Inclusão digital: uma via para a responsabilização individual

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/momento.v29i1.9235

Palavras-chave:

Tecnologias da Informação e Comunicação, Empresariamento, Aprendizagem.

Resumo

A partir de uma pesquisa documental acerca da inserção e do uso das tecnologias digitais na educação pública escolarizada no Brasil, no período de 1980 a 2017, o objetivo deste artigo é problematizar práticas discursivas mobilizadas por meio de políticas que disseminam a inclusão digital pelas vias da escola nos últimos quarenta anos. A analítica que sustenta a problematização foi desenvolvida a partir do conceito foucaultiano de discurso. Demonstra-se que os primeiros movimentos de inserção e uso das tecnologias digitais na educação pública brasileira têm início com a ideia de inserção; mais tarde, tal processo reconfigura-se em universalização; e, no último decênio, é compreendido como inclusão. Atrelado à noção de inclusão digital, os discursos propagados na segunda década do século XXI enfocam a necessidade de responsabilização individual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carine Bueira Loureiro, Instituto Federal Rio Grande do Sul

Doutora em Educação, professora do Mestrado Profissional em Informática na Educação e do Mestrado Profissional em Educação Profissional do Instituto Federal Rio Grande do Sul

Carolina Birnfeldt

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Educação na Unisinos. Licenciada em Matemática no Instituto Federal Rio Grande do Sul.

Júlio Xandro Heck

Pós-doutorado em Biotecnologia, doutor em Biologia Celular e Molecular, mestre em Microbiologia Agrícola e do Ambiente. Professor do Mestrado Profissional em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia para a Inovação (Profnit) do Instituto Federal Rio Grande do Sul (IFRS).

Referências

BIESTA, Gert. O dever de resistir: sobre escolas, professores e sociedade. Educação. Porto Alegre, v. 41, n. 1:21-29, janeiro/abril 2018.

BIESTA, Gert. Para além da aprendizagem. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. PRONINFE – Programa Nacional de Informática Educativa: documento orientador. Brasília: MEC, 1989.

BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. PROINFO – Programa Nacional de Informática na Educação: diretrizes. Brasília: MEC, 1997.

BRASIL. Ministério da Educação. Projeto Um Computador por Aluno. Brasília: Escola Superior de Redes, 2010a.

BRASIL. Ministério da Educação. Resolução/FNDE/CD/nº 17, de 10 de junho de 2010b. Estabelece normas e diretrizes para que os Municípios, Estados e o Distrito Federal se habilitem ao Programa Um Computador por Aluno - PROUCA, nos exercícios de 2010 a 2011, visando à aquisição de computadores portáteis novos, com conteúdos pedagógicos, no âmbito das redes públicas da educação básica. Disponível em: <https://www.fnde.gov.br/acesso a informacao/institucional/legislacao/item/3399-resolu%C3%A7%C3%A3o-cd-fnde-n%C2%BA-17-de-10-de-junho-de-2010>. Acesso em: 27 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 1.602, de 28 de dezembro de 2017a. Dispõe sobre a implementação, junto às redes de educação básica municipais, estaduais e do Distrito Federal, das ações do Programa de Inovação Educação Conectada, instituído pelo Decreto no 9.204, de 23 de novembro de 2017. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=82391-portaria-1602&category_slug=fevereiro-2018-pdf-2&Itemid=30192>. Acesso em: 27 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa de Inovação Educação Conectada: inovação tecnológica impulsionando a educação pública brasileira. Brasília: MEC, 2017b. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=77461-conceito-do-programa-de-inovacao-educacao-conectada-pdf&category_slug=novembro-2017-pdf&Itemid=30192>. Acesso em: 27 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa de Inovação Educação Conectada. Brasília: MEC, 2017c. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=77471-diretrizes-e-criterios-do-programa-de-inovacao-educacao-conectada-pdf&category_slug=novembro-2017-pdf&Itemid=301>. Acesso em: 27 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: <http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf>. Acesso em: 27 jun. 2019.

BUTLER, Judith. Quadros de guerra. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CASTELS, Manuel. Redes de indignação e esperança. Rio de Janeiro: Zahar, 2017.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. São Paulo: Boitempo, 2016.

NIED. Núcleo de Informática Aplicada à Educação – Universidade Estadual de Campinas. Projeto Educom: Proposta Original. Memo. Campinas, n. 1, 1983.

FOUCAULT, Michel. A arqueologia do saber. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2009.

GADELHA, Sylvio. Empresariamento da sociedade e da educação: o complexo corpo-subjetividade do homo oeconomicus neoliberal, o imperativo da alta performance e seus efeitos. In: RESENDE, Haroldo de (Org.). Michel Foucault: a arte neoliberal de governar e a educação. São Paulo: Intermeios, 2018.

HAN, Byung-Chul. Psicopolítica: o neoliberalismo e as novas técnicas de poder. Belo Horizonte: Âyiné, 2018.

LAVAL, Christian. A escola não é uma empresa. Londrina: Planta, 2004.

LOPES, Maura Corcini; FABRIS, Eli Henn. Inclusão & Educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

LOPES, Maura Corcini. Políticas de Inclusão e Governamentalidade. Educação &

Sociedade. Campinas, v. 34, n. 2:153-169, maio/agosto 2009.

LOPES, Maura Corcini. (In)Utilidade e Exclusão: O Extremo do Neoliberalismo e o Futuro do Humano. In: RESENDE, Haroldo de (Org.). Michel Foucault: a arte neoliberal de governar e a educação. São Paulo: Intermeios, 2018.

LOUREIRO, Carine Bueira; LOPES, Maura Corcini. A promoção da inclusão digital e a constituição do Homo oeconomicus accessibilis. Educação. Porto Alegre, v. 38, n. 3:329-339, setembro/dezembro 2015.

MASSCHELEIN, Jan; SIMONS, Maarten. Em defesa da escola: uma questão pública. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017.

ORDINE, Nuccio. A utilidade do inútil: um manifesto. Rio de Janeiro: Zahar, 2016.

SENNET, Richard. A cultura do novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2006.

SIBILIA, Paula. Redes ou paredes: a escola em tempos de dispersão. Rio de Janeiro: Contraponto, 2012.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Declaração Mundial de Educação para Todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, 1990; Paris: UNESCO, 1990.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Sociedade digital: hiatos e desafios da inclusão digital na América Latina e o Caribe. Paris: UNESCO, 2017. Disponível em: <https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000262860_por> Acesso em: 01 mar. 2019.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (UNESCO). Declaração de Incheon: Educação 2030: Rumo a uma Educação de Qualidade Inclusiva e Equitativa e à Educação ao Longo da Vida para Todos. Brasília: UNESCO, 2016. Disponível em: <https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000233137_por>. Acesso em: 03 fev. 2019.

Downloads

Publicado

2020-07-22

Como Citar

Loureiro, C. B., Birnfeldt, C., & Heck, J. X. (2020). Inclusão digital: uma via para a responsabilização individual. Momento - Diálogos Em Educação, 29(1), 122–137. https://doi.org/10.14295/momento.v29i1.9235

Edição

Seção

Dossiê temático