Enfrentamentos sociopolíticos e diversidade: uma discussão entre Educação Ambiental Crítica e Teoria Queer

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/remea.v37i3.11374

Palavras-chave:

Capitalismo, Cultura Visual, Queer.

Resumo

O objetivo deste artigo é discutir pontos de convergência entre a teoria e subjetividades queer e a Educação Ambiental Crítica. O método foi o de ensaio. Os resultados destacam os enfrentamentos sociopolíticos que, por meio de culturas visuais queer ou por políticas educativas ambientais, contrapõem e subvertem elementos considerados como imutáveis de um sistema socioeconômico homogeneizante e seus desdobramentos. Ambas convergem para a problematização do sistema socioeconômico e da constituição de sujeitos homogêneos. Ambas defendem a diversidade e a singularidade de modos de ser e viver. Considera-se que as subjetividades queer e a Educação Ambiental Crítica colaboram para dar visibilidade ao que intencionalmente é ocultado e, assim, contribuem com a promoção de reflexões e ações que questionam e enfrentam os movimentos de uniformização da vida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rhuann Carlo Viero Taques, Universidade Estadual do Centro Oeste

Acadêmico do curso de Ciências Biológicas na Universidade Estadual do Centro Oeste/Unicentro, Laboratório de Educação Ambiental.

Patricia Neumann, Universidade Estadual do Centro Oeste/Unicentro

Graduada em Psicologia pela FAG com ênfase em Psicologia e Processos Educativos. Mestra em Educação pela Universidade Estadual do Centro Oeste/Unicentro

Adriana Massaê Kataoka, Universidade Estadual do Centro Oeste/Unicentro

Pós doutora em Educação para a Ciência e a Matemática na Universidade Estadual de Maringá. Docente do curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual do Centro Oeste

Referências

BUTLER, Judith. Bodies That Matter: On The Discursive Limits of Sex. New York: Rutledge, 1993.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

CARNOY, Martin. Educação, Economia e Estado: base e superestrutura, relações e mediações. São Paulo: Cortez, 1987.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação ambiental: a formação do sujeito ecológico. 4 ed. São Paulo: Cortez, 2008.

DIAS, Genebaldo Freire. Educação ambiental: princípios e prática. 9. ed. São Paulo: Editora Gaia, 2013.

DUSSEL, Enrique. 1942 El encubrimiento del otro: hacia el origen del "mito de la modernidad", 1992. Disponível em: https://antropologiaengeo.files.wordpress.com/2015/04/dussel_el-encubrimiento-del-otro-conf-12y3.pdf. Acesso em: 08 mar. 2020.

GAMSON, Joshua. Sexualities, queer theory, and qualitative research. In: DENZIN, Norman; LINCOLN, Yvonna. The handbook of qualitative research. Sage Publications, 2000.

GUIMARÃES, Mauro. A dimensão ambiental na educação. 11. ed. Campinas: Papirus, 2013.

HARAWAY, Donna. “Gênero” para um dicionário marxista: a política sexual de uma palavra. Cadernos Pagu, Campinas, v. 1, n. 22, p. 241-246, 2004.

HARAWAY, Donna. Saberes Localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva social. Cadernos Pagu, v.5, pp. 7-41, 1995.

IBGE. Produto Interno Bruto. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/explica/pib.php Acesso em: 22 fev. 2020.

JAGOSE, Annamarie. Queer Theory: An Introduction. NYU Press, 1996.

JESUS, Jaqueline Gomes. Trans-formações: poder e gênero nos novos tempos. Anais do 18º Congresso Brasileiro de Psicodrama. Brasília: Federação Brasileira de Psicodrama, 2012.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Educação Ambiental e “Teorias Críticas”. In: GUIMARÃES, Mauro (org.). Caminhos da Educação Ambiental: da forma à ação. 3. ed. Campinas: Papirus, 2008.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Educação ambiental e gestão participativa na explicitação e resolução de conflitos. Gestão em Ação, Salvador, v. 7, n. 1, p. 37-50, 2004.

LOURO, Guacira Lopes. Estranhamento queer. Santa Catarina, Editora UFSC, 2006.

LOURO, Guacira Lopes. Os Estudos Queer e a Educação no Brasil: articulações, tensões, resistências. Contemporânea: Revista de Sociologia da UFSCar. São Carlos, v. 2, n. 2, p. 363-369, 2012.

LUGONES, María. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, v. 22, n.3, p. 935-952, 2014.

MELO, Alessandro; MAROCHI, Ana Claudia. Mulheres, Estudo, Trabalho e Relações Sociais de Sexo. Acta Scientiarum, v. 41, n. 1, p. 02-09, 2019.

MISKOLCI, Richard. A Teoria Queer e a Sociologia: o desafio de uma analítica da normalização. Sociologias, v. 11, n. 21, p. 150-182, 2009.

NAÇÕES UNIDAS. Vivir con el Riesgo. Informe mundial sobre iniciativas para la reducción de desastres, 2004. Disponível em: https://www.eird.org/vivir-con-el-riesgo/index2.htm. Acesso em: 22 fev. 2020.

ORLANDI, Eni Puccinelli. Análise de Discurso: princípios e procedimentos. 11. ed. Campinas: Pontes, 2013.

ORTNER, Sherry Beth. Poder e projetos: Reflexões sobre a agência. In: Conferências e práticas antropológicas. Blumenau: Nova Letra, 284p., 2007.

PRECIADO, Beatriz. Entrevista a Jesús Carrillo. Cadernos Pagu, Campinas, v. 28, n. 1, p. 375-405, 2007.

REVISTA EXAME. Pobreza afeta 2,2 milhões de pessoas no mundo todo. Disponível em: https://exame.abril.com.br/mundo/pobreza-afeta-2-2-bilhoes-de-pessoas-no-mundo-todo/. Acesso em: 25 ago. 2019.

RIBEIRO, Wallace Carvalho. Teoria Crítica: contribuições para se pensar a Educação Ambiental. Sinapse Ambiental, v. 4, n. 2, p. 08-25, 2007.

RICH, Adrianne. Compulsory Heterosexuality and Lesbian Existence. New York: McGraw-Hill, 1993.

RODRIGUES, Jessica Nascimento; GUIMARÃES, Mauro. Algumas contribuições marxistas à Educação Ambiental (EA) crítico-transformadora. Revista de Educação Pública, v. 20, n. 44, p. 501-518, 2011.

SCHWARCZ, Lília Moritz. Nem Preto nem Branco, Muito pelo Contrário: cor e raça na intimidade. In: SCHWARCZ, Lília Moritz (Org.). História da Vida Privada no Brasil: contrastes da intimidade contemporânea. São Paulo: Cia das Letras, 1998.

SHIVA, Vandana. Monoculturas da Mente: perspectivas da biodiversidade e da biotecnologia. São Paulo: Gaia, 2003.

TOZONI-REIS, Maria Freiras de Campo. Temas ambientais como “temas geradores”: contribuições para uma metodologia educativa ambiental crítica, transformadora e emancipatória. Educar, n. 27, p. 93-110, 2006.

TREIN, Eunice Schilling A. Educação Ambiental Crítica: crítica de que? Revista Contemporânea de Educação, vol. 7, n. 14, 2012.

VAZ, Tales Gubes. Pedagogia queer, cultura visual e discurso sobre (homo)sexualidades em dois cursos de extensão online. 2012. 146 f. Dissertação (Mestrado em Cultura Visual) – Faculdade de Artes Visuais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2012.

VESTENA, Leandro Redim. Reflexões sobre vulnerabilidade e pobreza: subsídios às políticas públicas. In: II Seminário Internacional de Criatividade, Talento e Superdotação, Universidade Estadual do Centro Oeste, 2019. Anais do II Seminário Internacional de Criatividade, Talento e Superdotação, Guarapuava, 2019. Disponível em: https://evento.unicentro.br/anais/altashabilidades. Acesso: 22 fev. 2020.

Downloads

Publicado

2020-08-21

Como Citar

Taques, R. C. V., Neumann, P., & Kataoka, A. M. (2020). Enfrentamentos sociopolíticos e diversidade: uma discussão entre Educação Ambiental Crítica e Teoria Queer. REMEA - Revista Eletrônica Do Mestrado Em Educação Ambiental, 37(3), 69–91. https://doi.org/10.14295/remea.v37i3.11374

Edição

Seção

Artigos