Política de inclusão escolar e a modulação das condutas dos sujeitos com deficiência

Autores

  • Graciele Marjana Kraemer

DOI:

https://doi.org/10.14295/momento.v29i1.9269

Palavras-chave:

Política de Inclusão Escolar, Governamento, Modulação das Condutas

Resumo

O objetivo do presente estudo é analisar e problematizar como a política de inclusão escolar aciona tecnologias de modulação das condutas dos sujeitos com deficiência. A analítica que sustenta a problematização foi desenvolvida a partir do conceito foucaultiano de governamento. Verifica-se, por meio de pesquisa documental, que os investimentos operacionalizados via programas governamentais para promover a inclusão escolar potencializam um quadro político, econômico e social em que os efeitos da exclusão passem a ser atenuados. Como tecnologia de modulação das condutas das pessoas com deficiência, a participação é uma das condições elementares para a promoção da autonomia; essa condição, segundo a política de inclusão escolar, desenvolve-se a partir da configuração de investimentos na promoção da participação e do desenvolvimento individual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Graciele Marjana Kraemer

Graduada em Educação Especial – Deficientes da Audiocomunicação pela Universidade Federal de Santa Maria, Mestre e Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Professora do Departamento de Estudos Especializados (DEE) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS – Brasil.

Referências

BRASIL. Lei nº 13.146, de 06 de Julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília: Presidência da República, 2015.

BRASIL. Plano Nacional dos Direitos da Pessoa com Deficiência – Viver sem Limite, 2013. Brasília: Presidência da República, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. BPC na Escola: Documento orientador. 2010. Brasília: Presidência da República, 2010.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. 2008. Brasília: Presidência da República, 2008.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Educação Inclusiva: direito à diversidade. Brasília: Presidência da República, 2003.

BRASIL Ministério da Educação. Programa de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais. Brasília: Presidência da República, 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa Escola Acessível. Brasília: Presidência da República, 2013.

CARVALHO, Alexandre Filordi de. A função-educador na perspectiva da biopolítica e da governamentalidade neoliberal. Cadernos IHU Ideias, Ano 14, v. 14, n. 244, p. 01-28, 2016.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

CORRÊA, Camila Bottero; CAETANO, Letícia Farias; LOCKMANN, Kamila. Os discursos pró-inclusivos como estratégias de governamento que operam sobre os docentes e discentes do Ensino Fundamental. In: Anais da XI Anped Sul. Reunião Científica Regional da ANPED: Educação, movimentos sociais e políticas governamentais. Curitiba, 2016.

DELEUZE, Gilles. Conversações. São Paulo. 3. ed: Editora 34, 2013.

FISCHER, Rosa Maria B. Escrita acadêmica: arte de assinar o que se lê. Caminhos Investigativos III: riscos e possibilidades de pesquisar nas fronteiras. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

FOUCAULT, Michel. Do governo dos vivos: curso no Collège de France: 1979- 1980: excertos. 2º Edição Ampliada. São Paulo: Centro de Cultura Social; Rio de Janeiro: Achiamé, 2011a.

FOUCAULT, Michel. Segurança, Território, População: curso ministrado no Collège de France (1978-1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor? In: FOUCAULT, Michel. Ditos & Escritos III – Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2006. p. 264-298.

FOUCAULT, Michel. Estratégia poder-saber. In: FOUCAULT, Michel. Ditos & Escritoos IV - Estratégia, Poder-Saber. Organização de Manoel Barros da Motta. Tradução de Vera Lúcia Avellar Ribeiro. Rio de Janeiro: Editora Forense Universitária, 2003.

FOUCAULT, Michel. A Governamentalidade. In: FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 15. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1993.

FROHLICH, Raquel; LOPES, Maura Corcini. Serviços de apoio à inclusão escolar e a constituição de normalidades diferenciais. Revista Educação Especial, v. 31, p. 995-1008, 2018.

GADELHA, Sylvio. Biopolítica, governamentalidade e educação: introdução e conexões a partir de Michel Foucault. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

LASTA, Letícia Lorenzoni. Políticas de Assistência Social no Brasil: o governo da vida pela proteção e inclusão social. 2015. 198 f. Tese (Doutorado em Psicologia Social e Institucional) – Programa de Pós-Graduação em Psicologia Social e Institucional, Instituto de Psicologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2015.

LAZZARATO, Maurizio. As Revoluções do Capitalismo: a política no império. Tradução de Leonora Corsini. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LOPES, Maria Isabel; MARZOLA, Norma Regina. A “escola acessível” como um dispositivo de ortopedia social. In: HATTGE, Morgana Domênica; KLEIN, Rejane Ramos (Orgs.). Diferença e inclusão na escola. Curitiba: CRV, 2015. p. 183-202.

LOPES, Maura Corcini. Políticas de Inclusão e Governamentalidade. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 34, n. 21, p.153-169, mai./ago. 2009.

LOPES, Maura Corcini. Inclusão como prática política de governamentalidade. In: LOPES, Maura Corcini; HATTGE, Morgana Domênica. (Org.). Inclusão escolar: conjunto de práticas que governam. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009a. p. 107-130.

LOPES, Maura Corcini. Prefácio Políticas de inclusão e governamentalidade. In: THOMA, Adriana; HILLESHEIM, Betina (Orgs.). Políticas de inclusão: gerenciando riscos e governando as diferenças. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2011, p. 07-15.

LOPES, Maura Corcini; FABRIS, Eli Henn. Inclusão & Educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

LOPES, Maura Corcini. Inclusão como estratégia e imperativo de Estado: a educação e a escola na produção de sujeitos capazes de incluir. In.: RESENDE, Aroldo de. (Org.). Michel Foucault: o governo da infância. Belo Horizonte: Autêntica, 2015, p.291-303.

LÓPEZ-RUIZ, Oswaldo. O ethos dos executivos das transnacionais e o espírito do capitalismo. Campinas, SP: [s.n.], 2004.

MACHADO, Roseli Belmonte. A inclusão como rede: uma análise de práticas de professores de educação física na contemporaneidade. 2016. 309f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2016.

MACHADO, Fernanda de Camargo. Em nome da inclusão escolar. In: X Anped Sul, 2014, Florianópolis. Anais da X Anped Sul. Florianópolis: UDESC, 2014. V. 1. p. 01-14.

ROSE, Nikolas. Cérebro, Self e Sociedade: uma conversa com Nikolas Rose. Physis: Revista de saúde coletiva, Rio de Janeiro, v. 20, n. 1, p. 301-324, 2010.

ROSE, Nikolas. Inventando nossos Selfs: psicologia, poder e subjetividade. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2011.

ROSE, Nikolas; MILLER, Peter. Governando o presente. São Paulo: Paulus, 2012.

SILVA, Shirley; VIZIM, Marli. (Orgs.) Políticas Públicas: educação, tecnologias e pessoas com deficiências. Campinas: Mercado de Letras; Associação de Leitura do Brasil, 2003.

VEIGA-NETO, Alfredo. Educação e Governamentalidade Neoliberal: novos dispositivos, novas subjetividades. In: PORTOCARRERO, Vera; CASTELO BRANCO, Guilherme (Orgs.). Retratos de Foucault. Rio de Janeiro: NAU, 2000. p.179-217.

Downloads

Publicado

2020-07-22

Como Citar

Kraemer, G. M. (2020). Política de inclusão escolar e a modulação das condutas dos sujeitos com deficiência. Momento - Diálogos Em Educação, 29(1), 71–87. https://doi.org/10.14295/momento.v29i1.9269

Edição

Seção

Dossiê temático