Educação ambiental, justiça ambiental e questões de gênero: a perspectiva de um grupo de educadoras ambientais comunitárias de Magé, RJ.
Educación ambiental, justicia ambiental y cuestiones de género: la perspectiva de un grupo de educadoras ambientales comunitarias de Magé, RJ.
Environmental education, environmental justice and gender issues: the perspective of a group of community environmental educators of Magé, RJ.

Carolina Alves Gomes de Oliveira, Celso Pereira Sánchez

Resumo


Este estudo se debruça sobre um grupo de educadoras ambientais comunitárias, que atuam em comunidades sob vulnerabilidade socioambiental em Magé, RJ. A partir do acompanhamento deste grupo, tivemos como objetivo levantar temas trazidos pelas educadoras que dialogassem com o movimento por justiça ambiental e com as discussões de gênero, como forma contextualizar as práticas da Educação Ambiental Crítica em meio a uma realidade de desigualdades. Os temas levantados evidenciam que os problemas socioambientais se sobrepõem às diversas situações de desigualdade e exclusão que se deflagram no território, inclusive as desigualdades gênero. O trabalho desenvolvido pelas educadoras apresenta as contradições trazidas, por um lado, pelas denúncias de um cotidiano de injustiças socioambientais e, por outro, de um trabalho educativo humanizador, que emerge da própria comunidade.

Este estudio se centra en un grupo de educadoras ambientales comunitarias, que actúan en comunidades bajo vulnerabilidad socioambiental em Magé, RJ. A partir del seguimiento de este grupo, tuvimos como objetivo levantar temas traídos por las educadoras que dialogasen con el movimiento por justicia ambiental y con las discusiones de género, como forma de contextualizar las prácticas de la Educación Ambiental Crítica en medio de una realidad de desigualdades. Los temas levantados evidencian que los problemas socioambientales se superponen a las diversas situaciones de desigualdad y exclusión que se desencadenan en el territorio, incluidas las desigualdades de género. El trabajo desarrollado por las educadoras presenta las contradicciones traídas, por un lado, por las denuncias de un cotidiano de injusticias socioambientales y, por otro, de un trabajo educativo humanizador, que emerge de la propia comunidad.

This study focuses on a group of community environmental educators, who work in communities under social and environmental vulnerability in Magé, RJ. From the follow-up of this group, we had as objective to raise themes brought by educators that dialogue with the movement for environmental justice and with the gender discussions, as a way to contextualize the practices of Critical Environmental Education in the midst of a reality of inequalities. The issues raised show that socio-environmental problems overlap with various situations of inequality and exclusion that are spreading in the territory, including gender inequalities. The work carried out by the educators presents the contradictions brought, on the one hand, by denunciations of a daily social and environmental injustices and, on the other hand, a humanizing educational work that emerges from the community itself.

Palavras-chave


Educação ambiental, justiça ambiental, questões de gênero

Texto completo:

PDF

Referências


ACSELRAD, Henri; MELLO, Cecília Campello Amaral do; BEZERRA, Gustavo Neves das. O que é justiça ambiental. Rio de Janeiro: Garamond, 2009.

ACSELRAD, Henri. Ambientalização das lutas sociais – o caso do movimento por justiça ambiental. Estudos avançados, v. 24, n. 68, p. 103-119, fev. 2010.

ACSELRAD, Henri. Conhecimento do ambiente e o ambiente do conhecimento – anotações sobre a conjuntura do debate sobre vulnerabilidade. In: Em Pauta (Uerj) v. 11, n. 32, p. 113-130, 2013.

ALMEIDA, Verônica Lima Fonseca da.; CHALUB-MARTINS, Leila. Relações de Gênero e Educação Ambiental no Projeto Mulheres das Águas. In: Encontro Nacional da ANPPAS, out. 2010.

AMADOR, Elmo. Baía de Guanabara: Ocupação histórica e avaliação ambiental. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2013.

ARANTES, Rivane. Movimento de Mulheres e lutas socioambientais: experiências e desafios para o feminismo. In: ARANTES, Rivane; GUEDES, Vera (Org.). Mulheres, trabalho e justiça socioambiental. Recife: SOS Corpo- Instituto Feminista para a Democracia, 2010.

COELHO, Breno Herrera da Silva; LOUREIRO, Carlos Frederico; IRVING, Marta Azevedo; SOARES, David Gomes. Conflitos entre o Comperj e a gestão de áreas protegidas: O Mosaico Central Fluminense como possibilidade de enfrentamento a impactos socioambientais de grandes empreendimentos industriais. Desenvolvimento e Meio Ambiente, v. 35, p. 259-273, dez. 2015.

CORONIL, Fernando. Naturaleza del poscolonialismo: del eurocentrismo al globocentrismo. In. LANDER, Edgardo (Org.). La colonialidad del saber: eurocentrismo e ciências sociales – perspectivas latinoamericanas. Buenos Aires: CLACSO, 2000.

CRUZ, Elizabeth Ferreira. A problemática da água no mundo: desafios para a luta feminista. In: ARANTES, Rivane; GUEDES, Vera (Org.). Mulheres, trabalho e justiça socioambiental. Recife: SOS Corpo- Instituto Feminista para a Democracia, 2010.

DELIZOICOV, Demétrio; DELIZOICOV, Nadir Castilho. Educação ambiental na escola. In LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo; TORRES Juliana Rezende. Educação Ambiental – Dialogando com Paulo Freire. São Paulo: Cortez, 2014.

DIAS, Alexandre Pessoa; SOUZA Alexandre Anderson; MAIA Aline Borgoff; BERZINS, Felix Augusto Jacobson. Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj): Impactos socioambientais, violação de direitos e conflitos na Baía de Guanabara. Revista Ética e Filosofia Política. n.16, v.1, p. 151-155, jun. 2013.

FAUSTINO, Cristiane; FURTADO Fabrina. Indústria do Petróleo e Conflitos Ambientais na Baía de Guanabara: o do caso Comperj. Rio de Janeiro: Plataforma Dhesca - Relatoria do Direito Humano ao Meio Ambiente, 2013.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 9. ed. Rio de Janeiro: Paz & Terra. 1987.

FREIRE, Paulo; NOGUEIRA, Adriano. Que fazer: teoria e prática em educação popular. Petrópolis: Vozes, 1993.

FREITAS, Rosana, C. M. A. Construção de uma agenda para as questões de gênero, desastres socioambientais e desenvolvimento. Estudos Feministas, Florianópolis, v.16, n.3. p. 889-899, jan. 2010. Disponível em: . Acesso em: 13 ago. 2017.

KERGOAT, Daniele. Divisão Sexual do trabalho e relações sociais de sexo. In: HIRATA, Helena et. al. (Org.). Dicionário crítico do feminismo. São Paulo: Unesp, p. 67-75. 2009.

LAYRARGUES, Philippe Pomier. Educação Ambiental com compromisso social: o desafio da superação das desigualdades. In: LOUREIRO. Carlos Frederico Bernardo; LAYRARGUES. Philippe Pomier; CASTRO. Ronaldo Souza (Orgs.). Repensar a educação Ambiental: Um olhar crítico. São Paulo: Cortez, 2009.

LISBOA, Teresa Kleba; LUSA, Mailiz Garibotti. Desenvolvimento sustentável com perspectiva de gênero - Brasil, México e Cuba: mulheres protagonistas no meio rural. Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, v. 18, n. 3, p. 871-887, set./dez. 2010. Disponível em:. Acesso em: 28 mar. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-026X2010000300013.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Educação Ambiental e gestão participativa na explicitação e resolução de conflitos. Gestão em Ação, Salvador v.7, n.1, p. 37-50, jan./abr. 2004.

LOUREIRO, Carlos Frederico Bernardo. Trajetória e Fundamentos da Educação Ambiental. São Paulo: Cortez. 2006.

LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. E. D. Pesquisa em Educação: Abordagens qualitativas. São Paulo: EPU. 1986.

MALERBA, Juliana. A luta por justiça socioambiental na agenda feminista: visibilizando alternativas e fortalecendo resistências. In: ARANTES, Rivane; GUEDES, Vera (Org.). Mulheres, trabalho e justiça socioambiental. Recife: SOS Corpo- Instituto Feminista para a Democracia, 2010.

MARTÍNEZ ALIER, Joan. O ecologismo dos pobres. São Paulo: Contexto, 2015.

MIES, Maria; SHIVA, Vandana. Ecofeminismo. Lisboa: Instituto Piaget, 1993.

PACHECO, Tânia. Desigualdade, injustiça ambiental e racismo: uma luta que transcende a cor. Development in Practice. v.18. n.6. 2007. Disponível em: http://www.justicaambiental.org.br/_justicaambiental/pagina.php?id=1869. Acesso: 25 set. 2017.

PORTO, Marcelo Firpo; FINAMORE, Renan. Riscos, saúde e justiça ambiental: o protagonismo das populações atingidas na produção de conhecimento. Ciência e saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 17, n. 6, p. 1493-1501, jun. 2012 . Disponível em: Acesso em: 15 mar.2017.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes. In SANTOS, Boaventura de Souza e MENESES, Maria Paula (Orgs.) Epistemologias do Sul, Coimbra: Almedina, 2009.

SILVA, Carmen. Mulheres e justiça socioambiental: uma reflexão a partir do trabalho In: ARANTES, Rivane; GUEDES, Vera (Org.). Mulheres, trabalho e justiça socioambiental. Recife: SOS Corpo- Instituto Feminista para a Democracia, 2010.

SILVA, Maria de Fátima Silva da; FIOD, Edna Garcia Maciel. Babaçu livre: história da associação de Mulheres Quebradeiras de Coco de Lago do Jungo/MA (1980-2007). In AUED, Bernardete Wrublevski ; VENDRAMINI, Célia Regina (Org.) Educação do campo: Desafios teóricos e práticos. Florianópolis: Insular. 2009.

STORTTI, Marcelo; COSTA, Leila. Gênero, violência e indústria do petróleo: um panorama do impacto da refinaria de Duque de Caxias (REDUC) sobre a vida das mulheres da baixada fluminense. Revista Ambivalências. v. 2, n. 3, p. 70 – 85, jan./jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 23 nov. 2015.

VIEZZER, Moema; RODRIGUES, Carmem Lúcia, MOREIRA, Tereza. Relações de gênero na Educação Ambiental. In TRAJBER, Rachel., MANZOCHI, Lúcia. Helena. Avaliando a Educação Ambiental no Brasil: Materiais Impressos. São Paulo: Editora Gaia, 1996.




DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v35i1.7498

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2018 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.