Políticas de inclusão em saúde

Autores

  • Roseli Belmonte Machado Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS http://orcid.org/0000-0001-5653-1175
  • Débora Duarte Freitas Professora no Instituto Federal Farroupilha. Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

DOI:

https://doi.org/10.14295/momento.v29i1.9354

Palavras-chave:

inclusão, saúde, governo, risco.

Resumo

O presente artigo traz uma reflexão sobre os enredos entre inclusão e saúde, a partir de uma ideia de gestão de riscos, praticadas pelo Estado brasileiro, buscando responder: como as políticas de inclusão em saúde têm se constituído em formas de governo das condutas na sociedade brasileira contemporânea? O objetivo é o de debater como os enredos entre inclusão, saúde e gerenciamento da vida se manifestam em políticas brasileiras em uma racionalidade política contemporânea. Para tanto, nos debruçamos sobre materiais que versam sobre políticas de saúde para o Estado brasileiro, tendo por base a governamentalidade e a biopolítica. A partir das análises, foi possível refletir que as políticas inclusivas em saúde, pela educação, atuam na condução das condutas dos sujeitos para que se tornem saudáveis e responsáveis por si.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Roseli Belmonte Machado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul/UFRGS

Professora Adjunta da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança (ESEFID) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. É Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Mestre em Educação e Licenciada em Educação Física pela Universidade Luterana do Brasil – ULBRA/Canoas.

Débora Duarte Freitas, Professora no Instituto Federal Farroupilha. Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Professora do Instituto Federal Farroupilha. É Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Mestre em Educação Física e Licenciada em Educação Física pela Universidade Federal de Pelotas.

Referências

AVELINO, Nildo. Apresentação: Foucault e a Anarqueologia dos saberes. In: FOUCAULT, Michel. Do governo dos vivos: curso no Collège de France 1979- 1980: Excertos. SP/RJ: Achiamé, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Saúde mental no SUS: os centros de atenção psicossocial / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília: Ministério da Saúde, 2004.

BRASIL, Ministério da Saúde. Cadernos de Atenção Básica, n. 27, NASF. Tiragem: 1ª edição, Brasília: MS, 2009.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria n° 2.488 de 21 de outubro de 2011. Aprova a Política Nacional de Atenção Básica, estabelecendo a revisão de diretrizes e normas para a organização da Atenção Básica, para a Estratégia Saúde da Família (ESF) e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS). Brasília: MS, 2011.

BRASIL. Ministério da Saúde. Plano de ações estratégicas para o enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNT) no Brasil. Brasília – DF: Ministério da Saúde, 2011b.

BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria nº 2.681, de 7 de novembro de 2013. Redefine o Programa Academia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: MS, 2013a.

BRASIL, Ministério da Saúde. Curso de extensão em promoção de saúde para gestores do SUS com enfoque no Programa Academia da Saúde. Brasília: MS/UNB, 2013b.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Guia alimentar para a população brasileira / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2. ed. – Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

CASTIEL, Luis David. O cuidado de si e agovernamentalidade biomédica. IHU Online: Revista do IHU, Unisinos, N. 472, ano XV, p. 69-75, 2007.

CASTIEL, Luis David. Identidades sob risco ou risco como identidade? A saúde dos jovens e a vida contemporânea. In: Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, Florianópolis, v.4, p. 02-16, jul./dez. 2007.

CASTRO, Edgardo. Vocabulário de Foucault. BH: Autêntica, 2009.

CHIGNOLA, Sandro. Reinventar a liberdade, reinventar a si próprio. In: IHU On-Line: Revista do Instituto Humanitas Unisinos, N. 472, ano XV, p. 20-25, 2015.

FOUCAULT, Michel. História da Sexualidade I: A vontade de saber. RJ: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e Punir. 33.ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

FOUCAULT. Michel. Em Defesa da Sociedade. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

FOUCAULT, Michel. Do Governo dos Vivos: curso no Collège de France 1979- 1980: Excertos. SP/RJ: Achiamé, 2011.

LAZZARATO, Maurizio. Biopolítica/Bioeconomia. In: PASSOS, Izabel (org.). Poder, normalização e violência: incursões foucaultianas para a atualidade. BH: Autêntica, 2008.

LOPES, M.C. Políticas de inclusão e governamentalidade. In: THOMA, A.S., HILLESHEIM, B. (Org.). Políticas de inclusão: gerenciando riscos e governando as diferenças. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2011. p. 7‐15.

LOPES, Maura Corcini; FABRIS, Eli Henn. Inclusão e Educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

MARTINS, Carlos José; ALTMANN, Helena. Construções históricas de ideais de corpos masculinos e femininos. In: BAGRICHEVSKY, Marcos; ESTEVÃO, Adriana; PALMA, Alexandre (orgs.). A saúde em debate – Volume 3. Ilhéus: Editus, 2007. p. 23-38

NOGUERA-RAMIREZ, Carlos. A governamentalidade nos cursos do professor Foucault. In: BRANCO, Guilherme; VEIGA-NETO, Alfredo (orgs.). Foucault, filosofia e política: BH: Autêntica, 2013. 1a reimp.

SIBILIA, Paula. Em busca da felicidade lipoaspirada: agruras da imperfeição carnal sob a moral da boa forma. In: FILHO, João Freire (org). Ser feliz hoje: reflexões sobre o imperativo da felicidade. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010. p. 195-212.

Downloads

Publicado

2020-07-22

Como Citar

Machado, R. B., & Freitas, D. D. (2020). Políticas de inclusão em saúde. Momento - Diálogos Em Educação, 29(1), 171–186. https://doi.org/10.14295/momento.v29i1.9354

Edição

Seção

Dossiê temático