Educação ambiental e escola: narrativas de moradores de Fernando de Noronha – PE<br>Environmental education and school: narratives of residents of Fernando de Noronha - PE<br>Educación ambiental y escuela: narrativas de moradores de Fernando de Noronha - PE

Autores

  • Vivian Battaini Laboratório de Educação e Política Ambiental, Oca, Esalq.
  • Marcos Sorrentino Departamento de Ciências Florestais, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz"

DOI:

https://doi.org/10.14295/remea.v35i2.7924

Palavras-chave:

Políticas Públicas, Escola, Fernando de Noronha.

Resumo

No presente artigo dialoga-se sobre escola, Educação Ambiental (EA) e relações institucionais em Fernando de Noronha a partir de narrativas de entrevistados no Arquipélago. A pesquisa é de caráter qualitativo, entre as técnicas de coleta de dados está a entrevista semiestruturada. Sugerem-se três panoramas para fortalecer a EA na Ilha: formação continuada de educadores ambientais e tomadores de decisão; formação de educadores locais; e construção de políticas públicas na área. In the present article dialogues about school, Enviromental Education and institutional relations in Fernando de Noronha from the narrative of interviewed in the archipelog. The research has a qualitative character, amongst the data collect technics is the semi structured interview. Its suggested that three panoramas strengthen the EE in the island: Continued formation of local enviromental educators and decision makers; formation of local educators; and construction of public politics in the area. En el presente artículo se dialoga sobre escuela, Educación Ambiental (EA) y relaciones institucionales en Fernando de Noronha a partir de narrativas de entrevistados en el Archipiélago. La investigación es de carácter cualitativo, entre las técnicas de recolección de datos está la entrevista semiestructurada. Se sugieren tres panoramas para fortalecer a la EA en la Isla: formación continuada de educadores ambientales y tomadores de decisión; formación de educadores locales; y la construcción de políticas públicas en el área.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vivian Battaini, Laboratório de Educação e Política Ambiental, Oca, Esalq.

Coordenadora Pedagógica da Especialização Educação Ambiental e Transição para Sociedades Sustentáveis (ESALQ). Doutora em Ciências - Programa Ecologia Aplicada (ESALQ/CENA, 2017). Pesquisadora do Laboratório de Educação e Política Ambiental, Oca (ESALQ, 2010 - 2012). Mestre em Ciências (ESALQ/CENA, 2011). Especialista em educação ambiental e recursos hídricos (USP/ São Carlos, 2010). Graduada em Ciências Biológicas (Unesp - Rio Claro, 2007). Tem experiência na área de Educação, com ênfase em Educação Ambiental. (ESALQ).

Marcos Sorrentino, Departamento de Ciências Florestais, Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz"

Possui graduação em Biologia (1981) e Pedagogia (1984) e mestrado em Educação (1988) pela Universidade Federal de São Carlos. Doutorado em Educação (1995) e pós doutorados no Departamento de Psicologia Social da Universidade de São Paulo (1999) e no Centro de Desenvolvimento Sustentável da Universidade de Brasília (2010), onde também foi pesquisador colaborador. Foi Diretor de Educação Ambiental do Ministério do Meio Ambiente de abril de 2003 a junho de 2008. De outubro de 2012 a março de 2014 foi assessor especial do Ministro da Educação, para a construção da política ambiental do MEC. Tem experiência na área de Educação, com ênfase nos seguintes temas: educação ambiental, políticas públicas e planejamento de futuro na direção de sociedades sustentáveis. Participa, desde os anos anos 70, de entidades ambientalistas, de cidadania e de educação ambiental. De 1985 a 1988 foi docente no Departamento de Educação na UNESP, campus de Assis. Desde 1988, no Departamento de Ciências Florestais da ESALQ/USP, atualmente como professor livre-docente (2011), coordena o Laboratório de Educação e Política Ambiental (Oca) .

Referências

ANDRADE, Daniel Fonseca. O lugar do diálogo nas políticas públicas de educação ambiental. Tese (Doutorado em Ciência Ambiental) - Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental (PROCAM), Universidade de São Paulo. 2013.

ANDRADE, Daniel. SORRENTINO, Marcos. Aproximando educadores ambientais de políticas públicas. In: SORRENTINO, Marcos (Org.). Educação Ambiental e políticas públicas: conceitos, fundamentos e vivências. 1 ed. Curitiba: Appris, 2012. p.215-223.

BATTAINI, Vivian. Educomunicação socioambiental no contexto escolar e conservação da bacia hidrográfica do rio Corumbataí. Dissertação (Mestrado em Ecologia Aplicada). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Centro de Energia Nuclear na Agricultura, 2011.

BATTAINI, Vivian. SILVA-JR, José Martins. SORRENTINO, Marcos. O desafio de processos participativos nas atividades de Educação Ambiental no Arquipélago de Fernando de Noronha – PE – Brasil. Revista Pesquisa em Educação Ambiental, em prelo, 2018. (em prelo).

BECKER, Howard S. Métodos de pesquisas em ciências sociais. 4 ed. São Paulo: Hucitec, 1999. 178p.

BIASOLI, Semíramis Albuquerque. Institucionalização de políticas públicas de educação ambiental: subsídios para a defesa de uma política do cotidiano. Tese (Doutorado em Ciência Ambiental). Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Centro de Energia Nuclear na Agricultura, 2015.

BOGDAN, Robert. & BIKLEN, Sari. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Coimbra/Lisboa: Porto, 1994.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Comunidades Apendentes. In: FERRARO JUNIOR, Luiz Antônio (Org.). Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Vol. 1. Brasília: MMA/DEA, 2005, p. 83-91.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Aprender a saber, partilhar o saber: algumas ideias como um chão pronto para semear propostas de uma educação ambiental. In: SORRENTINO, Marcos (Org.). Educação Ambiental e políticas públicas: conceitos, fundamentos e vivências. 1 ed. Curitiba: Appris, 2012. p.89-71 -87.

BRASIL, Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei n.9.394/96. Brasília, DF: MEC/SEF, 1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: introdução aos parâmetros curriculares nacionais / Secretaria de Educação Fundamental. – Brasília : MEC/SEF, 1997. 126p

BRASIL. Presidência da República. Lei n. 9.795. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. 1999.

BRASIL. Programa Nacional de Educação Ambiental. Ministério do Meio Ambiente. Departamento de Educação Ambiental; Ministério da Educação, Coordenação Geral da Educação Ambiental. 3. ed. Brasília: MMA, 2014.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental. Resolução nº2. 2012.

DIAS BORDENAVE, Juan E. O que é participação. 8ª edição. São Paulo: Brasiliense, 1994.

CABRAL, Arlinda. A construção da escola democrática. Uma reflexão com base em Jacques Delors et al., Licínio Lima e Jaume Carbonell Sebarroja. Rev. Lusófona de Educação, Lisboa , n. 9, 2007 . Disponível em <http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1645-72502007000100012&lng=pt&nrm=iso>. Acessado em: 06 maio 2015.

CARVALHO, Isabel Cristina de Moura. Educação Ambiental: a formação do sujeito ecológico. 2 ed. São Paulo: Cortez, 2006. 255p.

CASTELLS, Manuel. O verdejar do ser: o movimento ambientalista. In: A era da informação: economia, sociedade e cultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999. p. 141 -167.

DELORS, Jacques (presidente). Educação. Um tesouro a descobrir. Relatório da UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI. Destaques. Brasília, 2010.

DEMO, Pedro. Participação é conquista: noções de política social participativa. 3 ed. São Paulo: Cortez, 1996.

DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental. Princípios e práticas, 1949. 9 ed. São Paulo: gaia, 2004. 551p.

DUARTE, R. Entrevistas em pesquisas qualitativas. Educar, Curitiba, n. 24, p. 213-225, 2004. Editora UFPR.

FAUNDEZ, Antonio. O Poder da participação. São Paulo: Cortez Editora, 1993.

GADOTTI, Moacir. Pátria educadora. Abrangência da proposta apresentada pela Presidenta Dilma Rousseff no discurso de posse... e algumas ideias a mais. 2015. Disponível em: https://www.paulofreire.org/images/pdfs/Patria_Educadora-Gadotti-290915.pdf Acessado: 10/08/2015.

GOLDENBERG, Mirian. Pesquisa qualitativa: problemas teóricos-metodológicos. In: A arte de pesquisar: como fazer pesquisa qualitativa em ciências sociais. 3 ed. Rio de Janeiro: Recard, 1999. p. 53 – 60.

HEIDEMANN, F.G. Do sonho do progresso às políticas de desenvolvimento. In: HEIDEMANN, F.G.; SALM, J.F. (Org.). Políticas públicas e desenvolvimento: bases epistemológicas e modelos de análise. Brasília: UNB, 2009. p.22-39.

HIDALGO, Angela Maria. Gestão e currículo. Fundamentos políticos e epistemológicos dos projetos Escola Cidadã e Cidade Educadora. São Paulo, Editora UNESP, 2008.294 p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). 2010. http://www.ibge.gov.br/cidadesat/xtras/perfil.php?codmun=260545&search=pernambuco|fernando-de-noronha. Acessado em: 27/07/2013.

LAROSSA, Jorge. Tremores: escritos sobre experiência. 1 ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015. (Coleção Educação: Experiência e Sentido). 174p.

LINSKER, R. Arquipélago de Fernando de Noronha. O paraíso do vulcão. 2 ed. São Paulo, Terra Virgem Editora, 2011. 167p.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli.E.D. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986. 112 p.

MACHADO, Júlia Teixeira. Um estudo diagnóstico da Educação Ambiental nas Escolas do Ensino Fundamental do município de Piracicaba – SP. 2007. 194 p. (dissertação de mestrado em Ecologia Aplicada) – Programa de Ecologia Aplicada, Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” e Centro Nuclear na Agricultura. Piracicaba, 2007.

MORIMOTO, Ísis Akemi Toschi Oliveira. Direito e Educação Ambiental: Estimulo à Participação Crítica e à Efetiva Aplicação de Normas Voltadas à Proteção Ambiental no Brasil. Tese (Doutorado em Ciência Ambiental) – Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental (PROCAM), Universidade de São Paulo/SP, 2014.

OCA. O “método Oca” de educação Ambiental: fundamentos e estrutura incremental. Ambiente & Educação. Vol. 21, n. 1, 2016. Disponível em: https://ocaesalq.files.wordpress.com/2013/07/revista-amb-educ-metodo-oca-vol21-no1-2016.pdf

RANCIÈRE, Jacques. O mestre ignorante – cinco lições sobre emancipação intelectual. 3ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015. (Coleção Educação: Experiência e Sentido). 191p.

PERNAMBUCO. Constituição Estadual de Pernambuco. 1989. Disponível em: http://www.pe.gov.br/_resources/files/_modules/files/files_105_201111171514476bd8.pdf

PORTUGAL, Simone; SORRENTINO, Marcos; VIEZZER, Moema. Educação Ambiental na Formação de Jovens e Adultos. In: SORRENTINO, Marcos (Org.). Educação Ambiental e políticas públicas: conceitos, fundamentos e vivências. 1 ed. Curitiba: Appris, 2012.p. 225-243.

SAUVÉ, Lucie. Uma cartografia das correntes em educação ambiental. In: SATO, Michèle. CARVALHO, Isabel de Moura. (Organizadoras). Educação Ambiental: pesquisa e desafios. Porto Alegre: Artmed, 2005. P.17-43.

SECCHI, L. Políticas públicas: conceitos, esquemas de análise; Casos práticos. 2.ed. São Paulo: Cengage, 2013. 168p.

SORRENTINO, Marcos. Associação para proteção ambiental de São Carlos: subsídios para a compreensão das relações entre movimento ecológico e educação. São Carlos: UFSCAR, 1988, p.288. Dissertação (Mestrado) Programa de Educação do Centro de Educação e Ciências Humanas.

SORRENTINO, Marcos. Crise ambiental e Educação. In: Ministério do Meio Ambiente. IBAMA. Pensando e praticando a educação ambiental na gestão do meio ambiente. Brasília, 2000.

SORRENTINO, Marcos. TRAJBER, Rachel. FERRARO, Luiz Antonio Junior. Educação Ambiental como política pública. Educação e Pesquisa. vol.31 nº2. São Paulo. Maio/Aug. 2005.

SORRENTINO, Marcos; NASCIMENTO, E.P. do. Universidade e políticas públicas de educação ambiental. Revista Educação em Foco, vol. 14, n.2, set 2009/Fev 2010, 2010.

SORRENTINO, Marcos. Educador Ambiental Popular. In: FERRARO JUNIOR, Luiz Antônio (Org.). Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Vol. 3. Brasília: MMA/DEA, 2013. p.143-153.

SOUSA, Boaventura de Sousa. Pela mão de Alice: o social e o político na pós-modernidade. 14 ed. São Paulo: Cortez: 2013. 542p.

SOUZA, C. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias, Porto Alegre, v.8, n.16, p.20-43, jul-dez, 2006.

VEIGA, A. Amorim, E. Blanco, M. Um retratado da Presença da Educação Ambiental no Ensino Fundamental Brasileiro: O percurso de um processo acelerado. Inep/ MEC. Brasília: 2005

VIEZZER, M. SOMOS TODOS APRENDIZES: Lembranças da construção do Tratado de Educação Ambiental. 2004. Disponível em: http://tratadodeea.blogspot.com.br/2008/06/somos-todos-aprendizes-lembranas-da.html. Acesso em 02 de agosto de 2014.

VIOLA, Eduardo .J. O movimento ecológico no Brasil (1974-1986): do ambientalismo à ecopolítica. In: Pádua, J.A. (Org.) Ecologia e Política no Brasil. Rio de Janeiro: IUPERJ. 1987. p. 63-109. Disponível em: http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_03/rbcs03_01.htm. Acessado: 10/04/2017.

VIOLA, Eduardo J. LEIS, Héctor R. O ambientalismo multissetorial no Brasil para além da Rio-92: o desafio de uma estratégia globalista viável. Trabalho debatido na sessão “Sociedade Civil e Meio Ambiente” do primeiro seminário do projeto “Diretrizes de Ação para o Meio Ambiente no Brasil”, realizado de 24 a 25 de novembro de 1992, em Brasília DF. Disponível em: file:///C:/Users/Sylvia%20Helena/Downloads/docslide.com.br_56990536-o-ambientalismo-multissetorial-no-brasil-rio92.pdf.

Downloads

Publicado

2018-08-31

Como Citar

Battaini, V., & Sorrentino, M. (2018). Educação ambiental e escola: narrativas de moradores de Fernando de Noronha – PE&lt;br&gt;Environmental education and school: narratives of residents of Fernando de Noronha - PE&lt;br&gt;Educación ambiental y escuela: narrativas de moradores de Fernando de Noronha - PE. REMEA - Revista Eletrônica Do Mestrado Em Educação Ambiental, 35(2), 292–314. https://doi.org/10.14295/remea.v35i2.7924

Edição

Seção

Artigos