Derivas da ecogovernamentalidade: cartografando contradispositivos espácio-temporais e máquinas estéticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/remea.v0i0.11168

Resumo

Concebendo a internet como tecnologia de época, buscaram-se materialidades discursivas que pudessem ser entendidos como estéticas da existência, no que diz respeito às relações que se empreende com o meio ambiente no tempo presente. O objetivo central foi o de colocar em evidência quais tecnologias estão em jogo na experimentação de práticas de liberdade. Adotou-se a cartografia como pistas de um método que responde por processos e, no recorte analítico considerado, são discutidos os contradispositivos espácio-temporais e as máquinas estéticas, reconhecidas na materialidade discursiva presente nas obras dos artistas brasileiros Roberta Carvalho e Eduardo Srur. Lidas como territórios existenciais, as obras se constituem por narrativas que escapam de ecologias policialescas e normativas incitadas pela ecogovernamentalidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adalberto Ferdnando Inocêncio, Universidade Estadual de Londrina

Doutor em Ensino de Ciências pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Professor colaborador na Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Referências

BARROS, Laura Pozzana de; KASTRUP, Virgínia. Cartografar é acompanhar processos. In. PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da. Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015.

CANTON, Katia. Da política às micropolíticas. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2009.

CARNEIRO, Beatriz. A construção do dispositivo meio ambiente. Ecopolítica. V. 4. set-dez, 2012. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/ecopolitica/article/view/13057/9560. Acesso em 26/11/2016.

DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo, ed. 34, 1992.

______________. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2013.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. O que é a filosofia? 3. ed. São Paulo: Editora 34, 2010.

FOUCAULT, Michel. Os anormais. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

________________. As Palavras e as Coisas. 9. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

________________. Segurança, Território, População. Martins Fontes: São Paulo, 2008.

________________. As Técnicas de Si. In. FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos, v. IX: genealogia da ética, subjetividade e sexualidade. (Organizado por Manoel Barros da Motta). Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014a.

________________. História da sexualidade 1: A vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra, 2014b.

GODOY, Ana. Conservar docilidades ou experimentar intensidades. in. PREVE, Ana Maria; CORRÊA, Guilherme (organizadores). Ambientes da ecologia: perspectivas em política e educação. Santa Maria: Editora da UFSM, 2007.

GODOY, Ana. A menor das ecologias. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

GUATTARI, Félix. Caosmose: um novo paradigma estético. São Paulo: Editora 34, 2012.

KASTRUP, Virgínia. O funcionamento da atenção no trabalho do cartógrafo. In. PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da. Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015.

MALETTE, Sébastien. Foucault para o próximo século: ecogovernamentalidade. Ecopolítica. v. 1. 2011 (p. 4-25). Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/ecopolitica/article/view/7654. Acesso em 26/11/2016.

PELBART, Peter Pál. O avesso do niilismo: cartografias do esgotamento. 2. ed. São Paulo: n-1 edições, 2016.

_________________. Aos nossos amigos. in. RAGO, Margareth; GALLO, Sílvio. Michel Foucault e as insurreições: é inútil revoltar-se? São Paulo: CNPq, Capes, Fapesp, Intermeios, 2017.

_________________. Por uma arte de instaurar modos de existência que “não existem”, 2017. Disponível em: https://laboratoriodesensibilidades.wordpress.com/2017/05/02/por-uma-arte-de-instaurar-modos-de-existencia-que-nao-existem-peter-pal-pelbart/. Acesso em 30/07/2018.

PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; ESCÓSSIA, Liliana da. Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015.

REIGOTA, Marcos; DO PRADO, Bárbara Heliodora Soares (organizadores). Educação Ambiental: utopia e práxis. São Paulo: Cortez, 2008.

ROLNIK, Suely. Despachos no museu: sabe-se lá o que vai acontecer... in. RAGO, Margareth; ORLANDI, Luiz Lacerda; VEIGA-NETO, Alfredo (organizadores). Imagens de Foucault e Deleuze: ressonâncias nietzschianas. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

____________. Esferas da insurreição: notas para uma vida não cafetinada. São Paulo: N-1 edições, 2018.

ROMERO, Manuela Linck de. Cartografias de experiências urbanas: corpo, pensamento e cidade em movimento. Curitiba: Appris, 2018.

SIQUEIRA, Leandro. Derivas siderais, ecopolítica e governamentalidade planetária. Ecopolítica. São Paulo. v. 15. 2016 (p. 2-36). Disponível em: <https://revistas.pucsp.br/ecopolitica/article/view/28360/20571>. Acesso em: 22/08/2017.

VEIGA-NETO, Alfredo.Ecopolítica: um novo horizonte para a biopolítica. Revista Eletrônica do Mestrado de Educação Ambiental. V. Especial, dez/2014. Disponível em: https://periodicos.furg.br/remea/article/view/4860/3045. Acesso em: 22/08/2017.

Downloads

Publicado

2020-07-01

Como Citar

Inocêncio, A. F. (2020). Derivas da ecogovernamentalidade: cartografando contradispositivos espácio-temporais e máquinas estéticas. REMEA - Revista Eletrônica Do Mestrado Em Educação Ambiental, 37(2), 430–449. https://doi.org/10.14295/remea.v0i0.11168

Edição

Seção

Dossiê IMAGENS: RESISTÊNCIAS E CRIAÇÕES COTIDIANAS