Para além da “comida-mercadoria”: reflexões a partir da educação ambiental crítico-transformadora
Beyond “food as goods”: reflections based on critical-transforming environmental education

Andreisa Damo, Elisabeth Brandão Schmidt, Pablo Àngel Meira Cartea

Resumo


No modo de produção capitalista, o caráter de mercadoria da comida prevalece sobre a sua propriedade de manter a vida e gerar saúde. A prevalência do “alimento-mercadoria” implica relações não sustentáveis do ponto de vista socioambiental. Para suprir demandas mercadológicas, o alimento vem sendo cada vez mais empobrecido nutricionalmente, enquanto é acrescido de inúmeros poluentes e aditivos prejudiciais à saúde através da produção convencional, processamento e industrialização. Romper com essa lógica, no processo mesmo em que engendramos uma outra sociedade pautada em relações, de fato, sustentáveis, é campo de luta da Educação Ambiental crítico-transformadora. Este artigo tem por objetivo refletir sobre alguns aspectos que possam ser importantes para compreendermos a necessidade de alterarmos profundamente a forma como nos alimentamos, em favor de nossa própria saúde e do ambiente.

Palavras-chave


Educação Ambiental. Alimentação. Saúde

Texto completo:

PDF

Referências


ARTO-BLANCO, Mónica; MEIRA-CARTEA, Pablo Ángel. Paisagem de família: as alterações climáticas na nossa dieta. In: MEIRA-CARTEA, P. Á. M. (Coord.). Conhece e valoriza as alterações climáticas: propostas para trabalhar em grupo. Versão portuguesa traduzida - tradução de Laura Blanco de la Barrera. FUNDACIÓN MAPFRE, 2012. p. 88-97.

CARNEIRO, Henrique. Comida e sociedade: uma história da alimentação. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Slow food e a educação do gosto: um movimento social sem pressa. Revista Prâksis – Educação e Meio Ambiente. Ano 5, vol. I, 2008. Disponível em: http://www.isabelcarvalho.blog.br/pub/artigos/slow_food.pdf. Acesso em 22 mai. 2013.

FREIRE, Paulo. Educação e Mudança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979 (Coleção O Mundo hoje; vol. 36).

MARX, Karl. O Capital: Crítica da economia política. Tradução de Reginaldo Sant’Anna. Livro I, Vol. 1, 10. ed. São Paulo: Difusão Editorial, 1985.

MCGEE, Charles. Como sobreviver à tecnologia: um guia para escapar dos poluentes da vida moderna. Tradução de Bettina Becker. Porto Alegre: L&PM, 1986.

ORNELLAS, Liesolette Hoeschl. A alimentação através dos tempos. 3. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2003.

OST, François. A natureza à margem da lei: a ecologia à prova do direito. Tradução de Joana Chaves. INSTITUTO PIAGET: Lisboa, 1995.

PATEL, Raj. Obesos e famélicos: el impacto de la globalización en el sistema alimentario mundial. Tradução de Alejandro Manara. Barcelona: Los Libros del Lince, 2008.

SANDRONI, Paulo. (Org./Sup.). Novíssimo dicionário de Economia. São Paulo: Best Seller, 1999.

WORLD CANCER RESEARCH FUND. Food, nutrition and prevention of cancer: A global perspective. Washington: American Institute for Cancer Research; 1997. p. 35-71.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. The World Health Report 1998: Life in the 21st century a vision for all. Geneva: WHO; 1998. p. 61-111.

ZIEGLER, Jean. Destruição em massa: geopolítica da fome. Tradução de José Paulo Netto. 1. ed. São Paulo: Cortez, 2013.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v32i2.5014

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2015 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado de Educação Ambiental

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc/3.0/br/

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.