O que os alunos do primeiro ano estão aprendendo na sala de aula: a posição das crianças e de seus familiares

Autores

  • Susana Inês Molon Universidade Federal do Rio Grande
  • Lizandra Barreto Pereira Universidade Federal do Rio Grande
  • Alice Baldez de Avila Universidade Federal do Rio Grande
  • Camila Trindade Universidade Federal do Rio Grande

Palavras-chave:

Primeiro ano, Aprendizagem, Crianças, Familiares

Resumo

Este artigo aborda a posição das crianças e de seus familiares sobre o que os alunos do primeiro ano do ensino fundamental estão aprendendo em sala de aula. Trata-se de uma pesquisa qualitativa de orientação sócio-histórica desenvolvida em uma escola municipal da cidade do Rio Grande/RS. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 36 crianças e 30 familiares de duas turmas de uma mesma professora. Os resultados demonstram que para as crianças e seus familiares diversos alunos ainda não se apropriaram da escrita e da leitura como forma complexa de comunicação e de expressão no primeiro ano. Constatou-se a necessidade da articulação do letramento e da alfabetização, com reconhecimento da especificidade de cada um e com a compreensão de que são processos constitutivos das relações de ensino-aprendizagem.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Susana Inês Molon, Universidade Federal do Rio Grande

Profª. Drª. Associada do Instituto de Ciências Humanas e da Informação e do Programa de Pós-graduação em Educação Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande

Lizandra Barreto Pereira, Universidade Federal do Rio Grande

Graduanda do curso de Psicologia e Bolsista de Iniciação Científica da FURG/PIBIC/CNPq

Alice Baldez de Avila, Universidade Federal do Rio Grande

Graduanda do curso de Psicologia e bolsista de Iniciação Científica do CNPq

Camila Trindade, Universidade Federal do Rio Grande

Graduanda do curso de Psicologia e bolsista de Iniciação Científica da FURG/PROBIC/FAPERGS

Referências

BARBOSA, Maria Carmen Silveira. Inquietações e perplexidades. Pátio Educação Infantil. Porto Alegre: Artes médicas, v. 3, n. 9, nov. 2005/fev. 2006.

BENEVENUTTI, Z. M. S.; FISCHER, J. Alfabetização e letramento: o que registram os alunos e o que dizem as professoras do 1º ano do ensino fundamental. IX Congresso Nacional de Educação- EDUCERE, III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia, PUCPR, Paraná, out, 2009. Disponível em: http://www.pucpr.br/eventos/educere/educere2009/anais/pdf/2654_1762.pdf. Acesso em: 15 de abril de 2014.

BRASIL. Lei n° 11.274/06, de 06 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos artigos. 29, 30, 32 e 87 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Presidência da República, Casa Civil, Sub-Chefia para Assuntos Jurídicos, 2006.

BRASIL. Parecer CNE/CEB n° 07/10, de 07 de abril de 2010. Diretrizes curriculares nacionais gerais para Educação Básica. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica, 2010.

BRASIL. Parecer CNE/CEB n° 04/08, de 20 de fevereiro de 2008. Orientação sobre os três anos iniciais do Ensino Fundamental de nove anos. Conselho Nacional de Educação. Câmara de Educação Básica, 2008.

BRASIL. Secretaria de Educação Básica; Diretoria de Currículos e Educação Integral – DICEI; Coordenação Geral do Ensono Fundamental – COEF. Elementos conceituais e metodológicos para definição dos direitos de aprendizagem e desenvolvimento do ciclo de alfabetização do Ensino Fundamental. Brasília: MEC, 2012. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&task=doc_download&gid=128 27&Itemid=. Acesso em 15 abril. 2015.

FRANCO, M. L. P. B. Análise de Conteúdo. 3º ed. Brasília: Liber livro editora, 2007.

FREITAS, M.T. de A. A abordagem sócio-histórica como orientadora da pesquisa qualitativa. SciELO - ScientificElectronic Library Online, São Paulo, julho, 2002. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0100-15742002000200002&script=sci_arttext> Acesso em: 07 de maio, 2014. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742002000200002

FRITZEN, C.; SILVEIRA, R. F. K. Alfabetização e letramento – o que dizem as crianças. In: 32ª. Reunião Anual da ANPED, 2009, Caxambu. Anais... Caxambu: Editora, 2009. p. 1- 15.

GÒES, M. C. R. A abordagem microgenética na matriz histórico-cultural: uma perspectiva para o estudo da constituição da subjetividade. Cadernos Cedes, Campinas, SP, ano XX, n. 50, p. 9-25, abril, 2000.

KRAMER, S.A. A infância e sua singularidade. In: BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ensino fundamental de nove anos: orientações para a inclusão de crianças de seis anos de idade. Brasília, DF: MEC, 2007.

MELLO, S. A. O processo de aquisição da escrita na educação infantil: contribuições de Vigotsky. In: FARIA, Ana Lúcia Goulart e MELLO, Suely Amaral (orgs.). Linguagens infantis: outras formas de leitura. Campinas: Autores Associados, 2005, p.21-36.

PATTO, M. H. S. A Família Pobre e a Educação Pública: Anotações sobre um desencontro. Psicologia USP, São Paulo, v.3, n.1/2, p.107-121, 1992.

SANTOS, Lucíola Licínio de Castro Paixão & VIEIRA, Lívia Maria Fraga. “Agora seu filho entra mais cedo na escola”: a criança de seis anos no Ensino Fundamental de nove anos em Minas Gerais. Educação & Sociedade. São Paulo: Cortez; Campinas, CEDES. V.27, n.96 – Especial, out. 2006.

SILVA, D. M. da; TOSCANO, C. As significações dos alunos com dificuldade de aprendizagem sobre ensinar e aprender na escola. X ANPED SUL, Florianópolis, out, 2014. Disponível em: http://xanpedsul.faed.udesc.br/arq_pdf/94-0.pdf. Acesso em: 15 de abril de 2015.

SILVA, S. M. C. A Constituição social do desenho da criança. Campinas: Mercado das Letras, 2002.

SILVA, Juliana P.; BARBOSA, Silvia N.; KRAMER, Sonia. Questões teórico-metodológicas da pesquisa com crianças. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 01, p. 41-64, jan./jul. 2005.

SMOLKA, Ana L. B. Sentido e significação. Parte A – Sobre significação e sentido: uma contribuição à proposta de rede de significações. In: ROSSETTI-FERREIRA, Maria C.; AMORIM, Kátia de S.; SILVA, Ana P. S. da: CARVALHO, Ana M. A. Rede de significações e o estudo do desenvolvimento humano. Porto Alegre: Artmed, 2004.

SOARES, M. A reinvenção da alfabetização. Presença Pedagógica, n° 52, jul/ago, 2003. Disponível em: http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/Formacao/a-reivencao-alfabetizacao.pdf. Acesso em 15 abril. 2015.

SOARES, M. Letramento e alfabetização: as muitas facetas. Revista Brasileira de educação, nº25, jan/abr, 2004. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbedu/n25/n25a01.pdf . Acesso em 15 abril. 2015.

VYGOTSKY, L.S. A Formação Social da Mente. 4. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

Downloads

Publicado

2016-08-30

Como Citar

Molon, S. I., Pereira, L. B., Avila, A. B. de, & Trindade, C. (2016). O que os alunos do primeiro ano estão aprendendo na sala de aula: a posição das crianças e de seus familiares. Momento - Diálogos Em Educação, 24(1), 59–87. Recuperado de https://periodicos.furg.br/momento/article/view/5037

Edição

Seção

Artigos