Os valores estéticos e éticos no cenário das mudanças do clima

Valéria Ghisloti Iared

Resumo


O presente artigo tem caráter teórico e objetiva motivar a discussão sobre as possíveis contribuições do campo da estética/ética/política nas atividades educativas voltadas à temática de mudanças climáticas. Para tanto, iniciamos a discussão trazendo um breve panorama sobre alterações climáticas e educação ambiental. Em seguida, situamos nossa abordagem teórica para conceituação de valores estéticos e éticos. A partir disso, traçamos um diálogo entre relatórios, reportagens e artigos científicos na tentativa de refletir sobre oportunidades educativas que contribuam com o enfrentamento do desafio das mudanças do clima. As discussões levantadas já são abordadas na educação ambiental, porém, poderiam ser, também, contextualizadas dentro do cenário das alterações do clima com a intencionalidade que o tópico merece.

Palavras-chave


educação ambiental, estética/ética/política, efeito estufa

Texto completo:

PDF

Referências


BARNETT, J. Climate change, migration and adaptation in Funafuti, Tuvalu. Global Environmental Change, v. 19, p.105–112, 2009.

BARNETT, J.; CAMPBELL, J. Climate change and small island states: power, knowledge and the South Pacific. London: Earthscan, 2010.

BENÁYAS, J. Educación Ambiental em parques urbanos y espacios verdes: análisis de uma muestra de guias divulgativas y cuadernosdidácticos. Tópicos en Educación Ambiental, México, v. 1, n. 1, p. 59-72, 1999.

BONFIM, D.A.; SANTOS, J.O.; SAMPAIO, R.J.;SILVA JUNIOR, M.F. Considerações sobre as mudanças climáticas e os impactos na sub-bacia do Rio Catolé para o município de Vitória da Conquista - Bahia. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 29, p. 1-16-16, 2012.

BONOTTO, D. M. B. Contribuições para o trabalho com Valores em educação ambiental. Ciência & Educação, v. 14, n. 2, p. 295-306, 2008.

BRAIDOTTI, R. Working towards the Posthumanities. Trans–Humanities, v. 7, n. 1, p. 155-176, 2014.

BRASIL. LEI Nº 12.652, de 25 de maio de 2012. Dispõe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as Leis nos 6.938, de 31 de agosto de 1981, 9.393, de 19 de dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de dezembro de 2006; revoga as Leis nos 4.771, de 15 de setembro de 1965, e 7.754, de 14 de abril de 1989, e a Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de agosto de 2001; e dá outras providências. Disponível em . Acesso em 10 ago. 2013.

CARTER, C. Denial and Despair? Environmental Values, v. 24, n. 5, pp. 577-580, 2015.

CHANG, C.H.; IRVINE, K.N. Climate change resilience and public education in response to hydrologic extremes in Singapore. British Journal of Environment and Climate Change, v.4, n.3, p. 328-354, 2014.

CLAYTON, S.; LUEBKE, J.; SAUNDERS, C.; MATIASEK,J.; GRAJAL, A. Connecting to nature at the zoo: implications for responding to climate change. Environmental Education Research, v.20, n.4, p.460-475, 2014.

COOLE, D. FROST, S. (eds). New Materialisms: Ontology, Agency, and Politics. Durham, NC: Duke University Press, 2010.

CRIST, E. Ecocide and the extinction of animal minds. In: BEKOFF, M. (Ed) Ignoring nature no more: the case for compassionate conservation. Chicago & London: The University of Chicago Press, 2013, p. 45-61.

CROOK, M., SHORT, D. Marx, Lemkin and the genocide–ecocide nexus. The International Journal Of Human Rights, v. 18, n. 03, p. 298-319, 2014.

DEARBORN, D.C; KARK, S. Motivations for conserving urban biodiversity. Conservation biology, v. 24, n. 2, pp. 432-440, 2009.

DOMINGUEZ, I.G.P. Em defesa dos diálogos entre gerações para a sustentabilidade. Diálogo, n.32, p. 119-145, 2016.

DUARTE JÚNIOR, J. F. O que é beleza. 3 ed. São Paulo: Brasiliense, 2009. (Coleção Primeiros Passos; 167).

ELMQVIST, T, FRAGKIAS, M, GOODNESS, J, GÜNERALP, B, MARCOTULLIO, PJ, MCDONALD, RI PARNELL, S, SCHEWENIUS, M, SENDSTAD, M, SETO, KC, WILKINSON, C. (Eds.) Urbanization, Biodiversity and Ecosystem Services: Challenges and Opportunities. Dordrecht :Springer , 2013.

FRANCO, D. Como frear os efeitos das mudanças climáticas nos oceanos?. RFI, 25 mai.2016. Disponível em: < http://br.rfi.fr/ciencias/20160526-como-frear-os-problemas-que-mudancas-climaticas-causam-aos-oceanos>. Acesso em: 30 jul. 2016.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1994.

GIDDENS, A. A política ambiental. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

GRÜN, M. Uma discussão sobre valores éticos em educação ambiental. Revista Educação & Realidade. Porto Alegre,v. 19, n. 2, p. 171-195, 1994.

GUIMARÃES, M. . A dimensão ambiental na educação. 12. ed. Campinas: Papirus, 2015. v. 01. 112p .

HAUK, M. The new “three Rs” in an age of climate change: Reclamation, resilience, and regeneration as possible approaches for climate-responsive environmental and sustainability education. Journal of Sustainability Education, v.7, n.2, 2016. Não paginado.

HOFMANN, R. Culturecide in changing Micronesian climates? About the unintenionality of climate change. The International Journal of Human Rights, v. 18, n.3, p. 336-349, 2014.

HOFMANN, R. Culturecide in changing Micronesian climates? About the unintenionality of climate change, The International Journal of Human Rights, v.18, n.3, p.336-349, 2014.

HOWDYSHELL, J. Even in communities directly impacted by climate change, schools remain silent on the issue. Rethiking schools, 21 set. 2015. Disponível em: < http://www.alternet.org/education/even-communities-directly-impacted-climate-change-schools-remain-silent-issue>. Acesso em: 01 out. 2015.

IARED, V. G.; OLIVEIRA, H. T. Formação de valores estéticos e éticos e o cerrado. In: Encontro de pesquisa em educação ambiental, 7., 2013, Rio Claro. Anais.... Rio Claro, 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 jan. 2014.

INDIO, C. Caminhada pelo Clima no Rio pressiona por acordo na COP 21. Agência Brasil, 29 nov. 2015. Disponível em: < http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2015-11/caminhada-pelo-clima-reune-manifestantes-no-rio-para-pressionar-cop-21>. Acesso em: 20 ago. 2016

INGOLD, T. Being alive: essays on movement, knowledge and description. London and New York: Routledge, 2011.

INICIATIVA VERDE. Sumário do relatório do IPCC para os tomadores de decisão: grupo de trabalho I do IPCC – impactos, adaptação e vulnerabilidade. Tradução de Magno Castelo Branco e Karla Sessin-Dilascio. São Paulo: Iniciativa Verde e Instituto HSBC Solidariedade, 2015.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA, BGE. Censo Demográfico 2010. Disponível em: http://www.censo2010.ibge.gov.br. Acesso em: <14 de fevereiro de 2016.

INSTITUTO DE ESTUDOS DA RELIGIÃO, ISER. Relatório de divulgação “Pesquisa: o que as lideranças brasileiras pensam sobre mudanças climáticas e o engajamento do Brasil”, 2008.

INTERNATIONAL ALLIANCE OF LEADING EDUCATION INSTITUTES, IALEI. Climate Change and Sustainable Development: The Response from Education: a crossnational report from International Alliance of Leading Education Institutes. Denmark: IALEI, 2009.

JACOBI, P. Educação ambiental, cidadania e sutentabilidade. Cadernos de Pesquisa. São Saulo: Autores Associados, n. 118, p. 189-205, 2003.

JACOBI, P. R., GUERRA, A.F., SULAIMAN, S.N., NEPOMUCENO, T.. Mudanças climáticas globais: a resposta da educação. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v.16, n. 46, p. 135-148, jan./abr. 2011.

KLEIN, R. J.; NICHOLLS, R.J.; MIMURA. Coastal Adaptation to Climate Change: Can the IPCC Technical Guidelines be Applied. Mitigation and Adaptation Strategies for Global Change, v. 4, n. 3–4, p. 51–64, 1999.

KRASNY, M.; CHANG, C-H.; HAUK, M.; DUBOIS, B. Climate change education. In: RUSS, A.; KRASNY, M. (eds) Urban environmental education review, 2016. Disponível em: . Acesso em: 04 nov.2016.

LEITE, M. Da arte de enxugar geleiras. Folha de São Paulo, 28 nov. 2010. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrissima/il2811201005.htm>. Acesso em: ago. 2016.

LIMA, G.F.C. Educação ambiental e mudança climática: convivendo em contextos de incerteza e complexidade. Ambiente & Sociedade, .18, n.01, p. 91-112, 2013.

LIU,S.T.; KAPLAN, M. Intergenerational Urban Environmental Education. In: RUSS, A.; KRASNY, M. (eds) Urban environmental education review, 2016. Disponível em: . Acesso em: 04 nov.2016.

LOUREIRO, C.F.B. Trajetória e fundamentos da EA. 2º ed. São Paulo: Cortez, 2006.

MARIN, A. A. A educação ambiental nos caminhos da sensibilidade estética. Inter-Ação: Rev. Fac. Educ. UFG, v. 31, n. 2, p. 277-290, 2006.

MARIN, A. A.; SILVEIRA, E. . Cosmos e locus: dos significados da cidadania planetária à construção de mitos positivos do cotidiano no discruso da educação estética ambiental. OLAM (Rio Claro), v. 9, p. 164-186, 2009.

McCLAREN, M. The Place of the City in Environmental Education. In: McKENZIE, M. et al. Fields of green: restorying culture, environment, and education. Hampton Press, Inc. 2009. p. 301-306.

McNAMARA, K.E. Raising awareness about climate change in Pacific communities, Environmental Education Research, v. 19, n.6, p. 864-871, 2013.

______. Pragmatic Discourses and Alternative Resistance. Responses to Climate Change in the Pacific. Graduate Journal of Asia-Pacific Studies, v.6, n.2, p. 33–54, 2008.

MONBIOT,G. Housebroken. The Guardian, 19 Nov. 2012. Disponível em: http://www.monbiot.com/2012/11/19/housebroken/. Acesso em: fev. 2013.

MYERS, N. Environmental refugees: a growing phenomenon of the 21st century. The Roayl Society – Phil. Trans. R. Soc. Lond, v. 357, p. 609-613, 2011.

NUCCI, J. C. e CAVALHEIRO, F. Cobertura Vegetal em áreas urbanas: conceito e método. São Paulo: GEOUSP, n.6, p. 29-36, 1999.

ÖHMAN,J.; ÖHMAN, M. Participatory approach in practice: an analysis of student discussions about climate change. Environmental Education Research, v.19, n.3, p. 324-341, 2012.

ORESKES, N.; CONWAY, E. M. Merchants of Doubt: How a Handful of Scientists Obscured the Truth on Issues from Tobacco Smoke to Global Warming. London: Bloomsbury Press, 2010.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS, ONU. Relatório sobre a situação da população mundial 2012, 2012. Disponível em: . Acesso em: 14 de fevereiro de 2016.

PAPPAS, S. Zombie' anthrax outbreak in siberia: how does it kill?. Live Science, 02 ago 2016. Disponível em: < http://www.livescience.com/55621-zombie-anthrax-kills-in-siberia.html>. Acesso em: 14 nov 2016.

PAYNE, P. Vagabonding slowly: ecopedagogy, metaphors, figurations, and nomadic ethics. Canadian Journal of Environmental Education, v. 19, p. 47-69, 2014.

PRIMAVESI, O.; PRIMAVESI, A.C. Fundamentos ecológicos para manejo efetivo do ambiente rural nos trópicos: educação ambiental e produtividade com qualidade ambiental. São Carlos: Embrapa Pecuária Sudeste, 2003. 84 p. (Embrapa Pecuária Sudeste. Documentos, 33).

PRIMAVESI, O; ARZABE, C; PEDREIRA, M. Mudanças Climáticas: visão tropical integrada das causas, dos impactos e de possíveis soluções para ambientes rurais ou urbanos. Documento 70. Embrapa. 2007.

QUINTÁS, A.L. Estética. Petrópolis, RJ: Vozes, 1993.

REIS, D.A.; SILVA, L.F. Mapeamento de dissertações e teses brasileiras de educação ambiental que tratam do tema mudanças climáticas. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. 33, n.1, p. 112-131,2016.

RODRIGUES, C. O vagabonding como estratégia pedagógica para a “desconstrução fenomenológica” em programas experienciais de educação ambiental. Educação em Revista, v.31, n.01, p.303-327, 2015.

RUSS, A. Urban environmental education. New York e Washington: Cornell University Civic Ecology Lab, North American Association for Environmental Education and EE Capacity project, 2015.

SILVA, R. L. F.A educação ambiental frente às mudanças climáticas globais: contribuições da análise crítica da mídia. In: 36ª Reunião Anual da ANPED, 2013, Goiania. Anais da 36ª Reunião anual da ANPED, 2013.

SOUZA, L. Mudanças climáticas aumentam a migração de animais silvestres. 21 ami. 2106. Disponível em: http://br.rfi.fr/ciencias/20160526-como-frear-os-problemas-que-mudancas-climaticas-causam-aos-oceanos. Acesso em: 30 jun. 2016.

STEIL, C.A; CARVALHO, I.C.M. Epistemologias ecológicas: delimitando um conceito. Mana, v. 20, n.1, p. 163-183, 2014.

TÀBARA, J. D., DAI, X., JIA, G., MCEVOY, D., NEUFELDT, H., SERRA, A., WERNERS, S. AND WEST, J. J. The climate learning ladder. A pragmatic procedure to support climate adaptation. Environmental Policy and Governance, v. 20, p. 1–11, 2010.

VALENTI, M. W. ; LOGAREZZI, A. J. M. ; IARED, V. G. ; MARPICA, N.S. . O papel da educação ambiental no processo de mobilização em defesa do Código Florestal. Click Ciência, São Carlos, 01 set. 2011. Disponível em:< http://www.clickciencia.ufscar.br/portal/edicao25/artigo2_detalhe.php>. Acesso em 20 ago. 2016.

VASCONCELOS, C.R.; TAMAIO, I . O papel da educação ambiental na formulação de políticas públicas transformadoras para enfrentamento das Mudanças Climáticas. Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, v. especial, p. 81-87, 2010.

WIID, N.; ZIERVOGEL, G. Adapting to climate change in South Africa: commercial farmers' perception of and response to changing climate. South African Geographical Journal, v. 94, n.2, p. 152-173, 2012.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v34i1.6540

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2017 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.