Representações sociais e educação ambiental: surdos no filme A gangue<br>Social representations and environmental education: deaf on the film The tribe

Autores

  • Saionara Figueiredo Santos Instituto Federal de Santa Catarina e Universidade Federal de Santa Catarina http://orcid.org/0000-0003-4522-5476
  • Fabiana Paula Bubniak IFSC
  • Bruno Panerai Velloso IFSC

DOI:

https://doi.org/10.14295/remea.v35i1.7367

Palavras-chave:

cinema, surdo, cultura surda, educação ambiental.

Resumo

Este artigo é reflexo do aprofundamento do estudo apresentado no VII Encontro e Diálogos com a Educação Ambiental. Neste pretendemos destrinchar as representações sociais de sujeitos surdos, presentes no filme A Gangue (2014).. A partir do projeto de extensão intitulado “Cineclube Surdo”, executado junto aos servidores e alunos do Instituto Federal de Santa Catarina, campus Palhoça Bilíngue (o qual atende surdos em sua prioridade), tínhamos como objetivo principal apresentar à comunidade produções cinematográficas realizadas por sujeitos surdos ou que representem a cultura dessa minoria linguística. No caso do filme A Gangue, este estava entre estas produções o filme escolhido para ser objeto de análise deste estudo. Assistiram este filme alunos surdos e ouvintes e servidores do campus, além de membros das associações de surdos catarinense. Após assistirem o filme, foi realizado um debate orientado por questões acerca da representação dada ao surdo, a estética dada a esta temática e a linguagem utilizada. A discussão foi estimulada, focada na representação surdo como criador no campo da arte e da importância do ensino de técnicas audiovisuais que podem dar voz a esse público na cultura popular. Neste estudo, buscamos articular as falas coletadas destas discussões com as abordagens teóricas da Educação Ambiental, evidenciando novas perspectivas de articulação e o seu caráter transcendental. This article reflects the deepening of the study presented at the VII Meeting and Dialogues with Environmental Education. In this we intend to unravel the social representations of deaf subjects, present in the film The gang. From the extension project "Cineclube Surdo", executed with the servers and students of the Federal Institute of Santa Catarina, campus Palhoça Bilingual (which attends deaf in its priority), we had as main objective to present to the community cinematographic productions made by subjects deaf or representing the culture of this linguistic minority. In the case of the film The gang, this was between these productions the film chosen to be object of analysis of this study. This film was watched by deaf students and listeners and servers of the campus, as well as members of associations of the deaf from Santa Catarina. After watching the film, a debate was conducted, guided by questions about the representation given to the deaf, the aesthetics given to this theme and the language used. The discussion was stimulated, focused on deaf representation as a creator in the field of art and the importance of teaching audiovisual techniques that can give voice to this public in popular culture. In this study, we sought to articulate the statements collected from these discussions with the theoretical approaches of Environmental Education, evidencing new perspectives of articulation and its transcendental character.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Saionara Figueiredo Santos, Instituto Federal de Santa Catarina e Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre em Educação Ambiental pela Universidade Federal do Rio Grande (FURG). Graduada em Pedagogia pela Universidade das Américas e também graduada em Tecnologia em Saneamento Ambiental pela Faculdade de Tecnologia Centec (FATEC - Cariri). Atualmente, trabalha como Professora da área de Tradução, no Instituto Federal de Santa Catarina (IFSC - Câmpus Palhoça Bilíngue). Tem focado seus projetos na área da Educação Bilíngue para Surdos, Tecnologias de Informação e Comunicação para surdos, Análise Crítica do Discurso, Estudos da Tradução/Interpretação das Línguas de Sinais e Estudos de Gênero. Possui certificações da UFSC para interpretar e ministrar aulas focadas na Língua Brasileira de Sinais (ProLibras).

Fabiana Paula Bubniak, IFSC

Atualmente é doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Linguagem na Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul). É Mestre em Ciências da Linguagem na Universidade do Sul de Santa Catarina (2016) e Especialista em Comunicação Audiovisual pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2003). Possui graduação em Publicidade e Propaganda pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2000). É professora do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina. Tem experiência na área de Comunicação, com ênfase em Audiovisual.

Bruno Panerai Velloso, IFSC

Doutor em Eng. e gestão do conhecimento(2014), possui graduação em Engenharia de Computação pela Universidade Federal do Rio Grande (2005) e mestrado em Ciências da Computação pela Universidade Federal de Santa Catarina (2008). , atuando principalmente nos seguintes temas: ambientes virtuais de ensino e aprendizagem, inteligência artificial, desenvolvimento de jogos educacionais, educação a distância e informática na educação, desenvolvimento de objetos de ensino e aprendizagem, mídias na educação de surdos.

Referências

A Família Bélier. Direção: Eric Lartigau. France 2 Cinéma. Paris, 2014. 106 min.

A Gangue. Direção: Miroslav Slaboshpitsky. Ukrainian State Film Agency. Kiev, 2014. 132 min.

Assassino em Silêncio. Direção: Oxide Pang; Danny Pang. Film Bangkok. Bangkok, 2000. 105 min.

BRASIL, Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: MEC/SEESP, 2008. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/politica.pdf> Acesso: 16 de agosto de 2015

BUBNIAK, F. P. Cinema Surdo: Uma Poética Pós-Fonocêntrica. Dissertação de Mestrado. 2016. Universidade do Sul de Santa Catarina. 117 páginas.

Deafula. Direção: Peter Wolf. Signscope Films. Ventura, 1975. 95 min.

FERNANDES, S., and MOREIRA, L C M. Políticas de educação bilíngue para surdos: o contexto brasileiro. Educar em Revista 2 (2014).

Filhos do Silêncio. Direção: Randa Haines. Paramount Pictures. Los Angeles, 1986. 118 min.

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. 18ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

I Love You. Direção: Akihiro Yonaiyama. All Japan Film Center. Tokio, 1999. 111 min.

Link Digital. Sessões de cinema no Câmpus Palhoça Bilíngue evidenciam a cultura surda. Disponível em: <http://linkdigital.ifsc.edu.br/2015/04/07/sessoes-de-cinema-no-campus-palhoca-bilingue-evidenciam-a-cultura-surda> Acesso em 23 de junho de 2015.

LOUREIRO, C. F. B. Educação Ambiental Transformadora. In: LAYRARGUES, P. P. (coord.) Identidades da educação ambiental brasileira/ Ministério do Meio Ambiente. Diretoria de Educação Ambiental. Brasília: Ministério do Meio Ambiente, 2004.

LOUREIRO, C. F. B. Trajetória e Fundamentos da Educação Ambiental. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2006.

LOUREIRO, C. F. B. Premissas teóricas para uma educação ambiental transformadora -Ambiente e Educação, Rio Grande, 8: 37-54, 2003

Nada Que Eu Ouça. Direção: Joseph Sargent. Hallmark Hall of Fame Productions. Los Angeles, 2008. 120 min.

NUNES, E., V., DANDOLINI, G., A., E SOUZA, J., A. Uma reflexão sobre acessibilidade e inclusão: Adianta adicionar a Língua Brasileira de Sinais a um vídeo, se não houver legendas para deficientes auditivos que não dominam LIBRAS?17/06/2011. Planeta Educação.

PERLIN, Gládis T.T Identidades surdas In Skliar Carlos (org.) A Surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Editora Mediação, 1997

PINO, A. Imagem, mídia e significação. In:Imagem: intervenção e pesquisa. Florianópolis: editor da UFSC, 2006. Organi zação de: Ana Maria Alves de Souza e Marise Matos Gonçalvez.

PUIG, Josep Maria. A construção da personalidade moral, São Paulo: Editora Ática, 1998

SANTOS, S.,F. Educação ambiental: recursos imagéticos na produção de significação de um sujeito surdo. Dissertação de Mestrado. 2013. Universidade Federal de Rio Grande. 158 páginas.

SCHUCHMAN, John S. Hollywood Speaks: Deafness and the Film Entertainment Industry. Chicago: University of Illinois Press, 1999.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis: Editora da UFSC, 2008.

STROBEL, R. M. Situando as diferenças implicadas na educação de surdos: inclusão/exclusão. In: Revista Ponto de Vista. Florianópolis, n.05, p. 81-111,2013. Disponível em: <http://www.perspectiva.ufsc.br/pontodevista_05/05_quadros.pdf> Acesso em 23 de junho de 2015.

The Hammer. Direção: Oren Kaplan. Film Harvest. Los Angeles, 2010. 108 min.

YAMATO, Jen. ‘Scarface’ For the Deaf: Inside ‘The Tribe,’ a Graphic Crime Saga Featuring an All-Deaf Cast. The Daily Beast, 2005. Disponível em: http://www.thedailybeast.com/articles/2015/06/20/scarface-for-the-deaf-inside-the-tribe-a-

ukrainian-crime-saga-featuring-an-all-deaf-cast.html Acesso em 6 de abril de 2016.

Downloads

Publicado

2018-05-18

Como Citar

Santos, S. F., Bubniak, F. P., & Velloso, B. P. (2018). Representações sociais e educação ambiental: surdos no filme A gangue&lt;br&gt;Social representations and environmental education: deaf on the film The tribe. REMEA - Revista Eletrônica Do Mestrado Em Educação Ambiental, 35(1), 76–91. https://doi.org/10.14295/remea.v35i1.7367

Edição

Seção

Artigos