O Trabalho Associativo em Empreendimento de Economia Solidária e o papel da Educação Ambiental Crítica, Emancipatória e Transformadora<br>The Associative Work in Development of Solidarity Economy and the role of Critical, Emancipatory and Transformative Environmental Education<br>El trabajo asociativo en emprendimiento de economía solidaria y el papel de la Educación Ambiental Crítica, Emancipatoria y Transformadora

Autores

  • Marcia Borges Umpierre
  • Thierri Silva Pecke
  • Lúcia de Fátima Socoowski de Anello

DOI:

https://doi.org/10.14295/remea.v0i1.8566

Palavras-chave:

Educação Ambiental, Economia Solidária, Reciclagem, Catadoras e Catadores.

Resumo

O presente trabalho visa compreender como a economia solidária e a educação ambiental auxiliam no processo de emancipação e transformação de catadores e catadoras no sul do Rio Grande do Sul. Para tanto foram acompanhadas em torno de 68 reuniões, 4 assembleias ordinárias em cooperativas e associações, organização de documentos, realização de 9 oficinas de formação. Foram feitas observações e intervenções, algumas atividades foram propostas pelos pesquisadores e outras foram demandadas pelos grupos. Observou-se que todos os grupos apresentam características semelhantes, mas constatou-se ainda que cada grupo tem as suas especificidades, e necessidades, por vezes, distintas. Essas características estão diretamente relacionadas, com a forma que os grupos estão organizados, e como foram constituídos, bem como a maturidade dos grupos na realização das atividades. The present work aims to understand how solidarity economy and environmental education help in the process of emancipation and transformation of pickers and pickers in the south of Rio Grande do Sul. For this purpose, 68 meetings, 4 ordinary assemblies in cooperatives and associations, organization of documents, 9 training workshops. Observations and interventions were made, some activities were proposed by the researchers and others were demanded by the groups. It was observed that all the groups have similar characteristics, but it was also verified that each group has its specifics, and sometimes different needs. These characteristics are directly related, with the way the groups are organized, and how they were constituted, as well as the maturity of the groups in the accomplishment of the activities. El presente trabajo pretende comprender cómo la economía solidaria y la educación ambiental auxilian en el proceso de emancipación y transformación de recolectores y recolectores en el sur de Rio Grande do Sul. Para ello se acompañaron en torno a 68 reuniones, 4 asambleas ordinarias en cooperativas y asociaciones, organización de documentos, realización de 9 talleres de formación. Se hicieron observaciones e intervenciones, algunas actividades fueron propuestas por los investigadores y otras fueron demandadas por los grupos. Se observó que todos los grupos presentan características similares, pero se constató que cada grupo tiene sus especificidades, y necesidades a veces distintas. Estas características están directamente relacionadas, con la forma que los grupos están organizados, y cómo se constituyeron, así como la madurez de los grupos en la realización de las actividades.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcia Borges Umpierre

Doutoranda em Educação Ambiental. Universidade Federal do Rio Grande (FURG).

Thierri Silva Pecke

Graduando em Agroecologia. Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Bolsista de Extensão EPEC – FURG.

Lúcia de Fátima Socoowski de Anello

Doutora em Educação Ambiental. Universidade Federal do Rio Grande (FURG).

Referências

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 04 de agosto de 2018.

BRASIL. Política Nacional de Educação Ambiental, Lei 9.795 de 27 de abril de 1999. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9795.htm. Acesso em: 04 de agosto de 2018.

BRASIL. Política Nacional de Resíduos Sólidos, Lei 12.305 de 02 de agosto de 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/lei/l12305.htm. Acesso em: 04 de agosto de 2018.

BRASIL. 1º Plano Nacional de Economia Solidária: para promover o direito de produzir e viver de forma associativa e sustentável. Brasília, 2015.

FONTENELLE, Isleide Arruda. O estatuto do consumo na compreensão da lógica e das mutações do capitalismo. Revista Lua Nova, São Paulo, v. 92, p. 207-240, 2014.

KIRCHNER, Rosane Maria; SAIDELLES, Ana Paula Fleig; STUMM, Eniva Miladi Fenandes. Percepções e perfil dos catadores de materiais recicláveis de uma cidade do RS. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional. Taubaté, SP, v. 5, n. 3, p. 221-232, set-dez/2009.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. O Cinismo da Reciclagem: o significado ideológico da reciclagem de alumínio e suas implicações para a educação ambiental. In: LOUREIRO, Carlos Frederico B.; LAYRARGUES, Philippe Pomier; CASTRO, Ronaldo Souza de Cortez. Educação ambiental: repensando o espaço da cidadania. São Paulo: Cortez, 2002.

LEITE, Márcia de Paula. A Economia Solidária e o trabalho associativo: teorias e realidades. Revista Brasileira de Ciências Sociais. v. 24, n. 69. Set/2009.

LOUREIRO, Carlos Frederico B..Trajetória e Fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez, 2004.

ORTIGOZA, Silvia Aparecida Guarnieri, CORTEZ, Ana Tereza C. Da produção ao consumo: impactos socioambientais no espaço urbano. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2009.

PELICIONI, Maria Cecília Focesi; PHILIPPI JR., Arlindo. Bases Políticas, Conceituais, Filosóficas e Ideológicas da Educação Ambiental. In: Educação Ambiental e Sustentabilidade. 2ª ed. Barueri: Malone, 2014.

PINHEL, Julio Ruffin. Do lixo à cidadania: guia para a formação de cooperativas de catadores de materiais recicláveis. São Paulo: Peirópolis, 2013.

QUINTAS, José Silva. Educação na Gestão Ambiental Pública. In: FERRARO JÚNIOR, Luiz Antônio. Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras (es) Ambientais e Coletivos Educadores - Volume 2. Brasília: MMA, Departamento de Educação Ambiental, 2007.

TREIN, Eunice. A Perspectiva Crítica e Emancipatória da Educação Ambiental. In: Salto para o Futuro – Educação Ambiental no Brasil. Ano XVIII, boletim 01, março, 2008.

SATO, Michele; GAUTHIER Jacques Zanidê; PARIGIPE, Lymbo. Insurgência do grupo-pesquisador na educação ambiental sociopoiética. In: SATO, Michele; CARVALHO, Isabel Cristina Moura. Educação Ambiental. São Paulo: Artmed, 2005.

Downloads

Publicado

2018-11-26

Como Citar

Umpierre, M. B., Pecke, T. S., & Anello, L. de F. S. de. (2018). O Trabalho Associativo em Empreendimento de Economia Solidária e o papel da Educação Ambiental Crítica, Emancipatória e Transformadora&lt;br&gt;The Associative Work in Development of Solidarity Economy and the role of Critical, Emancipatory and Transformative Environmental Education&lt;br&gt;El trabajo asociativo en emprendimiento de economía solidaria y el papel de la Educación Ambiental Crítica, Emancipatoria y Transformadora. REMEA - Revista Eletrônica Do Mestrado Em Educação Ambiental, (1), 102–114. https://doi.org/10.14295/remea.v0i1.8566

Edição

Seção

Artigos