Ninguém nasce Inês Brasil, torna-se Inês Brasil: artefato cultural, pânico moral e “ideologia de gênero” em Campo Grande (MS)

Tiago Duque

Resumo


Este artigo problematiza algumas críticas feitas às contribuições científicas da teoria feminista para o campo da educação. O referencial teórico utilizado é o pós-estruturalista. Os argumentos são construídos a partir da análise do artefato cultural Inês Brasil, especialmente os memes que envolvem essa web-celebridade, assim como da experiência em torno da aprovação da Lei da Mordaça na cidade de Campo Grande (MS). Os resultados da análise apontam para a necessidade de compreensão da produção das diferenças como enfrentamento do pânico moral em torno do que vem sendo chamado de “ideologia de gênero”.

Palavras-chave


ideologia de gênero; pânico moral; educação

Texto completo:

PDF

Referências


ALGEBAILE, Eveline. Escola sem Partido: o que é, como age, para que serve. In: FRIGOTTO, Gaudêncio (Org.). Escola “sem” Partido: esfinge que ameaça a educação e a sociedade brasileira. Rio de Janeiro: UERJ, 2017. p. 63-74.

BRAH, Avtar. Diferença, diversidade, diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, n. 26, jan./jun., 2006, p. 329-376. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n26/30396.pdf. Acesso: 11 dez. 2017.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da realidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do “sexo”. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 2001. p. 152-172.

COHEN, Stanley. Folk Devils and Moral Panics: The Creation of Mods and Rockers. London: MacGibbon & Kee, 1972.

DESLANDES, Keila. Formação de professores e Direitos Humanos: construindo escolas promotoras da igualdade. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015.

FERNANDES, Maria Dilnéia E. O percurso político-legislativo do programa “Escola sem Partido” em Campo Grande, MS. ETD- Educação Temática Digital, Campinas, v.19 n. esp, p. 217-235, 2017. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8647432/15192. Acesso: 04 fev. 2018.

FISCHER, Rosa Maria B. Mídia, máquinas de imagens e práticas pedagógicas. Revista Brasileira de Educação, Porto Alegre, v. 12, n. 35, p. 290-299, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/v12n35/a09v1235. Acesso em 12 jan. 2018.

HORTA, Natália Botelho. O meme como linguagem da internet: uma perspectiva semiótica. Dissertação (Mestrado em Comunicação) - Faculdade de Comunicação, Universidade de Brasília, Brasília, 2015. Disponível em: http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/18420/1/2015_NataliaBotelhoHorta.pdf. Acesso em: 23 dez. 2017.

JUNQUERIA, Rogério Diniz. “Ideologia de gênero”: a gênese de uma categoria política reacionária – ou: a promoção dos direitos humanos se tornou uma “ameaça à família natural”? In: RIBEIRO, Paula Regina C., MAGALHÃES, Joanalira Corpes. Debates contemporâneos sobre educação para a sexualidade. Rio Grande: Ed. da FURG, 2017. p. 25-52. Disponível em: http://www.educadores.diaadia.pr.gov.br/arquivos/File/pdf/livro_debates_contemporaneos_educacao_sexualidade.pdf. Acesso em: 23 dez. 2017.

LANCASTER, Roger N. Sex Panic and the Punitive State. Berkeley/Los Angeles: University of California Press, 2011.

LOURO. Guacira Lopes. Um corpo estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MILLER, Daniel. Trecos, Troços e Coisas: estudos antropológicos sobre a cultura material. Rio de Janeiro: Zahar, 2013.

MINOIS, Georges. História do Riso e do Escárnio. São Paulo: Editora da UNESP, 2003.

MISKOLCI, Richard. CAMPANA, Maximiliano. “Ideologia de Gênero”: notas para a genealogia de um pânico moral contemporâneo. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 35. N. 03, 2017. p. 725-747. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/se/v32n3/0102-6992-se-32-03-725.pdf. Acesso em: 05 fev. 2018.

MISKOLCI, Richard. Pânicos morais e controle social: reflexões sobre o casamento gay. Cadernos Pagu, Campinas, n. 28, p. 101-128, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/cpa/n28/06.pdf. Acesso: 02 fev. 2018.

MONTEIRO, Marko Synésio A. Os dilemas do humano: reinventando o corpo em uma era (bio) tecnológica. São Paulo: Annablume, 2012.

PISCITELLI, Adriana. Internseccionalidades, categorias de articulação e experiências de migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura. Goiânia, v. 11, n. 2, p. 263-274, 2008. Disponível em: https://www.revistas.ufg.br/fchf/article/view/5247/4295. Acesso: 22 jan. 2018.

POSSENTI, Sírio. Os humores da língua: análise linguística de piadas. Campinas: Mercado das Letras, 1998.

SILVA, Benícia Oliveria da; RIBEIRO, Paula Regina C. Sexualidade na sala de aula: tecendo aprendizagens a partir de um artefato pedagógico. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 19, n. 2, p. 521-533, 2011. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/S0104-026X2011000200014/19401. Acesso: 14 jan. 2018.




DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v27i3.7787

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


MOMENTO - Diálogos em Educação, E-ISSN 2316-3100, Rio Grande/RS, Brasil

PROPESQ
PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ PROPESQ