação de Jovens e Adultos no campo como política pública. Disponível em: . Acesso em: 11 jan. 2017.

KISHIMOTO, Tizuko Morchida (Org.). Jogo, brinquedo, brincadeira e a educação. 12.ed. São Paulo: Cortez, 2009.

LAYRARGUES, Philippe Pomier; LIMA Gustavo Ferreira da Costa. As macrotendências político-pedagógicas da educação ambiental brasileira. Rev. Ambiente & Sociedade. v. XVII, n. 1, p. 23-40, jan.-mar, 2014.

MAMEDE, Simone Batista. Interpretando a natureza: subsídios para a educação ambiental. Campo Grande: UNIDERP, 2003.

MANCUSO, Ronaldo. Feira de Ciências: produção estudantil, avaliação, conseqüências. Contexto Educativo Revista Digital de Educación y Nuevas Tecnologías, Buenos Aires, v. 6, n. 1, p. 1-5, 2000.

MARACAJÁ, Maria Elizabeth Ramos da Silva; RUFFO, Thiago Leite Melo. Educação Ambiental e Ensino de Matemática: Um estudo do Rio Taperoá na EJA. In: ABÍLIO, Francisco José Pegado. (Org). Educação Ambiental: da prática Educativa a Formação Continuada de Professores do Semiárido Paraíbano. João Pessoa: Ed. UFPB, p. 419-443, 2012.

MOREIRA, Daniel Augusto. O Método Fenomenológico na Pesquisa. São Paulo: Pioneira Thomson Learnig, 2004.

NEVES, Orlando Silvio Caires. Umbuzeiro: Uma alternativa para o Semiárido. Vitória da Conquista – BA: Ed. USEB, 2010.

QUEIROZ, Josefa Claudete Pereira de; BARRETO, Aparecida de Lourdes Paes. A educação Ambiental nos programas sociais: o caso do PROJOVEM Adolescente no Município de Parari – PB. In: ABÍLIO, Francisco José Pegado. (Org). Educação Ambiental: da prática Educativa a Formação Continuada de Professores do Semiárido Paraíbano. João Pessoa: Ed. UFPB, p. 307-323, 2012.

QUEIROZ, Luciano Paganucci, et al. (Org).Towards greater knowledge of the Brazilian Semi-arid Biodiversity. 1.ed. Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia, 2006.

SAMPAIO, Marisa Narcizo; ALMEIDA, Rosilene Souza. (Orgs). Práticas de Educação de Jovens e Adultos: complexidades, desafios e propostas. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

SANTA’ANNA, Ilza Martins; MENEGOLIA, Maximiliano. Didática: aprender a ensinar – técnicas e reflexões pedagógicas para formação de formadores. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

SATO, Michele. Apaixonadamente pesquisadora em Educação Ambiental. Educação, Teoria e Prática, Rio Claro, v. 9, n. 16/17, p.24-35, 2001.

______.Educação Ambiental. São Carlos: Rima, 2002.

SILVA, Maria Andrêsa da, et al. Educação Ambiental na Educação de Jovens e Adultos no Semiárido paraibano. In: ABÍLIIO, Francisco José Pegado; SATO, Michele. (Orgs.). Educação Ambiental: do currículo da educação básica às experiências educativas no contexto do semiárido paraibano. João Pessoa: UFPB/ Ed. Universitária, p. 299-339, 2012.

UNESCO. CONFITEA: Declaração de Hamburgo. Brasília: SESI/UNESCO, 1997.

ZÓBOLI, Graziella. Práticas de Ensino: subsídios para a atividade docente. São Paulo: Ática, 2004.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v34i1.6613

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2017 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.