Mudanças Climáticas e as Pessoas com Deficiência Visual: reflexões sobre a (in)acessibilidade na Informação e na Comunicação<br>Climate Change and the People with Visual Deficiency: reflections on (in) accessibility in Information and Communication<br>Cambios Climáticos y las Personas con Discapacidad Visual: reflexiones sobre la (in) accesibilidad en la Información y la Comunicación

Autores

  • Giselly Gomes Universidade Federal de Mato Grosso
  • Michèle Sato Universidade Federal de Mato Grosso
  • Regina Aparecida da Silva Universidade Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.14295/remea.v36i1.8706

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Justiça Climática, Pessoas com Deficiência Visual.

Resumo

Diante das previsões alarmantes sobre as mudanças climáticas, preparar a população ao enfrentamento dessas ameaças perpassa pela compreensão sobre o assunto, resguardando o direito ao acesso à informação e à comunicação. Neste sentido, este artigo traz reflexões quanto à (in)acessibilidade entre pessoas com deficiência visual (PcDV), buscando compreender o contexto de vulnerabilidades, que inviabilizam a participação social deste grupo no debate climático. À luz da Cartografia do Imaginário, um estudo bibliográfico e entrevistas semiestruturadas com 11 PcDV, em Cuiabá-MT, revelam não apenas as negligências que acometem essas pessoas, como também anunciam táticas de superação a invisibilidade social, potencializadas pela articulação entre a educação ambiental e a justiça climática. In the face of alarming predictions about climate change, to prepare the population to confront these threats runs through the understanding of the subject, safeguarding the right to access to information and to communication. In this sense, this article reflects on the (in) accessibility among people with visual impairment (PwVI), aiming to understand the context of vulnerabilities, which makes the participation of this group unfeasible in the climate debate. In the light of the Imaginary Cartography, a bibliographic study and semi structured interviews with 11 PwVI, in Cuiabá-MT, reveal not only the negligence that assail these people, as well as announce tactics of overcoming the social invisibility, strengthened by articulation between the environmental education and climate justice. Ante las previsiones alarmantes sobre el cambio climático, preparar la población al enfrentamiento de esas amenazas atraviesa la comprensión sobre el tema, resguardando el derecho al acceso a la información y a la comunicación. En este sentido, este artículo trae reflexiones sobre la (in) accesibilidad entre personas con discapacidad visual (PcDV), como forma de comprender el contexto de vulnerabilidades que hacen invisibles la participación social de este grupo en el debate climático. A la luz de la Cartografía del Imaginario, un estudio bibliográfico y entrevistas semiestructuradas con un grupo de 11 PcDV, en Cuiabá-MT, revelan no solamente negligencias que acometen esas personas, pero también anuncian tácticas de superación a la invisibilidad social, potenciadas por la articulación entre la educación ambiental y la justicia climática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giselly Gomes, Universidade Federal de Mato Grosso

Possui Graduação em Licenciatura Plena em Ciências Biológicas pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), com Especialização em Instrumentalização e Dinâmica dos Conteúdos de Ciências Naturais no Ensino Médio/UFMT, Mestrado em Educação pela UFMT, com pesquisa desenvolvida na linha Educação e Meio Ambiente, e Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação, do Instituto de Educação da UFMT.

Michèle Sato, Universidade Federal de Mato Grosso

licenciada em Ciências Biológicas (São Paulo: UNISA, 1982), mestre em Filosofia (Norwich: University of East Anglia, 1992), doutora em ciências (São Carlos: UFSCar, 1997), pós-doutorado em Educação (Université du Quèbec à Montréal, Canadá, 2007), pós-doutorado em educação na Universidade A Coruña, Espanha, 2014).

Regina Aparecida da Silva, Universidade Federal de Mato Grosso

Possui graduação em licenciatura em ciências biológicas e mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), doutorado em Ciências pelo Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais (PPGERN) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) (2011) e pós-doutorado em Educação pela UFMT.

Referências

BACHELARD, Gaston. A Poética do Espaço. Tradução Franklin Leopoldo e Silva. São Paulo: Abril Cultural, 1974.

BRANT, João.; CHITA, Thaís. Direito à comunicação. Coleção Caravana de Educação em Direitos Humanos Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República - SDH/PR e Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais - Flacso Brasil. Brasília, 2015.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Repensando a pesquisa participante. Em aberto, Brasília, ano 3, v. 20, abr., p. 59 – 63, 1984.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues; BORGES, Maristela Correa. A pesquisa participante: um momento da educação popular. Rev. Ed. Popular, Uberlândia, v. 6, p.51-62. jan./dez. 2007.

BRASIL. Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Brasília, Câmara dos Deputados, 1996.

______. Altera a redação da Norma Complementar nº 01/2006 – Recursos de acessibilidade, para pessoas com deficiência, na programação veiculada nos serviços de radiodifusão de sons e imagens e de retransmissão de televisão. Portaria nº 310, de 27 de junho de 2006. Brasília, Diário Oficial da União, 2010.

______. Secretaria de Direitos Humanos. Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência. Convenção dos Direitos da Pessoa com Deficiência: Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos da Pessoa com Deficiência: Decreto Legislativo nº 186, de 09 de julho de 2008: Decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. 4ª Ed., Brasília: Secretaria de Direitos Humanos, 2012. 100p

______. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Lei 13.146, de 06 de julho de 2015. Brasília, Câmara dos Deputados, 2015.

FERREIRA, Lilian. Mudanças climáticas na internet brasileira: o que estamos divulgando na web? (43 – 60). In: FREIRE, Ana Paula.; FERREIRA, Lilian.; LAMIM-GUEDES, Valdir. (Orgs.). O que você sabe sobre mudanças climáticas? São Paulo: Editora Na Raiz, 2018a.

FERREIRA, Lilian. Qual é a informação que chega pelas redes sociais sobre mudanças climáticas? (69 – 80). In: FREIRE, Ana Paula.; FERREIRA, Lilian.; LAMIM-GUEDES, Valdir. (Orgs.). O que você sabe sobre mudanças climáticas? São Paulo: Editora Na Raiz, 2018b.

FREIRE, Ana Paula. O Futuro da Terra: Discursos Inconvenientes. Como o aquecimento global é significado na mídia brasileira (15 – 42). In: FREIRE, A.; FERREIRA, L.; LAMIM-GUEDES, V. (Orgs.). O que você sabe sobre mudanças climáticas? São Paulo: Editora Na Raiz, 2018.

GERALDI, Débora. Pessoas com deficiência visual: do estigma às limitações da vida cotidiana em circunstâncias de riscos e de desastres relacionados às chuvas. In: VALENCIO, Norma; SIENA, Mariana; MARCHEZINI, Victor.; GONÇALVES, Juliano Costa (orgs.). Sociologia dos desastres – construção, interfaces e perspectivas no Brasil. São Carlos: RiMa Editora, 2009.

GARCEZ; Liliane; CONCEIÇÃO, Luiz Henrique de Paula Conceição. Pessoas com deficiência. Coleção Caravana de Educação em Direitos Humanos Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República - SDH/PR e Faculdade Latino-americana de Ciências Sociais - Flacso Brasil. Brasília, 2015.

INTERGOVERNMENTAL PANEL FOR CLIMATE CHANGE (IPCC). Working group 1 – contribution to the IPCC fifth assessment report (AR5), climate change 2013: the physical basis. Stockholm: IPCC, 2013.

JABER-SILVA, Michelle. O mapeamento dos conflitos socioambientais de Mato Grosso: denunciando injustiças ambientais e anunciando táticas de resistência. 2012, 253f. Tese (Doutorado e Ciências). Programa de Pós-Graduação em Ecologia e Recursos Naturais, Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), São Carlos. 2012. Disponível em: https://gpeaufmt.blogspot.com/p/banco-de-tese.html. Acesso em: 13.04.2018.

JACOBI, Pedro Roberto et al. Mudanças climáticas globais: resposta da educação. Revista Brasileira de Educação, v. 16, n. 46, jan-abr, p.135-269, 2011.

LAMIM-GUEDES, Valdir. Sobre o(s) discurso(s) da Divulgação científica: entre tradução e interpretação? (81 – 93). In: FREIRE, Ana Paula.; FERREIRA, Lilian.; LAMIN-GUEDES, Valdir. (Orgs.). O que você sabe sobre mudanças climáticas. São Paulo: Editora Na Raiz, 2018.

LAVELL, Allan. Ciencias Sociales y desastres naturales en America Latina: un encuentro inconcluso. In: MASKREY, Andrew. (Ed.). Los desastres no son naturales. Cidade do Panamá: La Red, 1993. p. 111-125.

MARCHEZINI, Victor. Redução de vulnerabilidade a desastres: dimensões políticas, científicas e socioeconômicas. In: The Brazilian context of humanistic discussion over the -naturalization of disasters. WATERLAT-GOBACIT NETWORK WORKING PAPERS, vol. 2, n. 17, Valencio, N. (Editora). 2015.

MILANEZ, Bruno; FONSECA, Igor Ferraz. Justiça climática e eventos climáticos extremos: Uma análise da percepção social no Brasil. Terceiro Incluído, Goiânia, v.1, n.2, Artigo 13, p. 82-100, 2011.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 8. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2015.

MONTEIRO, Silas Borges. Quando a pedagogia forma professores. Uma investigação otobiográfica. São Paulo: USP, 2004. Tese (Doutorado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo. 2004.

MOTTA, Lívia Maria Villela de Mello; FILHO, Romeu Paulo. Audiodescrição: transformando imagens em palavras. São Paulo: Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência do Estado de São Paulo, 2010.

NOBRE, Carlos. Carlos Nobre: “O Brasil não está preparado para se adaptar ao antropoceno”, em entrevista exclusiva para a revista Época. [18 dez. 2015]. Entrevistador: Bruno Calixto. Disponível em: https://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/blog-do-planeta/noticia/2015/12/carlos-nobre-o-brasil-nao-esta-preparado-para-se-adaptar-ao-antropoceno.html. Acesso em: 26.04. 2016.

PORTELLA, Sérgio. O desastre e a percepção da percepção social do risco: Mariana, pororoca de lama! Climacom Cultura Científica – Pesquisa, Jornalismo e Arte, ano 02, v. 02. 2017. Disponível em: http://climacom.mudancasclimaticas.net.br/?p=7426. Acesso em: 21.07. 2018.

POZZOBON, Graciela. Histórico resumido. S.d. Disponível em: http://audiodescricao.com.br/ad/historico-resumido/7/. Acesso em: 07.08.18

RELATÓRIO MUNDIAL SOBRE DEFICIÊNCIA. World Health Organization, The World Bank. São Paulo: Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência de São Paulo (SEDPcD), 2012, 334p.

RONOH, Steve; GAILLARD, J. C.; MARLOWE, Jay. Bridging the Participatory Gap: Children with Disabilities and Disaster Risk Reduction. International Journal of Mass Emergencies and Disasters, v. 35, n. 3, p. 271-297, 2017.

SASSAKI, R. K. Nada sobre nós, sem nós: Da integração à inclusão – Parte 1. Revista Nacional de Reabilitação, ano X, n. 57, 2007, p. 8-16.

SATO, Michéle; SARTURI, André. O caracol surrealista no teatro pedagógico da natureza (123 – 132). In: BRASIL. Ministério da Educação, Coordenação Geral de Educação Ambiental: Ministério do Meio Ambiente, Departamento de Educação Ambiental: UNESCO. Vamos cuidar do Brasil: conceitos e práticas em educação ambiental. Brasília: MEC/MMA/UNESCO, 2007.

SATO, Michèle. Cartografia do imaginário no mundo da pesquisa. In: ABÍLIO, Francisco (Org.). Educação ambiental para o semiárido. João Pessoa: UFPB, 2011, p. 539-569.

______. Mitopoética das águas salgadas. Cuiabá: GPEA-UFMT, relatório parcial de pós-doutorado, 50p., il, 2014 (mimeo).

SATO, Michèle et al. Mapeando os territórios e identidades do Estado de Mato Grosso. Cuiabá: EdUFMT, 2013. 203p.

SILVA, Regina; SATO, Michèle; Mapa Social: mapeando os grupos sociais do Estado de Mato Grosso – Brasil. Cuiabá: Edufmt, 2012. 64p.

SOUSA, Joana Belarmino O que vê a cegueira. Instituto Benjamin Constant – IBC, Número 16 - Ano 6, Ago. 2000. Disponível em: http://www.ibc.gov.br/images/conteudo/revistas/benjamin_constant/2000/edicao-16-agosto/Nossos_Meios_RBC_RevAgo2000_RELATO.pdf Acesso em: 20 abr. 2017.

______. A cegueira como forma de visão. TEDx Talks [22 nov. 2016]. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=PhCAMgtBb80. Acesso em: 04 mar. 16.

SULAIMAN, Samia Nascimento; JACOBI, Pedro Roberto. Os desafios e potencialidades da articulação entre educação ambiental e prevenção de desastres naturais no Brasil. In: 36ª REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 2013, Goiânia-GO. Disponível em: Acesso em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/gt22_3060_texto.pdf. Acesso em: 15.05.2018.

UNITED NATIONS INTERNATIONAL STRATEGY FOR DISASTER REDUCTION. Sendai framework for disaster risk reduction 2015-2030. Genebra: UNISDR, 2015.

WILCHES-CHAUX, Gustavo La vulnerabilidad global. In: MASKREY, Andrew (Ed.). Los desastres no son naturales. Panamá, Red de Estudios Sociales en Prevención de Desastres en América Latina, 1993. p. 11-41.

WOLBRING, Gregor A Culture of Neglect: Climate Discourse and Disabled People. M/C Journal, v. 12, n. 4, 2009. Disponível em: http://journal.media-culture.org.au/index.php/mcjournal/article/view/173. Acesso em: 23.09.17.

WOLTON, Dominique. Informar não é comunicar. Trad. Juremir Machado da Silva. Porto Alegre: Sulina, 2010.

ZAMPARONI, Cleusa Aparecida Gonçalves Pereira. Riscos e desastres naturais em ambiente urbano: O exemplo de Cuiabá/MT. Revista Brasileira de Climatologia, v. 10, ano 8. p. 1-14, 2012.

Downloads

Publicado

2019-05-01

Como Citar

Gomes, G., Sato, M., & Silva, R. A. da. (2019). Mudanças Climáticas e as Pessoas com Deficiência Visual: reflexões sobre a (in)acessibilidade na Informação e na Comunicação&lt;br&gt;Climate Change and the People with Visual Deficiency: reflections on (in) accessibility in Information and Communication&lt;br&gt;Cambios Climáticos y las Personas con Discapacidad Visual: reflexiones sobre la (in) accesibilidad en la Información y la Comunicación. REMEA - Revista Eletrônica Do Mestrado Em Educação Ambiental, 36(1), 129–145. https://doi.org/10.14295/remea.v36i1.8706

Edição

Seção

Artigos