Vivências em educação ambiental em unidades de conservação: caminhantes na trilha da mudança

Julia Rovena Witt, Carlos Frederico Bernardo Loureiro, Lucia de Fátima Socoowski de Anello

Resumo


Na sociedade moderna capitalista, o paradigma de separação entre ser humano e natureza legitimou relações de dominação e exploração dos bens naturais e também dos seres humanos. Tendo em vista esse contexto e o modo como a gestão de espaços naturais historicamente se estabeleceu no âmbito da conservação da biodiversidade (igualmente fundado na cisão sociedade-natureza), o presente artigo, de caráter ensaístico, discute as vivências de educação ambiental desenvolvidas junto ao “ambiente natural”. Buscando uma interlocução com a teoria crítica, intenta-se trazer para reflexão a questão do modelo de criação de unidades de conservação (UCs), em um contexto de injustiça ambiental e social, traçando-se um paralelo com a questão da conscientização ambiental, em termos freireanos. A partir disso, discute-se premissas teóricas que contribuem para a atuação educativa em UCs, a partir de seus caminhantes e em diálogo e sintonia com a gestão ambiental desses espaços públicos instituídos.

Palavras-chave


unidades de conservação; educação ambiental; conscientização; participação

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v30i1.3291

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Direitos autorais 2014 REMEA - Revista Eletrônica do Mestrado de Educação Ambiental



Indexadores
Portal de Periódicos - Capes Repositório DSpace Portal do Sistema Eletrônico de Editoração de Revistas - IBICT Diadorim Diretório de Políticas de Acesso Aberto das Revistas Científicas Brasileiras Google Acadêmico The Elektronische Zeitschriftenbibliothek (Alemanha) OEI - Biblioteca Digital Diretório Luso-Brasileiro Repositórios e Revistas de Acesso Aberto LATINDEX REDIB (Red Iberoamericana de Innovación y Conocimiento Científico)
Rev. eletrônica Mestr. Educ. Ambient., E-ISSN 1517-1256, ISSN 2318-4884, Rio Grande, Brasil.