ALÉM DA SALA DE AULA

desafios e (im)possibilidades do ensino remoto emergencial

Autores

DOI:

https://doi.org/10.14295/momento.v31i03.14067

Palavras-chave:

Pandemia, Ensino Remoto, Relação Escola-Família, Tecnologias da Informação e da Comunicação.

Resumo

Enquanto lócus de vivências e sociabilidade, a escola é um espaço legítimo de produção de saberes e conhecimentos. No entanto, durante a pandemia da Covid-19, essas experiências foram interrompidas, demandando novos arranjos em outros espaços e de outras formas. Nessa direção, o presente estudo ouviu 48 entrevistados de seis cidades do Estado de Pernambuco e Paraíba sobre como se deu o processo de ruptura do ensino presencial para o ensino remoto. Trata-se de um estudo de natureza descritiva que mescla dados quantitativos e qualitativos, cujos resultados enfatizaram aspectos da (in)viabilidade do ensino remoto, considerando critérios da inclusão tecnológica, qualidade e eficiência dos processos e, além disso, destacou o papel da família nas novas mediações e interações de aprendizagem.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Robson Lima de Arruda, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB

Mestre em Formação de Professores pelo Programa de Pós-Graduação em Formação de Professores da Universidade Estadual da Paraíba - UEPB. Pedagogo (UEPB). Integrante dos Grupos de Pesquisa Comunicação, Cultura e Desenvolvimento e Comunicação (DECOM/UEPB) e Tecnologias, Culturas e Linguagens (TECLIN/UEPB). 

Robéria Nádia Araújo Nascimento, Universidade Estadual da Paraíba - UEPB

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Professora Associada da Universidade Estadual da Paraíba (UEPB/ Departamento de Comunicação Social). Professora Permanente do Programa de Pós-Graduação em Formação de Professores (PPGFP/UEPB), vinculada à Linha de Pesquisa Ciências, Tecnologias e Formação Docente. 

Referências

ALVES, Lucinéia. Educação à distância: conceitos e história no Brasil e no mundo. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância (RAABED), n,7, v.10, p.83-92, 2011. Disponível em: https://doi.org/10.17143/rbaad.v10i0.235 Acesso: 06 fev. 2020.

BARDIN. Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Presidência da República. Casa Civil. 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/ constituicao/constituicao.htm. Acesso: 03 fev. 2020.

BRASIL. Lei 9.394 de 20 de dezembro de 1996. (Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional). Senado Federal. Coordenação de Edições Técnicas. 2017a. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/529732/lei_de_diretrizes_e_bases_1ed.pdf Acesso: 07 fev. 2020.

BRASIL. Decreto n. 9.057 de 25 de maio de 2017. (Regulamenta o art. 80 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional). Presidência da República. 2020b. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/decreto/d9057.htm Acesso: 04 fev. 2020.

BRASIL. Portaria n. 343 de 17 de março de 2020. (Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus - COVID-19). 2020. Disponível em: https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376 Acesso: 03 fev. 2020.

CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede: a era da informação, economia, sociedade e cultura. Rio de Janeiro: Paz e terra, 1999.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede: do conhecimento à política. Em M. Castells & G. Cardoso (Orgs.). A Sociedade em Rede: do conhecimento à acção política. (pp. 17-30). 2005. Imprensa Nacional. Disponível em: https://egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/a_sociedade_em_rede_-_do_conhecimento_a_acao_politica.pdf Acesso: 07 fev. 2020.

COMITÊ GESTOR DA INTERNET DO BRASIL [CGI.br]. (2020). Pesquisa sobre o uso das tecnologias e comunicação nos domicílios brasileiros: TIC domicílios 2019. Disponível em: https://cetic.br/pt/publicacao/pesquisa-sobre-o-uso-das-tecnologias-de-informacao-e-comunicacao-nos-domicilios-brasileiros-tic-domicilios-2019/ Acesso: 06 fev 2020.

CURY, Augusto. 20 regras de ouro para educar filhos e alunos: como formar mentes brilhantes na era da ansiedade. São Paulo: Planeta, 2017.

FLICK, Uwe. Introdução à metodologia da pesquisa: um guia para iniciantes. Porto Alegre: Penso, 2013.

FRAGOSO, S.; RECUERO R.; AMARAL A. Métodos de pesquisa para internet. Porto Alegre: Sulina, 2011.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2018.

GADOTTI, Moacir. Perspectivas atuais da educação. São Paulo em Perspectiva, v.14, n.2, p. 3-11. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/spp/v14n2/9782.pdf Acesso: 05 fev. 2020.

GERHARDT, T.; SILVEIRA. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2009. Disponível em: http://www.ufrgs.br/cursopgdr/downloadsSerie/derad005.pdf Acesso: 02 fev. 2020.

GIL, Antônio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas, 2008.

GROSSI, M. G. R.; MINODA, D. DE S. M.; FONSECA, R. G. P. Impacto da pandemia do Covid-19 na educação: reflexos na vida das famílias. Teoria e Prática da Educação, v. 23, n. 3, p. 150-170, 16 dez. 2020. Disponível em: https://doi.org/10.4025/tpe.v23i3.53672 Acesso: 05 fev. 2020.

VIANNA DE MELO, C.; DE OLIVEIRA GONÇALVES, B. Narrativas “a contrapelo” de crianças camponesas em meio à pandemia da Covid-19. Linhas Crí¬ticas, [S. l.], v. 26, p. e33977, 2020. Disponível em: https://periodicos.unb.br/index.php/linhascriticas/ article/view/33977. Acesso: 03 fev. 2020.

MELO, C. V.; GONÇALVES, B. O. (2020). Narrativas “a contrapelo” de crianças camponesas em meio à pandemia da Covid-19. Linhas Crí¬ticas, n. 26, 1–21.

MERCADO, Luís Paulo. Formação continuada de professores e novas tecnologias. Maceió: EDUFAL, 1999.

MINAYO, Maria Cecília (org.). (1994). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

MORIN, Edgar. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014.

MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. 6ª ed. São Paulo: Cortez; Brasília, DF: UNESCO, 2002.

PEREZ, Tereza (Org.). Diálogo escola-família: parceria para a aprendizagem e o desenvolvimento integral de crianças, adolescentes e jovens. São Paulo: Moderna, 2019. Disponível em: https://comunidadeeducativa.org.br/wp-content/uploads/2019/06/Dia%CC%81logo_site.pdf Acesso: 03 fev. 2020.

SAVIANI, Demerval; GALVÃO, Ana Caroloina. (2021). Educação na pandemia: a falácia do “ensino” remoto. Universidade e Sociedade (ANDES), ano XXXI, n. 67, p.36-49, 2020. Disponível em: https://www.andes.org.br/img/midias/66ab954ec8f021a1b9ee3f68b131266d _1611672555.pdf. Acesso: 01 fev. 2020.

SOARES, Sávia Bona V. (2020). Coronavírus e a modernização conservadora da educação. Em SOARES, Sávia Bona et al. Coronavírus, educação e luta de classes no Brasil. (pp. 5-14). Brasil: Terra Sem Amos, 2020. Disponível em: https://terrasemamos.files.wordpress.com/2020/05/coronavc3adrus-educac3a7c3a3o-e-luta-de-classes-no-brasil-2.pdf Acesso: 04 fev. 2020.

SOUZA, K. R.; KERBAUY, M. T. M. Abordagem quanti-qualitativa: superação da dicotomia quantitativa-qualitativa na pesquisa em educação. Educação & Filosofia, [S. l.], v. 31, n. 61, p. 21–44, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.14393/REVEDFIL.issn.0102-6801.v31n61a2017-p21a44 Acesso: 02 fev. 2020.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

ZABALA, Antoni. A prática educativa: como ensinar. Porto Alegre: Artmed, 1998.

Downloads

Publicado

2022-11-26

Como Citar

Lima de Arruda, R., & Nádia Araújo Nascimento, R. (2022). ALÉM DA SALA DE AULA: desafios e (im)possibilidades do ensino remoto emergencial. Momento - Diálogos Em Educação, 31(03), 278–297. https://doi.org/10.14295/momento.v31i03.14067