Da escola à empresa educadora: a fabricação de habilidades em prol da inclusão de todos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/momento.v29i1.9250

Palavras-chave:

Inclusão. Escola. Empresa.

Resumo

A partir das discussões realizadas em minha pesquisa de doutorado, intitulada “Da escola à empresa educadora: a inclusão como uma estratégia de fluxo-habilidade”, problematizo algumas das relações entre escola e empresa no Brasil para verificar como elas se articulam em prol da inclusão de jovens com deficiência no mercado de trabalho. Inspirada em Michel Foucault, a investigação buscou compreender alguns aspectos da proveniência e as condições de emergência da articulação entre escola e empresa, sendo que esse movimento permitiu perceber como, no início do século XX, ambas as instituições iniciaram tentativas de aproximação, já que era fundamental investir em capital humano através da Educação. Mobilizar, qualificar e se responsabilizar pelo social se tornaram palavras de ordem e, consequentemente, princípios a serem seguidos para o alcance da inclusão de todos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Tatiana Luiza Rech, Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS)

É Doutora em Educação (2015) pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS. É Mestre (2010) em Educação pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade do Vale do Rio dos Sinos – UNISINOS. Possui graduação em Pedagogia Anos Iniciais do Ensino Fundamental (2005) e em Pedagogia Anos Iniciais do Ensino Fundamental Ênfase em Educação Especial (2007) pela Universidade de Santa Cruz do Sul – UNISC. É integrante do Grupo de Estudo e Pesquisa em Inclusão (GEPI/CNPq), vinculado à Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS). É professora Adjunta do Curso de Pedagogia, na Universidade Estadual do Rio Grande do Sul (UERGS), na Unidade em Cruz Alta.

Referências

ASHLEY, Patrícia A. A responsabilidade social corporativa em um contexto de fusões, aquisições e alianças. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 6, n.16, p. 105-114, 2000.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). ABNT NBR 16001: Norma Brasileira de Responsabilidade Social. Disponível em: <http://www.inmetro.gov .br/qualidade/responsabilidade_social/norma_nacional.asp>. Acesso em: 22 mai. 2019.

BAGGIO NETO, Luiz. Padrão de vida e proteção social adequados. In: RESENDE, Ana Paula Crosara; VITAL, Flavia Maria de Paiva (Coord.). A Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Versão Comentada. 2. ed. Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos; Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, 2008. p. 115-118.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade Líquida. Tradução de Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Zahar, 2001. 258 p.

BAUMAN, Zygmunt. Capitalismo parasitário. Tradução de Eliana Aguiar. Rio de Janeiro: Zahar, 2010. 92 p.

BERTONCELLO, Silvio L. T.; CHANG JÚNIOR, João. A importância da Responsabilidade Social Corporativa como fator de diferenciação. FACOM, São Paulo, n. 17, p. 70-76, 2007.

BIESTA, Gert. Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Tradução de Rosaura Eichenberg. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013. (Coleção Educação: Experiência e Sentido).

BORGER, Fernanda G. Responsabilidade social: efeitos da atuação social na dinâmica empresarial. 2001. 254 f. Tese (Doutorado em Administração) -- Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade de São Paulo (USP), São Paulo, 2001.

BORGER, Fernanda G. Responsabilidade social empresarial e sustentabilidade para a gestão empresarial. Instituto Ethos, Notícias, 19 jun. 2013. Disponível em: <http://www3.ethos.org.br/cedoc/responsabilidade-social-empresarial-e-sustentabilidade-para-a-gestao-empresarial/>. Acesso em: 22 mai. 2019.

BRASIL. Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991. Dispõe sobre os Planos de Benefícios da Previdência Social e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 1991. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l8213cons.htm>. Acesso em: 22 abr. 2019.

BRASIL. Lei nº 10.097, de 19 de dezembro de 2000. Altera dispositivos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1o de maio de 1943. Brasília: Presidência da República, 2000. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/cciv

il_03/leis/l10097.htm>. Acesso em: 22 abr. 2019.

CASTEL, Robert. A discriminação negativa. Petrópolis: Vozes, 2008.

DRUCKER, Peter F. Sociedade Pós-Capitalista. Tradução de Nivaldo Montingelli Jr. 7. ed. São Paulo: Ed. Pioneira, 1999. 175 p.

FERRÉ, Nuria Pérez de Lara. Identidade, diferença e diversidade: manter viva a pergunta. In: LARROSA, Jorge; SKLIAR, Carlos. Habitantes de Babel: políticas e poéticas da diferença. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p 195-214.

FOUCAULT, Michel. Nascimento da Biopolítica: Curso no Collège de France (1978 – 1979). São Paulo: Martins Fontes, 2008. 474 p.

GADELHA, Sylvio. Governamentalidade neoliberal, Teoria do Capital Humano e Empreendedorismo. Educação & Realidade, Porto Alegre. v. 34, n. 2, p. 171-186, 2009.

GALLO, Sílvio. Uma apresentação: diferenças e educação; governamento e resistência. In: LOPES, Maura Corcini; HATTGE, Morgana Domênica. (Org.). Inclusão escolar: conjunto de práticas que governam. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2009. p. 7-12.

INSTITUTO BRASILEIRO DOS DIREITOS DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA (IBDD). Inclusão social da pessoa com deficiência: medidas que fazem a diferença. Rio de Janeiro: IBDD, 2008, 312 p.

INSTITUTO ETHOS. O que as empresas podem fazer pela inclusão das pessoas com deficiência. Coordenação de Marta Gil. São Paulo: Instituto Ethos, 2002. 97 p.

INSTITUTO ETHOS; UNIETHOS. Relatório de Sustentabilidade. São Paulo: Instituto Ethos; UniEthos, 2008. 90 p.

INSTITUTO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIO TEIXEIRA (INEP). Censo da Educação Superior 2013. Brasília: INEP, 2013.

JOVEM APRENDIZ. Programa Jovem Aprendiz. Brasília: MTE, 2005.

LAZZARATO, Maurizio. As revoluções do capitalismo. Tradução de Leonora Corsini. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LOPES, Maura Corcini; FABRIS, Eli Henn. Inclusão & Educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013. 127 p.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO (MEC). Site oficial do Ministério da Educação. 2014. Informações e materiais referentes a todas as secretarias do MEC. Disponível em: <http://www.mec.gov.br>. Acesso em: 22 set. 2014.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO (MTE); SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO (SIT). A Inclusão das Pessoas com Deficiência no Mercado de Trabalho. 2. ed. Brasília: MTE; SIT, 2007. 100 p.

______. Projeto Piloto de Incentivo à Aprendizagem das Pessoas com Deficiência. Brasília: MTE; SIT, 2008.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO (MTE); SECRETARIA DE INSPEÇÃO DO TRABALHO (SIT); SECRETARIA DE POLÍTICAS PÚBLICAS DE EMPREGO (SPPE). Manual da aprendizagem: o que é preciso saber para contratar o aprendiz. 7. ed. rev. e ampliada. Brasília: MTE; SIT; SPPE, 2011. 84 p.

NOGUERA-RAMÍREZ, Carlos Ernesto. O governamento pedagógico: da sociedade do ensino para a sociedade da aprendizagem. 2009. 266f. Tese (Doutorado em Educação) -- Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2009.

ORGANIZAÇÃO INTERNACIONAL DO TRABALHO (OIT). Gestão de questões relativas a deficiência no local de trabalho: Repertório de recomendações práticas da OIT. Tradução de Edilson Alkmin Cunha. Revisão técnica de João Baptista Cintra Ribas. Brasília: OIT, 2006. 64 p.

POPKEWITZ, Thomas S.; OLSSON, Ulf; PETERSSON, Kenneth. Sociedade da Aprendizagem, Cosmopolitismo, Saúde Pública e Prevenção à Criminalidade. In: Educação & Realidade. Porto Alegre, v. 34, n. 2, mai./ago. 2009. p. 73-96.

SENNETT, Richard. A cultura do novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2006.

SENNETT, Richard. Juntos: os rituais, os prazeres e a política da cooperação. Tradução de Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Record, 2012. 378 p.

STOICOV, Carla. et al. Manual de incorporação dos critérios essenciais de responsabilidade social empresarial. São Paulo: Instituto Ethos, 2009. 56 p.

TENÓRIO, Fernando Guilherme (Org.). Responsabilidade social empresarial: teoria e prática. 2. ed. rev. e ampl. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2006.

THOMA, Adriana da Silva. O cinema e a flutuação das representações surdas: “Que drama se desenrola neste filme? Depende da perspectiva...”. 2002. 258 f. Tese (Doutorado em Educação) -- Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Porto Alegre, 2002.

VARELA, Julia. Categorias espaço-temporais e socialização escolar: do individualismo ao narcisismo. In: COSTA, M.V. (Org.) Escola básica na virada do século: cultura, política e currículo. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2002. p. 73-106.

VEIGA-NETO, Alfredo. Foucault & a Educação. 2. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. 159 p.

Downloads

Publicado

2020-07-22

Como Citar

Rech, T. L. (2020). Da escola à empresa educadora: a fabricação de habilidades em prol da inclusão de todos. Momento - Diálogos Em Educação, 29(1), 254–271. https://doi.org/10.14295/momento.v29i1.9250

Edição

Seção

Dossiê temático