Vulnerabilidade linguistica e educação de surdos

Pedro Henrique Witchs, Maura Corcini Lopes

Resumo


O artigo discute a manutenção da histórica vulnerabilidade linguística atribuída às pessoas com surdez e problematiza a precarização das condições de desenvolvimento e sustentabilidade do sujeito. Para tanto, usou-se o conceito foucaultiano de governamento como uma ferramenta de análise em um conjunto de políticas linguísticas de educação de surdos no Brasil. A partir do material, foi possível identificar que o mecanismo da escolha parental opera como uma estratégia de planejamento linguístico fortemente articulada à uma prática de condução pela língua oficial que age na manutenção da vulnerabilidade linguística dos surdos e na precarização de suas condições de formação e trabalho. Assim, entende-se a língua oficial como parte de um dispositivo que instaura a in/exclusão como condição contemporânea e que atua em uma espécie de repatriação de surdos.

Palavras-chave


vulnerabilidade; língua; inclusão

Texto completo:

PDF

Referências


BACELLAR, Arnaldo de Oliveira. A surdo mudez no Brasil (cadeira de hygiene). Série Histórica. v. 6. Rio de Janeiro: INES, [1926] 2013.

BERENBLUM, Andrea. A invenção da palavra oficial: identidade, língua nacional e escola em tempos de globalização. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. In: Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2002. p. 23.

BRASIL. Presidência da República. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). In: Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2015. p. 2.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000. In: Casa Civil, Subchefia para Assuntos Jurídicos. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 2005. p. 28.

BRASIL. Presidência da República. Decreto nº 42.728, de 3 de dezembro de 1957. Institui a Campanha para a Educação do Surdo Brasileiro. Diário Oficial da União, Rio de Janeiro, 1957. p. 27069.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: Ministério da Educação, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Portaria nº 243, de 15 de abril de 2016. Diário Oficial da União, Brasília, DF, n. 73, 2016.

CALVET, Louis-Jean. As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola Editorial; IPOL, 2007.

CASTRO, Edgardo. Vocabulário de Foucault – um percurso pelos seus temas, conceitos e autores. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009.

DAVIS, Lennard. Enforcing normalcy: disability, deafness, and the body. London; New York: Verso, 1995.

DECROSSE, Anne. Um mito histórico, a língua materna. In: VERMES, Geneviève; BOUTET, Josiane (Orgs.). Multilinguismo. Campinas: Editora da Unicamp, 1989. p. 19-29.

FOUCAULT, Michel. Segurança, território, população: curso dado no Collège de France (1977-1978). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FRANCO, José Eduardo. O Marquês do Pombal e a invenção do Brasil: reformas coloniais iluministas e a protogênese da nação brasileira. Cadernos IHU Ideias, São Leopoldo, Unisinos, a. 13, n. 220, v. 13, p. 3-30, 2015.

HACKING, Ian. Ontologia histórica. São Leopoldo: Editora Unisinos, 2009.

JANSON, Tore. A história das línguas: uma introdução. São Paulo: Parábola Editorial, 2015.

LODI, Ana Claudia Balieiro. Educação bilíngue para surdos e inclusão segundo a Política Nacional de Educação Especial e o Decreto nº 5.626/05. Educação e Pesquisa, São Paulo, USP, v. 39, n. 1, p. 49-63, jan./mar. 2013.

LOPES, Maura Corcini; FABRIS, Elí Henn. Inclusão & Educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

LOPES, Mauta Corcini. ¿Qué hay entre las políticas de inclusión y las prácticas pedagógicas en la escuela? Revista Sudamérica, Buenos Aires, n.9, p.73-94, 2018.

MAGALHÃES, Anderson Salvaterra. Políticas linguísticas e historicização do Brasil: a escrita na construção vernacular. Gragoatá, Niterói, UFF, v. 17, n. 32, p. 99-116, 1. sem. 2012.

PONTIN, Bianca Ribeiro. Discursos e processos de normalização dos sujeitos surdos através de próteses auditivas nas políticas de governo da atualidade. 2014. 73 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.

QUADROS, Ronice Müller de; PIZZIO, Aline Lemos; CRUZ, Carina Rebello; SOUSA, Aline Nunes de. Mosaico da linguagem das crianças bilíngues bimodais: estudos experimentais. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, Belo Horizonte, UFMG, v. 16, n. 1, p. 1-24, mar. 2016.

QUADROS, Ronice Müller de. Língua de herança: língua brasileira de sinais. Porto Alegre: Penso, 2017.

STANDING, Guy. O precariado. A nova classe perigosa. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

THOMA, Adriana da Silva; KRAEMER, Graciele Marjana. A educação de pessoas com deficiência no Brasil: políticas e práticas de governamento. Curitiba: Appris, 2017.

VEIGA-NETO, Alfredo. Coisas do governo. In: RAGO, Margareth; ORLANDI, Luiz B. Lacerda; VEIGA-NETO, Alfredo (org.). Imagens de Foucault e Deleuze. Rio de Janeiro, 2002. p. 13-34.

VIEIRA-MACHADO, Lucyenne Matos da Costa. Ser bilíngue: estratégias de sobrevivência dos sujeitos surdos na sociedade contemporânea. In: VIEIRA-MACHADO, Lucyenne Matos da Costa; LOPES, Maura Corcini (Orgs.). Educação de surdos: políticas, língua de sinais, comunidade e cultura surda. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2010. p. 48-67.




DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v29i1.9272

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

MOMENTO - Diálogos em Educação, E-ISSN 2316-3100, Rio Grande/RS, Brasil

PROPESQ
PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ