Uma perspectiva de ensino a partir da teoria do corpo em Merleau-Ponty

Huanderson Barroso Lobo, Ronara Viana Cordovil, José Vicente De Souza Aguiar

Resumo


O ensino historicamente no Brasil, foi construído a partir de práticas instrucionistas e reprodutivas. Diante desta perspectiva, verificou-se a necessidade de realizar um estudo no sentido de compreender as possibilidades de ensino a partir de uma perspectiva fenomenológica. Merleau-Ponty desde sua primeira obra, procura superar a visão anterior de que o corpo é apenas um objeto, colocando-o como um corpo-sujeito. Ele é o veículo do ser no mundo, faz-se presente em um meio definido, integrando-se a ele. O autor faz de sua teoria da percepção uma teoria do corpo, pois este estabelece a condição de possibilidade do perceber. Como instrumentos da pesquisa foram utilizados as leituras bibliográficas de diversas obras do referido autor, de modo a articulá-las às atividades de ensino, possibilitando a utilização do corpo nas experiências educacionais, que para Merleau-Ponty são fundamentais na construção do conhecimento.

Palavras-chave


Fenomenologia; Corpo; Conhecimento; Merleau-Ponty;

Texto completo:

PDF

Referências


DARTIGUES, André. O que é fenomenologia? 2 ed. Rio de Janeiro: Eldorado, 1973.

FERRO, Marc. Cinema e História. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FRÓIS, Kátia P. Revisão da percepção da arquitetura em Bruno Zevi, Christian Norberg-Schulz e através de Heidegger até a possibilidade fenomenológica de Merleau-Ponty. OLAM. Ciência e Tecnologia, Rio Claro, v. 1, n. 2, p. 123-152, nov, 2001.

GIORDAN, A.; VECCHI, G. As origens do saber: das concepções dos aprendentes aos conceitos científicos. 2 ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996.

HEIDEGGER, M. História do conceito de tempo: Prolegômenos. Trad. Theodore Kisiel, Bloomington, Indianapolis: Indiana University Press, 1992.

HUSSERL, E. A crise da humanidade europeia e a filosofia. Porto Alegre; EDIPUCRS, 2008.

JACOBUCCI, Daniela Franco Carvalho. Contribuições dos espaços não formais de educação para a formação da cultura científica. Em extensão, Uberlândia, v. 7, 2008.

LORENZETTI, Leonir; DELIZOICOV, Demétrio. Alfabetização científica no contexto das séries iniciais do ensino fundamental. Ensaio – Pesquisa em educação em Ciências, Belo Horizonte, v.3, n 1, p. 5-15, 2001.

MARIN, Andréia Aparecida. Pesquisa em educação ambiental e percepção ambiental. Pesquisa em Educação Ambiental, São Carlos; Sorocaba-SP: UFSCar; Rio Claro-SP: UNESP/IBRC; Ribeirão Preto-SP: USP/FFCLRP, v.3, n.1, p.203-222, jan/jun. 2008.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. Trad. Carlos Alberto R. de Moura. São Paulo: Martins Fontes. Livraria Martins Fontes Editora Ltda. 1999.

_________. Merleau-Ponty na Sorbonne: resumo de cursos: 1949-1952: Filosofia e Linguagem. Trad. Constança Marcondes César. Campinas, SP: Papirus, 1990a.

_________. Merleau-Ponty na Sorbonne: resumo de cursos: 1949-1952: Filosofia e Linguagem. Trad. Constança Marcondes César. Campinas, SP: Papirus, 1990b.

_________. A Estrutura do Comportamento. Trad. José de Anchieta Corrêa. Belo Horizonte, MG: Interlivros, 1975.

_________. A dúvida de Cézanne. De: Textos selecionados. São Paulo: Abril Cultural, 1980.

MOREIRA, V. O Método Fenomenológico de Merleau-Ponty como Ferramenta Crítica na Pesquisa em Psicopatologia. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17(3), p.447-456, 2004.

MOREIRA, Ana Angélica Albano. O espaço do desenho: A educação do educador. São Paulo: Edições Loyola, 1984.

NAPOLITANO, Marcos. Como usar o cinema em sala de aula. São Paulo: Contexto, 2003.

SOUZA, Marcelo Lopes. Algumas notas sobre a importância do espaço para o desenvolvimento social. Rio de Janeiro: Garamond, 1997.

VIANA, M. C. V. O Cinema na Sala de Aula e a Formação de Professores de Matemática. Mini-curso oferecido aos alunos do Curso de Matemática na UFRRJ. Dia de Atividades Acadêmico-Científico-Culturais. 18 de maio de 2010. Seropédica- RJ.

VASCONCELLOS, J. M. O. Avaliação da visitação pública e da eficiência de diferentes tipos de trilhas interpretativas no Parque Estadual Pico do Marumbi e Reserva Natural Salto Morato – PR. Curitiba. 1998. 141fls. Tese (Doutorado em Ciências Florestais). Pós-Graduação em Engenharia Florestal, Universidade Federal do Paraná.

_____.; OTA, S. Atividades ecológicas e planejamento de trilhas interpretativas. Maringá: Departamento de Agronomia, UEM, 2000 (mimeo).




DOI: https://doi.org/10.14295/momento.v27i2.7178

Métricas do artigo

Carregando Métricas ...

Metrics powered by PLOS ALM


MOMENTO - Diálogos em Educação, E-ISSN 2316-3100, Rio Grande/RS, Brasil

Indexadores

PROPESQ

Indexadores

Indexadores

PROPESQ

Indexadores

PROPESQ